Pular para o conteúdo principal

MOÇO DE CHOCOLATE [Cris Ebecken]


Corre por múltiplas línguas femininas o estranho conselho adocicado: em casos de solidão sem jeito imediato, coma chocolate. Precisei subvertê-lo devido a uma questão orgânica: meu organismo funciona às avessas, tem intolerância e reage resistentemente ao açúcar. E sim, provavelmente, segundo deduções médicas, a síndrome foi desenvolvida em decorrência a um período estressor afetivo.

Mas hoje, já há tempos mergulhada em casa, livro a livro, trabalho a trabalho, mal respirando meia troca de olhares com o mundo, essa chuva fina pontiaguda que acordou a cidade fez a solidão esmurrar a porta. Como quem tenta escapar de uma visita não bem vinda, peguei a saída dos fundos, dobrei a esquina da rua respirando. A cada passo dado, nesse mesmo bairro aonde resido há tanto tempo, mais estrangeira me sentia, mais desamparada me situava.

Lá pelo meio dessa fuga-andança, com alguns trocados na calça, topei com uma lanchonete. Bem ali, assim despudoradamente se exibindo, logo na frente: potinho de mousse de chocolate. Eu e ele, olhos nos olhos, sardas nos granulados.

O recipiente de plástico arredondado, milimetricamente igual ao que minha avó me presenteava quando menina, parecia abrir os abraços. Em segundos, feito relâmpago, me vieram as mãos dela como se segurassem o pote com mousse, e então a forma cuidadosa de fazer carinho, a voz tagarela fazendo presença a todo instante. Sim, como quem pega um cometa atemporal fui à meninice, em um tempo em que tudo que existia a minha volta de adultice era minha avó em sua doação amorosa me criando.

Instintivamente pensei: mousse de chocolate! Nele se encerravam todas as compreensões do afeto: as primeiras medidas e formas aprendidas quando se é criança: o pote; as descobertas das texturas dos sabores ao longo do aprofundamento das vivências: o chocolate.


Os dedos reviraram o bolso até somarem a quantia exata. Não havia em mim nenhuma expectativa de resoluções químicas, nenhuma busca de preenchimento beijoqueiro ou orgásmico através do chocolate, nenhuma idéia de feitiçaria ou qualquer coisa estratosférica que ressuscitasse minha avó, muito menos um mero desejo do doce pelo doce. Mas o fato foi: voltei para casa com ele, ele permanece intacto, consegui retomar o ofício sem estremecimentos, toda vez que a solidão ameaça abro a geladeira e o olho.

Assim ficará até mais um pouco, quando antes do prazo da validade farei alguém presenteado. Ironicamente, entre meninices e adultices, muitas significações parecem ter alterado os lugares dos sabores com isso. No momento, acompanhada por um mousse de chocolate; em breve, chocolate para um moço apreciador das estranhezas do meu doce.

Foto da própria autora

Impressões, Canela de Verso e Prosa, Sonhos do Mundo

Comentários

Anônimo disse…
é muito grande!!!
Ah, na véspera do vencimento do prazo de validade, dá o mousse de chocolate pra mim? :) Gosto de seus textos e de suas fotos.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …