Pular para o conteúdo principal

“LIMÃO GALEGO... RELOU TÁ PÊGO” [Maria Rita Lemos]


Quem passou dos trinta ou quarenta certamente se lembra que brincou de pega-pega. Bem como de “esconde-esconde”, “barra manteiga”... enfim, tanta coisa que as crianças de hoje, infelizmente, talvez nem tenham ouvido falar.

Pesquisadores de todo o mundo estão preocupados com essas mudanças radicais que as crianças sofreram nas últimas décadas, e já se sabe que correr, jogar bola, brincar de cobra cega e pular amarelinha é muito mais importante para a saúde física e mental de um ser em formação do que se poderia supor.

As crianças modernas brincam também, é claro, mas sua diversão, pelo menos nas classes mais favorecidas economicamente, é eletrônica na maioria das vezes. Sua alegria está, principalmente, na ponta dos dedos e no raciocínio. É como se o corpo, o tronco, as pernas ficassem esquecidos, parados, sem função.

No entanto, como o ser humano não muda assim tão depressa, nem física nem mentalmente, “crianças ainda precisam correr, se pendurar, se mexer, passar por cima e por baixo”, conforme diz o grande educador Içami Tiba. O que vivemos hoje é a perda de contato das crianças com a realidade, fruto do medo da violência na cidade grande. Violência esta que tirou as crianças das ruas e parques e prendeu-as em “playgrounds” e condomínios tão pequenos quanto monótonos.

Já está provado, cientificamente, que a criança que não administrou riscos, não tocou nem explorou o mundo, enfim, não correu nem experimentou o próprio corpo nos primeiros anos de vida, fica com prejuízos psicomotores que podem afetá-la a partir da fase da alfabetização. Basta lembrar que, do ponto de vista pedagógico, aprender a ler e a escrever requer pré-requisitos que são, principalmente, o senso de ritmo, lateralidade, orientação no espaço e tempo, equilíbrio e coordenação fina (de dedos). E esses pré-requisitos são obtidos, principalmente, nas brincadeiras livres da fase pré-escolar. Isto tudo sem falar no déficit emocional: brincar sozinha ou ficar muito tempo no computador ou no vídeo game, não ensina a criança a se relacionar com seus pares nem a administrar conflitos, o que pode ser muito ruim para sua vida futura.

Sabemos também que o problema é maior e mais antigo que a violência e a falta de espaço dos “apertamentos” das cidades grandes, que já não têm espaço nem quintal com árvores para subir e brincar. Há crianças que, mesmo dispondo deste espaço, quase não visitam seus quintais... Atrás disso encontramos famílias que ficam encantadas com a forma como suas crianças dominam os computadores e videogames, sem se lembrar de levá-las a um parque ou relembrar com elas antigas brincadeiras que nunca saem de moda.

A situação é tão séria que nem as próprias crianças modernas conseguem saber do que gostam, uma vez que não experimentaram outros tipos de diversão, a não ser as que espelham a pressão da mídia.

Apesar dessa realidade, nem tudo está perdido. O computador, a TV e o videogame estão aí e já fazem parte da nossa rotina, não podemos negar. Cabe aos pais, a partir disso, a tarefa mais difícil: selecionar a programação, interagir com os filhos, conversar sobre o que vêem e fazem juntos. Separar o joio do trigo – e, 365 dias por ano, ensinar os filhos e filhas a fazer isto sozinhos.

Imagem: Brincadeiras de Infância, Junião, Porto Alegre

Palavra de Mulher

Comentários

Hebe disse…
Estou com 45. Tive uma infância maravilhosa e com o que você escreveu, lembrei de muita coisa vivida com meus 4 irmãos e não sei quantos primos, com e sem os meus pais por perto. Moro em apartamento, mas ainda bem que meus filhos têm casa de vô e fazenda de tio para curtir terra, bichos e árvores. Aproveitamos também a praia, piqueniques no parque do cocó, casas e ruas no Pacheco e passeios rápidos em Guaramiranga e Maranguape. Nossas crianças adoramos.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …