Pular para o conteúdo principal

À MARIA O QUE É DE MARIA [Anna Christina Saeta de Aguiar]

Você sabe como chamar aquela pessoa que contratou para trabalhar diariamente na sua casa exercendo funções de natureza doméstica como limpar, varrer, lavar, passar, engomar, cozinhar e espanar? Esta pergunta, aparentemente simples, pode trazer respostas surpreendentes.

De "minha menina" ou "a menina lá de casa", passando por "maria" - mesmo quando a moça em questão na verdade se chama Ana Paula, até o mais popular de todos os eufemismos, "secretária do lar". Quem? O que faz uma secretária do lar? Anota recados, redige cartas e organiza arquivos? E a menina-lá-de-casa, é a filha, a neta ou aquela moça que só é "lá-de-casa" porque é paga para isso e desempenha suas funções com eficiência?

O termo empregada doméstica parece ter caído em desuso por conta de uma noção totalmente deturpada do famigerado "politicamente correto" e, ao contrário do que parece, acaba por dar conotação negativa ao que antes era uma expressão correta do ponto de vista legal, adequada em todos os aspectos e que definia uma profissão honrada e necessária.

Segundo o dicionário Houaiss, eufemismo é uma "palavra, locução ou acepção mais agradável, de que se lança mão para suavizar ou minimizar o peso conotador de outra palavra". Certo, entendo que, nesta época de patrulhamento do tal politicamente correto, o peso conotador é algo a ser considerado. Mas que conotação pode ter a expressão "empregada doméstica" que justifique a necessidade de a "suavizar"?

Imagino que essa mania de arrumar um "nome bonito" para designar a empregada doméstica tenha sido iniciada por gente que gostava muito da empregada que tinha, mas que achava feio, pobre ou desonroso ser empregada doméstica, e acabou perpetuada por outras tantas madames que, com uma lógica tortuosa, pretendem parecer simpáticas mas que, no fundo, estão sendo apenas condescendentes com alguém que consideram "desfavorecido".

Talvez uma das piores conseqüências do uso contínuo deste eufemismo seja o fato de que, atualmente, muitas mulheres jovens, mesmo quando são efetivamente empregadas domésticas, não querem que a profissão seja formalizada em sua carteira de trabalho. Dizem preferir "não sujar a carteira" e não se comovem ao saber que existe até uma lei específica para garantir os direitos cabíveis a todo aquele que seja registrado como empregado doméstico.

É certo que uma carteira de trabalho com registro de "empregada doméstica" poderá, no futuro, impedir que gente preconceituosa a leve a sério caso pleiteie qualquer outro cargo que não envolva vassouras e aspiradores. Usar de eufemismos, no entanto, em nada ajudará a combater o preconceito, pelo contrário: só o reforça e faz com que crie raízes profundas no inconsciente coletivo.

E é em nome da Maria de Fátima, que trabalha lá em casa como Empregada Doméstica - com muito orgulho, sim senhor, pois não lhe negamos o direito de ser algo que é bom, bonito e bacana - que inicio minha campanha pessoal contra as tais secretárias do lar. Lá em casa não queremos uma secretária, queremos a nossa empregada doméstica!!! Abaixo a papelada, os lápis apontados e as pastas suspensas: queremos a casa limpinha e as roupas cheirosas, coisas que só uma boa empregada doméstica pode nos oferecer. Viva a Maria!!! Viva!

Comentários

Paula disse…
Adorei, aqui em casa também temos uma Maria de Fátima (mas pra gente ela é a Fátima) que trabalha como empregada doméstica há anos... eu sempre falo: "a moça que trabalha lá em casa", mas quando alguém liga pra cá e pergunta quem está falando, ela responde: "a empregada"! Acho que você e ela estão certas, não tem desonra nenhuma nessa nomenclatura, muito menos na profissão. Quando morei em Londres, vi que lá as "cleaners" são tratadas com muito respeito inclusive no salário e as "babysitters" são até parte da família.

Beijo!
Bela crônica, Chris! E assunto interessantíssimo. Por aqui, eu chamo faxineira, mas também há quem chame de funcionária. Secretária, eu acho um exagero. :) E o melhor profissional que conheço de todas as profissões é uma empregada doméstica, a Iracema, que limpa, lava, passa e cozinha como ninguém. Ela devia ganhar o Nobel nessa área. A mulher sabe tudo em se tratando de arrumação de casa!
jacmila disse…
"a mulher sabe tudo de arrumação de casa"
Que nojo desse comentário!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …