Pular para o conteúdo principal

Amigo é pra essas coisas >> CRISTINA CARNEIRO

Eu não gosto de animais de estimação. Não, eles não diminuem a minha solidão. Sim, eu devo de ser egoísta para com seres que nem são da minha espécie.

Acontece que minha afetividade é proporcional à minha interação com o outro. Quanto mais, mais; quanto menos, menos: é assim que eu me prendo aos outros, ou então por sangue, ou desvairada obsessão.

Que tem uma exceção tem. Um amigo, que não bebe, não gosta se samba, não gosta de chuva, não gosta de mar. Toca piano ao invés de violão. Gosta de filme americano ao invés de iraniano. É extremamente benfeitor de tempestades em copo d'água. Tira a solidão cuidando de uma cachorrinha linda, de nome árabe: Zara.

Pois bem, somos amigos há dez anos. Amigos mesmo, dos bons. O que nos prende assim? A gente gosta muito de queijo. Tudo bem, não seria o suficiente, mas creiam que sim.

Outro dia, estava eu fazendo nada e resolvi o acompanhar numa das coisas que eu menos gosto de fazer e que ele, claro, adora: levantamento de preços de uma casinha para a Zara viajar de avião. Sim, fomos em cinco lojas, perguntamos preços, a melhor marca, as cores disponíveis. A diferença de preço de uma para outra era de R$ 1,00, R$ 2,00, mas ele não desistia. Eu o acompanhava meio no mundo da lua, só ouvindo as deliberações que ele fazia.

Depois do preço, a maior preocupação era a cor. Se comprasse azul, iam pensar que a cachorra era cachorro. Se comprasse rosa, iam duvidar da exata sexualidade dele. Arrematei: a coleira da cachorra era rosa e todo mundo continuava a perguntar se o bicho era macho ou fêmea. Pronto. Ele comprou a azul. Afinal, melhor prezar pela própria sexualidade.

Outro dia o encontrei inquieto. Queria comprar uma máquina de lavar e não sabia qual. Pesquisou preço em todas as maiores lojas do ramo, fez pesquisa profunda na internet sobre vantagens, desvantagens, tempo de lavagem, durabilidade, cor, tamanho, razão social, etc, etc, etc.

Um sábado desses fomos almoçar. A gente gosta de almoçar, além de gostar de queijo. Na saída, entramos numa loja. Trinta minutos de relógio. Ele viu todos os catálogos da loja, perguntou todas as impossíveis perguntas que existem para se fazer sobre uma máquina de lavar. Conversou com o vendedor, debateu com a gerente, faltou telefonar para o presidente da empresa. Por fim, resolveu, era aquela, bonita, de 9 quilos (só para uma pessoa!), aço inoxidável, lava com água quente, tira-manchas, desinfecta, ensaboa, desbota, seca, engoma, estende, grita, etc, etc, etc. Saiu feliz da vida.

Duas semanas depois, ele me convidou para comer fondue, de queijo, é claro. Ele estava cabisbaixo, borocoxô, triste mesmo. Perguntei o que era. Ele disse que a máquina de lavar, aquela que ele tinha passado semanas para escolher a melhor, o melhor preço, o melhor dia para ser instalada, pela qual ele tinha tirado o armário do banheiro, modificado a rotina do final de semana, não poderia ser comprada. Nem ela, nem qualquer outra máquina, nem a menor máquina de lavar já fabricada no Brasil.

Aconteceu de a porta do banheiro ser estreita demais.

Comentários

Não tem jeito, você é uma cronista crônica. Bom demais ler seus textos. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …