Pular para o conteúdo principal

O TRAUMATOLOGISTA [Ana Coutinho]


Tinha ouvido dizer de uma especialidade médica chamada Traumatologista. Eu, particularmente, não tinha bem certeza do que era e resolvi pequisar. Tive surpresas e cheguei à conclusão de que o traumatologista, embora não muito conhecido, é fundamental para a nossa saúde física.

Pra quem não sabe, o traumatologista é procurado caso o paciente tenha tido alguma injúria sobre o corpo. Ou logo depois de um acidente, seja ele com objeto cortante ou uma batida de carro, ou acidentes domésticos, enfim. Se o negócio tá feio, e se é urgente, procure um traumatologista. E procure rápido. A função dele, pelo que entendi, é dar um jeito no problema emergencial. Que me perdoem os traumatologistas que me lêem, mas entendi que eles estão aí pra resolver o problema do paciente. Deixá-lo diretinho e inteiro para um próximo tratamento. É como se fosse “dar um tapa no visu”, mais popularmente falando.

Pois bem. Isso posto, quero dizer que nem só quem tem problemas físicos precisa dele. Tenho descoberto pessoas, principalmente mulheres, que estão à procura de namorados traumatologistas. Não, não precisa ter estudado medicina, não. Nem precisa ter estudado nada específico. Mas precisa agir, e logo.

O namorado traumatologista vem logo depois de um acidente também, mas um acidente sentimental. Uma injúria de fato, mas não sobre o corpo especificamente: ele tem de vir depois de uma injúria sentimental. Essas que se dão sobre os sonhos, sobre o que foi desejado e – arduamente – tentado, mas, por alguma razão, não funcionou, e daí restou o trauma.

Ah! quantas pessoas sofrem de amor, morrem de amor e, em seguida, precisariam ir urgentemente para um pronto-socorro tamanha a dor e as mazelas que trazem um amor não correspondido. Quantas não se sentem com o órgão exposto, precisam de uma cirurgia, precisam de uns pontos para fechar o que foi aberto, quantas não se sentem sangrando e não sabem o que fazer para estancar a hemorragia. É, é dramático assim quando se termina um relacionamento.

E, pra se recompor, dizem que só outro amor. Eu discordo. Não precisa ser necessariamente um amor, mas precisa ser um traumatologista.

Um namorado com essa especilidade vai te mostrar que existe vida depois da morte. Um namorado traumatologista te faz ver que, sim, existem outros homens no mundo, sim, você pode ser gostada, desejada, amada inclusive. Um namorado traumatologista serve pra te ensinar que você é perfeitamente capaz de tirar a roupa pra outra pessoa, e mais, é capaz de adorar isso.

O namorado traumatologista, normalmente, não fica muito. Ele vem pra pagar a conta. Não a do restaurante, mas a conta que ficou do caos de um relacionamento acabado. Ele vem pra te deixar diretinho para a vida, pôr (ou tirar) as ataduras, fechar de vez as cicatrizes, pôr de volta no corpo os ossos que restaram, empurrar para dentro o baço, recolocar o ombro no lugar, inserir uns pinos no joelho e, por fim, costurar - definitivamente - o peito que estava dilacerado...

Às vezes a gente erra. E prossegue com o traumatologista depois de ter recuperado a saúde sentimental. Não deve ser assim. O traumatologista tem um tempo fim, uma data de validade, exatamente como um vidro de requeijão. Se passar do tempo, a relação começa a ficar esquisita. Você nota que já está saudável, que ele não era bem como você pensava, começa a perceber que, talvez, vocês nem tenham muito a ver um com o outro. É, não têm mesmo, vocês só se encontraram pra curar o trauma, não se engane.

E, depois disso feito, é como se você recebesse alta. O traumatologista, coitado, não entende porque você não precisa mais dele, mas aceita e, cedo ou tarde, se vai. Você vai tatear um pouco, dar um passo, talvez cair uma vez, mas, na segunda tentativa, já sentirá as pernas mais firmes e vai arriscar andar sem apoios.

As cicatrizes, essas ficam pra sempre. Talvez os pontos até soltem num momento de carência. Mas, se o traumatologista for bom, pode saber: você sai dessa inteira e logo, logo, já está por aí, se arriscando de novo.

Imagem: Geisa Cruvinel
Doce Rotina

Comentários

padma wangmo- disse…
Traumatologistas não são qualquer um!!! Tem que muuuito bom no que faz, sensível e de rápido raciocínio, perspicácia, são salva-vidas afinal. Viva os traumatologistas!!! Ameeei!!!!!
Muito boa e engenhosa! Só pra complementar: essa não é uma especialidade masculina. Há boas namoradas traumatologistas por aí. :)
CrisEbecken disse…
Que combinação deliciosa entre palavras! A Ela do encontro de desencontros bem combina com um traumatologista! Amei o texto!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …