Pular para o conteúdo principal

A CARTOMANTE [Débora Böttcher]


Naquela manhã em que a Dra. Anne estava de folga, a enfermeira avisara que não iria trabalhar. Enquanto ela banhava a mãe debilitada por doença terminal, pensava no médico pelo qual tinha se apaixonado. Depois de vestir, pentear os cabelos e aprumar delicadamente a velha senhora com a bandeja de café, ela buscou o telefone.

Ainda ouvia a secretária dizer que o Dr. Pedro não podia atender quando a campainha tocou. Rapidamente ela deixou um recado, instintivamente sabendo que não haveria retorno.

A cartomante estava ao pé da porta. Jovem, com cabelos louros cacheados num rosto alvo de instigantes olhos azuis, sorriu levemente ao se apresentar, desculpando-se pelo breve atraso.

Dentro da casa observou, num relance, os detalhes à volta: a sala de sofás claros com almofadas coloridas; o tapete neutro, as cortinas cerradas - apesar do dia ensolarado.

A Dra. Anne apontou a mesa oval da sala de jantar; ela se sentou e, enquanto aguardava, tirou o baralho da pequena valise que carregava e acendeu uma vela branca.

Quando a médica acomodou-se à sua frente, ela já tinha embaralhado as cartas e desenhado uma disposição em sequência perfeita sobre a mesa; pediu para que fossem escolhidas dez cartas aleatórias.

Separando suas prediletas, a Dra. Anne disse à cartomante que não queria saber de notícias ruins: nada de mortes, rupturas ou perdas. A jovem cartomante limitou-se a ouvir, balançando vagarosamente a cabeça num aceno de ter entendido a orientação, para em seguida concentrar-se nas cartas, separando-as em cruz, umas sobre as outras, intimamente pensando que não eram necessários baralhos para decifrar a mulher de quarenta e poucos anos que a olhava.

Ainda assim cumpriu o ritual e, sem tirar os olhos das imagens, falou de traços de sua personalidade, dos dois casamentos desfeitos, do frustrado desejo de ter filhos, da ascensão e realização profissional. Ela sabia por que a Dra. Anne a havia chamado e resolveu não se alongar mais em informações irrelevantes.

A cartomante então falou de um homem claro, pouco mais jovem que a Dra. Anne, que traria um novo significado aos seus dias pesados e solitários. O rosto da médica se iluminou - o que a faz parecer mais jovem por um momento - e ela disse que já o conhecia: ele era dois anos mais jovem e trabalhavam juntos no Hospital. A cartomante a interrompeu com um leve gesto das mãos, declarando que o homem em questão não era médico.

Os olhos da Dra. Anne se estreitaram - talvez desapontados, talvez furiosos. Um longo silêncio se fez na enorme sala, antes que a médica estendesse o dinheiro do pagamento. A cartomante recolheu o baralho, apagou a vela e levantou-se.

- Não é esse homem - profetizou. E ouviu a porta bater-se fortemente às suas costas.

* * * * *


Muitos dias depois, após a exaustiva jornada hospitalar, a Dra. Anne tomava um café no antigo pub que frequentava na juventude, enquanto uma música leve lhe chegava aos ouvidos vinda do fundo da sala. Nenhum telefonema do Dr. Pedro nas últimas três semanas, o que a fazia sentir-se muito aborrecida.

Ela procurou na bolsa seus cigarros e, no momento seguinte, percebeu um braço estendido em sua direção, a chama de um isqueiro iluminando seu rosto cansado na penumbra da noite. A Dra. Anne teve um sobressalto; o rapaz sorriu. Ambos riram.

Ela se lembrou da cartomante. Os baralhos não mentem...

Imagem: Baralho de Tarot

Expressões Letradas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …