Pular para o conteúdo principal

BATUQUES >> Carla Dias >>

Eu vivo em um universo interessante... Passo meus dias, uma jornada de onze horas, ouvindo música. Na verdade, ouvindo aulas de bateria. Dez dessas horas todas eu fico de cara com o computador, redigindo propostas, atualizando o site, fazendo contatos de produção, respondendo mensagens de e-mail enviadas por interessados no curso de bateria e tirando dúvidas sobre o festival que realizamos desde 1996.

Este é meu diariamente... Minha rotina é musical por fora e extremamente burocrática por dentro. Às vezes, sinto vontade de abandonar o posto de produtora e assumir as baquetas, o que foi, durante os anos 90, meu fazer principal. Hoje sou mais produtora do que baterista, e me orgulho disso, apesar de a bateria ser meu afeto maior e eu ter esperança de, dia desses, voltar a me dedicar a ela como fazia no início de tudo. Orgulho-me porque as produções nas quais trabalhamos colaboram para que músicos excepcionais possam mostrar sua música. Porque o festival já impulsionou várias carreiras e ofereceu àqueles sem condições de ter um bom equipamento, por exemplo, a oportunidade de ganharem um instrumento de qualidade.

No meu diariamente, também lido com pessoas e seus sonhos. Ouço muitas histórias parecidas com a minha e outras completamente diferentes. Vislumbro o processo de aprendizado de talentos que, bem sei, em breve farão diferença no cenário musical. Isso me deixa feliz, porque uma das coisas que me endoidecem é a arte desfigurada que muitos são obrigados a engolir por falta de formação do artista ou mesmo da ciência de que existem outras opções.

Neste universo ao qual pertenço, as pessoas fazem por merecer. Não é assim no cenário geral, pois o mundo é formado por pessoas diferentes. Porém, quem passa por aqui sabe que prezamos pelo caráter e também pela disponibilidade em despertar o melhor de si.

Também aqui tive a oportunidade de não só conhecer, mas interagir com muitos dos meus ídolos. Ouvi muitas histórias, tive boas conversas com a maioria deles. Presenciei performances fantásticas e o prazer no olhar daqueles que se achegavam para aplaudi-los. Um desses ídolos, além de baterista talentoso de tudo, tem bacharelado em literatura. Lembro-me de que ele foi o único estrangeiro com quem conversei durante muito tempo sobre a vida e a música e a literatura, sem me preocupar com meu parco inglês.

A música instrumental é predominante nesse meu canto. Querem conhecer um pouquinho? Porque bateristas lançam discos não só com bateria (a grande dúvida!). Além de acompanharem grandes músicos, na sua maioria, também são compositores e exercem essa função com maestria. E seus discos são fantásticos.

Dave Weckl Band


No quintal desse meu universo é que florescem meus escritos. Já rabisquei muitos poemas na hora do almoço, ou mesmo durante o trabalho, quando a urgência exigia. Já usei da minha poesia para dizer o que desejava em projetos comerciais. Já misturei as estações, porque quem lida com arte, ainda que de forma burocrática, não resiste à mixagem da teoria com a prática... Ou seria a evolução da teoria para a prática?

Vera Figueiredo


Minha paixão pela música vai além do simples gostar. Através dela, aprendi a ser uma pessoa mais sociável, apesar de ainda dever muito à classe. Continuasse eu a me aprofundar nos meus escritos sem essa ferramenta que é a música, talvez não estivesse aqui, dividindo pensamentos e desejos com vocês, mas sim enfiada em algum porão emocional, vivendo a vida somente através da vontade de vivê-la, já que no começo de tudo, no início de mim, escrever era a mais pura necessidade de estar onde ninguém mais estava. Hoje, é me esparramar pelas possibilidades oferecidas pela vida e brindá-la com os amigos.

Graças à música, sou um bicho-do-mato menos ranzinza e, sempre que me dá um clique, saio para ver o mundo... E batuco minha felicidade.

Imagem 1 >> Thiago Figueiredo
Imagem 2 >> Mônica Côrtes


www.carladias.com

Comentários

Gosto muito do batuque de suas idéias no teclado. :)
É, Carla,
As coisas passam, a gente nem se dá conta, e as ausências ficam cravadas.
Bom batuque.
Beijo,

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …