Pular para o conteúdo principal

FUTEBOL [Anna Christina Saeta de Aguiar]

Bandeiras, fogos de artifício, fumaça colorida, balões, euforia. Caravanas para ir a jogos em outros estádios e - dependendo do time para o qual se torce - outros países. Camisa no peito, pintura no rosto, o grito solto no ar, coração na mão a cada passe. Espetáculo de primeira grandeza, assistido também por quem, nervosamente, fica em casa na frente da televisão, torcendo as mãos a cada lance, tombando a cabeça para ver melhor o que está acontecendo no cantinho da tela. Tem coisa melhor do que futebol?

Certo, a pergunta não merece resposta. Tem muita coisa melhor do que futebol e não apenas isso, tem muita coisa mais necessária, mais útil, mais desejável do que o futebol. Não é o caso de discutir a desimportância que tem um esporte de massa frente à fome, à falta de escolas, hospitais e segurança. E, claro, futebol também não supre a necessidade primal de amor do ser humano. Mas a gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão, arte e quer o direito de ter uma paixão que não se explica.

Há quem odeie o futebol por razões políticas ou mesmo filosóficas. Outros têm certa resistência em se envolver com algo, digamos, tão "popular" quanto o futebol. Existe também gente que simplesmente alega não ver graça em "vinte e dois homens correndo atrás de uma bola". Frase que, aliás, erra até na conta, porque, salvo honrosa e marcante exceção, goleiros não correm atrás da bola e pouco sabem conduzi-la com os pés. Mais acurada seria então a alegação - ainda falsa - de que são vinte correndo atrás da bola e dois esperando por ela.

Mas o futebol - e isso só quem gosta sabe - é muito mais do que correr atrás de uma bola. Primeiro porque não há bola que corra, já dizia Newton. A bola, embora fundamental para o jogo, é apenas o instrumento que, conduzido por pés, pernas e, por que não, corpos habilidosos, percorrerá o gramado conforme a vontade ou o talento de quem a conduz.

A paixão pelo futebol nada tem a ver com bolas fugidias, portanto. Tem a ver com a habilidade, com a beleza genuína de um belo drible, de uma finta bem feita. Além disso, é um jogo de estratégia. Ataque sem descuidar da defesa, defesa sem recuo excessivo, e tudo isso enquanto se tenta anular a estratégia adversária. 3-5-2, 4-4-2, 4-3-3 ou 3-6-1?

Embora algumas pessoas - poucas, creio - se interessem apenas pelos aspectos puramente estético e estratégico do futebol, para a maioria de nós a paixão pelo jogo está intimamente ligada a uma camisa. No meu caso, a paixão é por uma camisa branca com duas listras horizontais, uma vermelha e outra preta. Camisa de campeão, que combinada com calção e meias brancas compõem o uniforme mais bonito que já vi.

Torcer por um time de futebol agrega uma característica extra à identidade. Quem torce pelo meu time é dos meus, é bom, é automaticamente simpático. Teve a sabedoria de escolher - ou a sorte de herdar - a paixão pelo time mais vitorioso do Brasil. Como não seria simpática criatura de tão bom gosto? Quanto aos que torcem para os times adversários, bem. Não é que sejam antipáticos, de maneira alguma.

Algumas das pessoas que mais gosto torcem para outros times, nem por isso deixam de ser dos meus, bons, simpáticos. Mas em se tratando de futebol, padecem de mau gosto levemente incompreensível. O que, aliás, só adiciona mais graça, já que os comentários pós-jogo - sem provocações extremas, por favor - são parte integrante das vidas dos apaixonados por futebol. Ver o seu time ganhar, para muita gente, é quase tão bom quanto ver um outro perder - o que amplia consideravelmente as possibilidades de sorrisos ou gargalhadas ao final de uma rodada.

Futebol me diverte antes, durante e depois do jogo. Causa emoções, muitas, da alegria à raiva. Quando estou assistindo a um jogo, perco os pudores, grito, xingo, falo palavrão. Aplaudo, questiono, falo com os jogadores como se pudessem me ouvir, aconselho, vejo antes mesmo deles o lugar exato por onde devem passar, o caminho aberto para o gol. Rogo praga contra juízes e jogadores adversários, compreendo e aceito um passe errado dos jogadores do meu time, mas fico furiosa quando o nego larga o corpo ou perde um gol feito. E, depois de tudo isso, falo sobre futebol. Com a família, com os amigos, com o porteiro do prédio, o cabeleireiro, até com quem não conheço, dentro do elevador. Tem coisa melhor do que futebol???

Sim, claro que tem. Futebol, como tudo na vida, é bom para quem gosta. Mas dentre as coisas gostáveis que há, futebol é a melhor delas.

Comentários

Chris, vamos ver se a sua crônica dá um gás novo ao nosso tricolor. :)
Anônimo disse…
Sua CRÔNICA é MUITO COMPRIDA,com todo o respeito enjoei de ler!!!!!!!!!!
Coloque mais fotos OK!!!!!!!!
Obrigado pela a sua atenção, desculpe qualquer coisa, principalmente não colocar meu nome.
Tomem PROVIDENCIAS!!!!!!!!!
Caro Anônimo

Lamento que o formato e tamanho do texto não lhe tenham agradado.

Por favor, entre em contato comigo. Gostaria de trocar idéias com você.


Anna Christina

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …