Pular para o conteúdo principal

DE MILAGRES BANAIS [Ana Coutinho]


Ela chegou na minha casa nervosa. Estava soridente, mas era claro que estava tensa. Com ela chegaram o marido, a amiga e o marido da amiga. Vi que ela queria falar comigo, arrumei uma desculpa pra chamá-la para o quarto, mas os homens vieram junto para ver o quadro novo que nem era tão novo, mas foi o que eu pude inventar.

Ficamos os três casais lá, no quarto, ela sorrindo, muda, tensa, disfarçando uma emoção indisfarçável. Sugeri que eles pegassem uma bebida e eles entenderam, saíram e ficamos enfim a sós, as três mulheres, querendo saber o segredo que tanto afligia minha amiga.

Ela não falou nada; nos olhou firme, um olhar que era misto de alívio e de susto. Alívio porque éramos três mulheres sozinhas, amigas que se conhecem e se querem bem. Susto, ainda não sabíamos o porquê.

Ela agarrou a bolsa, e, de lá, tirou um embrulhinho em papel sulfite. Foi desembrulhando o papel rápido, as mão tremiam, ela ria e seus olhos brilhavam. Quando terminou de desembrulhar o que parecia ser um tesouro milagroso, lá estava o objeto, simples, barato até. Ali, sob o olhar de três amigas, um teste de farmácia. Chamava-se Baby check, e tinha as tais duas listras que significava positivo.

Mas calma, não eram mesmo duas listras e essa era a razão da agonia da minha linda amiga. Era uma listra bem forte, dizendo que o teste tinha sido feito com sucesso, e uma outra, a que indicaria uma gravidez, mas que estava bem fraquinha, rosadinha de leve, quase que uma “marca d`água de power point”.

“E aí gente? Essa linha estranha? Estou meio grávida?” - ela perguntou ansiosa.

Eu, que nunca fiquei grávida, não sabia o que dizer. Assistia ali, uma amiga tão querida que tinha os lhos marejados, as mãos trêmulas, diante da possibilidade mágica: o filho que ela tanto desejava, talvez estivesse a caminho...

Foi quando, num piscar de olhos, a outra amiga sentenciou: “Ihh, tá grávida mesmo! Parabéns lindona!”.

Elas se abraçaram, olhos cheios d`água:

- Tem certeza? O seu foi assim? – ela ainda não conseguia acreditar.

- Foi!! Tô falando; se dá outra linha é gravidez, não importa se é fraquinha. Se não está grávida, não aparece outra linha, não... Pode saber, vc está gravidíssima!

Pronto. A mais experiente das três falou, estava dito. Tínhamos um bebê a caminho. Abracei a minha amiga querida, meio sem jeito, ainda olhando o teste, desejando felicidades. Sentamos as três na cama de casal, e ficamos falando mil coisas. E agora? E o sexo – menino? menina? E se for gêmeos? De quanto tempo está? Como vai chamar? Que faculdade vai fazer?

Rimos. Rimos as três meninas tontas, já casadas, mulheres feitas, que se emocionavam com o que há de mais natural no mundo, uma mulher grávida.

Quando fomos para a sala, em silêncio, assisti a minha amiga grávida sentar-se ao lado do marido. Pegou a mão dele, apertou forte, tentava conter o riso, mas não conseguia. O homem a olhou sério: “Tá tudo bem, amor?” Ela fez que sim com a cabeça e ele não entendeu.


Ainda não sabia. Só saberia à noite, quando ela, então, faria uma surpresa, dessas de propaganda de TV. Ali, com sapatinhos de tricot nas mãos, ele comemoraria pelo que nós três já vibrávamos. Ali, ele saberia o que nós, meninas, sabíamos desde sempre: que não há emoção maior do que realizar um sonho como esse. Uma bobagem pra tanta gente que, para nós, é sempre um milagre sem tamanho.

Me emocionei subitamente. Me emocionei pensando que logo seríamos mais. Éramos três casais e um bebê, e, logo, seríamos três casais e dois bebês. E logo o bebê seria uma criança, e depois, um adolescente. E nós, que éramos duas amigas desde sempre, agora seríamos duas amigas e uma pequena criança. Nós, que mal conseguimos escolher entre dois vestidos, logo teríamos que escolher como educar uma pessoa. Que nome essa pessoa vai ter por toda a vida. Que comida vai gostar, que valores vai exercer, que palavras vai aprender, com que olhares essa nova pessoa vai olhar o novo mundo que se abrirá sobre ela? A gente não sabe. A gente não sabe como esse pequeno milagre, tão corriqueiro, tão banal, nos escolhe.

E assim, num sábado frio qualquer, duas listras aparecem num exame. E a vida, sempre tão atribulada, às vezes tão repetitiva, torna-se, subitamente, preenchida de um encantamento único. Um susto, uma alegria, um pavor talvez, mas, acima de tudo, um doce encantamento.

Imagens (1) Quinqué, Sandra Dooley; (2) Grávida, Pappoulla

Doce Rotina

Comentários

Que prosa mais envolvente, Ana! Você fez um milagre do banal.
Cris Ebecken disse…
A sensação que texto dá é realmente de milagre... encantamentos tão especiais bem no meio da vidqa concreta...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …