Pular para o conteúdo principal

A IDADE DO TEMPO >> Carla Dias >>

Na correria diária da vida que escolhi viver até aqui. Até aqui, mas vai saber a partir dali o que será da minha pessoa. Na verdade, pouco me preocupa se serei feliz ou triste, contanto que possa experimentar sentimentos; que não se esvazie meu dentro a ponto de tornar-se um lago estéril.

Na minha cabeça pipocam pensamentos metidos a ser sonhos. Então, sonho a arquitetura do silêncio, enquanto quadro negro para a história a ser vivida. E assim as cenas se formam. Nada nelas lembra a perfeição desabrochada dos olhares rigorosos... Estão mais para a sonsice dos olhares esfomeados pelas diferenças que tão bem combinam com o inovador.

Não caminho pela cidade como quem colhe tempo. Vou esvoaçando fiapos dele, cultivando passos, contando caracóis dos cabelos do moleque de sorriso lindo e despreocupado. Em segundos, então minutos, vou me aproximando das horas. E faço de conta que nunca conheci calendário. Assim, até mesmo os dias parecem mais longos, mas de um espreguiçar a doçura dos gestos e a vivacidade das cores.

O mais sedutor de se brincar de tempo como ando fazendo, é que assim tudo cabe num piscar de olhos. E um piscar de olhos cabe em qualquer tempo. Há uma afinidade verdadeira entre o que vivo e o que se esparge nos meus devaneios.

O que vivo tem gosto de busca incessante. Levanto-me e vou para o trabalho... Trabalho por horas e depois volto para casa. Assisto televisão, leio livros e ouço músicas. Adormeço a mercê de todas as informações que esse dia me lançou. E o ciclo se repete, obviamente, com pinceladas de conquistas, mazelas, alegrias e decepções.

O que se esparge nos meus devaneios é o que vivo... Levanto-me com desejo latente de ser feliz e vou para o trabalho, pronta para fazer o melhor. Trabalho por horas e, às vezes, fecho os olhos e busco nessa escuridão seqüestrada do horário comercial, a luz tênue que precede as boas novas. Volto para casa e assisto meus programas favoritos, leio livros de cabeceira. Leio a revista do bairro e jornal do magazine da esquina. E ouço músicas... As de amigos sempre me comovem. Adormeço a mercê de um emaranhado de possibilidades, provenientes de todas as informações que esse dia me ofereceu. E o ciclo se repete... Ainda bem! Porque meu flerte com o tempo que passa necessita de oportunidades diárias para se manifestar, e manter minha existência alimentada de desafios.

No tempo também desembaraço relacionamentos. São noites a vislumbrar um amor que virá em algum quando; dias sendo vividos ao lado dos amigos e familiares e de estranhos muito interessantes. Horas tentando decifrar de onde vem a feição alegre dos meus sobrinhos.

A idade do tempo não se manifesta em rugas e fotografias amareladas. Ela abraça calmarias nas situações tempestuosas e doa sabedoria aos momentos em que nos vemos sem rumo. A idade do tempo ultrapassa a contagem, os compromissos, a idade. E nos permite viver uma vida, assim, num piscar de olhos.

Imagem#1 >> Hesferus, The Evening Star / Edward Bourne-Jones
Imagem#2 >> A Wind-Beaten Tree / Vincent Van Gogh
Imagem#3 >> Miranda, The Tempest / John William Waterhouse

www.carladias.com

Comentários

Se o tempo tivesse como escolher a forma das pessoas vivê-lo, acho que ele escolheria esse seu jeito.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …