Pular para o conteúdo principal

NANO-MICRO-CONTOS [Débora Böttcher]

A Casa das Mil Portas é um projeto idealizado por Nemo Nox, com centenas de microcontos escritos por blogueiros brasileiros e portugueses. O desafio é a tentativa extremamente econômica de contar ou sugerir uma história inteira com cinqüenta letras – ou menos. No site mencionado, Nemo conta que o microconto possivelmente mais famoso é do escritor guatemalteco Augusto Monterroso: "Quando acordou, o dinossauro ainda estava lá."

Ernest Hemingway é autor de outro famoso miniconto. Com apenas vinte e seis letras, conseguiu contar toda uma história de tragédia familiar: "Vende-se: sapatos de bebê, sem uso".

Marcelino Freire publicou em 2004 a obra "Os Cem Menores Contos do Século", em que desafiou cem escritores a produzir contos com cinqüenta letras (no máximo).

Não existe um rigor para esse tipo de escrita e depende mais de critérios editoriais de quem os adota, uma vez que a teoria literária ainda não reconhece essa vertente de texto como gênero literário à parte. Alguns autores conceituam e estipulam limites precisos, nascendo assim algumas classificações:
- Nanocontos: até 50 letras, sem contar espaços e acentos;
- Microcontos: até 150 toques, ou seja, contando letras, espaços e pontuação;
- Minicontos: alguns estipulando 300 palavras, outros com limite de 600 caracteres.

Eu sempre achei essa maneira de escrever super interessante - como os haikais. Nessa linha de pensamento, muito mais importante que mostrar é sugerir, deixando ao leitor a tarefa de "preencher" as lacunas da pequena narração e imaginar a história por trás da enxuta frase. Por essas e outras, deixo aqui uma das minhas séries de nano-micro-contos:

Foi ao psiquiatra pra se livrar da dor; enlouqueceu de vez.

Dormia de pijama; passeava nua pelos sonhos.

Tomou o trem para esquecê-lo; encontrou-o na estação seguinte.

Desenhava retratos sob as luzes de Paris; enquanto perdia a visão.

Conheceram-se pela internet; uma traição virtual os separou.

Saltou da ponte sobre as águas; mergulhou na imensidão.

Tinha saudades da infância; mas ainda não tinha crescido.

Saiu desnorteado. Capotou na curva do túnel.

Andava sempre em linha reta. Morreu na contra-mão.

Incendiou a casa. Por dentro, ardia em chamas.

Amava a esposa do irmão. Casou-se com sua irmã.

Jurou que nunca a abandonaria. Mentiu sem intenção.

Queria ser atriz. Brilhou nos palcos da vida.

Perdoou a traição do marido. Envenenou a amante.

Ouvia música no último volume. Estava surdo.

Colecionava vestidos, sapatos e maridos. Em armários e fotos.

Depois da primeira vez, nunca mais amou.

Anotou na agenda do dia seguinte: viver urgentemente.

Vingava-se da mãe em todas as mulheres. Punia a si mesmo.

Ignorou o pedido de desculpas. Amargou seu orgulho.

Tinha síndrome de caranguejo: voltava sempre pra ex-mulher.

Impôs distância da recaída. Com mandato judicial.

Embriagou-se a noite toda. Jorrava álcool pelas veias.

Abortou antes mesmo de saber que estava grávida.

Não retornou ao chamado. Arrependeu-se muito tarde.

Tinha lembranças demais. Não sobrava tempo pra viver.

Olha-se no espelho todo dia. Ainda não descobriu quem é.


Imagens: (1) Illustration, Quint Buchholz; (2) A Minha Mulher Nua, Salvador Dali, 1945

Expressões Letradas

Comentários

Nano-micro-comentário: li e calei.
Cris Ebecken disse…
Me inspirou vorazmente! Estás referenciada lá na minha estrada!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …