quarta-feira, 24 de outubro de 2007

MAIS UM DELÍRIO >> Carla Dias >>

A primeira vez que ouvi alguém dizer que eu precisava mudar, era bem pequena. Lembro-me de que as pessoas a minha volta não gostavam muito do meu silêncio, mesmo sem saber que ele era, na verdade, um punhado de gritos polifônicos. Por isso mesmo tornaram-se disfarçáveis. Acuaram-se na mudez.

Então, fui crescendo, e também eu aprendi a sussurrar não só conselhos, mas intimações veladas, como se ao retornar o recebido, fosse possível alcançar a compreensão e, de uma maneira realmente funcional, valer-se do concedido para laçar o almejado.

Bobagem, sabe? Porque aos poucos, às vezes aos tropeços, dei-me conta de que essa necessidade de mudança tem voz própria. Ela não manda recado, tampouco contrata intermediário. Ainda que o outro perceba claramente o que se passa e tenha a palavra certa para caber no vazio perfeito, o movimento da mudança acontece em seu tempo, sem esganar-se porque a hora é imprópria para o receptor, ou porque ele chegará tal e qual tempestade, assolando uma tarde de domingo que deveria ser de descanso e calmaria. Sol e frescor.

Conquistar a mudança requer paciência para encarar os revezes. Às vezes, não basta ter determinação ou desejo de mudar. Não basta fazer listas do que precisa consertar para ficar melhor, nem mesmo repetir quinhentas e tantas vezes que, de amanhã em diante, tudo será diferente. Essas coisas funcionam somente quando a própria mudança decide que vale a pena acatar aos pedidos e reconhecer a dedicação. Pois ela tem vontade própria... A mudança é uma dona acostumada ao contratempo, a entrar pela saída. Há em sua cordialidade fragmentos de rebeldia. E nem sempre ela chega dançando o tango... Às vezes, ela se embebeda de letargia e consome anos das nossas vidas, ganhando vida própria numa noite escura e vestida de flash. Cegando-nos para depois desanuviar o olhar e na limpidez do susto, apontar aquele passo que nos proverá os seus frutos.

Até hoje dizem que preciso mudar... O cabelo, a postura, a palavra que caducou, mas ainda faz meu gosto acender-se todo. O corpo, a forma como lido com o amor e dispenso o ódio. Como tranqüilizo as mágoas. Dizem que mudar fará com que, quem sabe aos quarenta, a vida valha mais do que hoje. E acontece de eu cair nessa conversa e correr atrás da mudança como se fosse tirar o pai da forca. Até porque algumas dessas mudanças seriam bem-vindas... Antes dos quarenta, então...

O que descobri, nestes quase trinta e sete anos de Carla que sou, é que mudar não significa mudança. Que mudar é laboratório, ante-sala, prévia. É promessa, entrada, aprendizado. Mudar é acumular sabedoria (assim espero!) para reconhecer quando a mudança chegar, ainda que ela venha toda atrapalhada, como se nada soubesse sobre nós, despertando um quê de solidão involuntária.

Mudar pode ser escolha... A mudança, não. A mudança é independente e acontece quando dá na telha, que é para não nos deixar mal-acostumados às certezas. Que vem para nos tirar para dançar quando pensamos que já sabemos todos os passos e, por este motivo, nos sentimos vazios... Porque não há mais o que aprender ou viver pela primeira vez.

Há sempre algo para ser vivido e aprendido. E não se assuste se um vento forte soprar e bagunçar seus cabelos logo depois de você tê-los escovado com todo o esmero... E que neste mesmo momento de desconserto, a mudança solfeje a vida e lhe ofereça a novidade, e mais três ou quatro pares de sonho para realizar.

Imagem >> Ian Britton

www.carladias.com

Partilhar

Um comentário:

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Bela oração disfarçada à mudança. :)