Pular para o conteúdo principal

ENCONTRO DE DESENCONTROS [Cris Ebecken]


Acordou pela manhã com um bilhete passado por baixo da porta. Em suas mãos o papel desembrulhava-se iniciando com um pedido de desculpas pela decepção que ele poderia ter lhe causado, em seguida as palavras embrulhavam o estômago com a forma escolhida para agora assim decepcionar. O perfume solto pelas linhas possuía dos cheiros o mais estranho nome: vingança. Vingar-se no sentido de devolução, retorno, dar ao outro aquilo que não gostara ter recebido.

Conheceram-se em tempo outro. Ela, marcada por mãos alheias, recém-separada de falsos sonhos bons. Ele, na fome de mãos novas, recém-separado de tentativas no vão. Para ele, encanto à primeira vista. Para ela, encanto a vistas seguintes. Na noite do início sem início, conversaram umas tantas, se sorriram, beijaram. Ele, sem dar brecha a quem conhecia, foi à frente atropelando, a oferecer mais presença, propondo continuidades ao par. Ela, com a desconfiança aprendida nas feridas em brasa, se assustou, precisou de dosagem. Seria ele mais um propondo engano? Que ilusões lhe vendia? Seria como os passados, depois de alvo de conquista, alvo de domínio? Escolheu pelo pé no freio, valorizando ainda assim a existência dele, preferiu no tempo deixar apenas as prosas afetuosas, o compartilhar das histórias. Deixou a ele o espaço da escolha da não tanta intimidade ou não, do conhecer sem pressa.


Audaz, topou a empreitada. Esbarraram-se pela cidade, trocaram vozes em telefonemas, olhares em encontros. Na medida do se conhecerem, ela foi aprendendo a olhá-lo como chegava, como era, descobrindo beleza na particularidade. Em um dia de sol inteiro, pensou ela ter cometido antes um engano, percebeu estar ele desatando todos seus medos, encontrava bem-estar no estar ali ao seu lado. Avaliou-se, apostou se dar uma nova chance, abriu as mãos deixando ir embora suas histórias mortas, e com as mesmas mãos foi abrir-lhe janelas e porta. Na noite anterior ao bilhete, sem dar atenção à abertura, ele se confessou desesperado na solidão, pediu que lhe apresentasse alguém. Ela se confessou espantada com a capacidade dos desencontros, se expôs.

Dessa vez, foi dele a preferência apenas pelas prosas afetuosas, ficando a ela a escolha a não tanta intimidade ou não. Embora não mais um conhecer sem pressa, acabava de tornar-se conhecido o suficiente sobre ambos. Assim ficaram pelo caminho. Ela e Ele. Ele e Ela. Dois na busca tragante do encontro. Cada um em si, no mútuo dos desencontros. E um senhor de longas barbas brancas, rindo e chorando tiquetaqueado, acima de todos, ecoando pelas páginas das datas: ai, esses humanos...

Foto da própria autora

Impressões, Canela de Verso e Prosa, Sonhos do Mundo

Comentários

Dessa vez não foi o texto, foi a foto. Pode parecer incrível, mas ontem tirei uma foto de um bambuzal onde estavam escritos nomes de casais. A primeira, e possivelmente única, foto que tirei desse tipo. Muita coincidência que tenha sido na véspera da sua imagem-crônica. :)
Ana disse…
Que lindo Cris!
Sim, ela precisa de um traumatologista... Todos nós já precisamos um dia.
Alíás todas nós ja fomos Ela um dia não?
Talvez por isso eu tenha amado...
Bjs
Ana

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …