Pular para o conteúdo principal

FRUTAS DO ESPANTO >> Maurício Cintrão

Estou injuriado! Descobri que a jaca, a manga e a banana não são frutas brasileiras. Que absurdo fazerem isso com um sujeito no alto dos seus 50 anos de idade. Jaca, tudo bem, nem como. Mas manga e banana são frutas do meu imaginário paradisíaco.

Sempre pensei que um paraíso tropical tivesse pássaros coloridos e exuberantes, além de mesa farta de mangas, bananas e jacas. Porque o paraíso de deus brasileiro tem que ter frutas brasileiras. Confesso que também imagino jabuticabas, cajus e goiabas.

Porém, fui ler sobre a história da alimentação e descobri que jaca, manga e banana vieram da Ásia, talvez da Índia. Há dúvidas quanto à banana. Historiadores defendem que ela teria surgido na antiga Nova Guiné.

Fui salvo pelos cajus, pelas goiabas e pelas jabuticabas. Mas isso não diminui minha indignação. Sei que não tem importância nenhuma se as frutas surgiram aqui ou lá longe. O importante é que elas sobrevivam às mudanças climáticas e continuem a alimentar nossa gula por muitos e muitos anos.

Mas e o senso de patriotismo da minha fome, como fica? Pior, onde foi parar a República das Bananas? Foi para a África? Ou virou um dos Tigres Asiáticos.

Amigos, precisamos fazer alguma coisa. Daqui a pouco chega um teórico desses e anuncia pesquisas científicas do tipo: o Pão de Açúcar é, na verdade, Broa de Aspartame; o guaraná tem origem no mito nórdico de cultivar a terra com os olhos dos inimigos, o Goo Ara Nah; e que o verde da nossa bandeira é uma homenagem ao grito mexicano de expulsão dos norte-americanos da Califórnia retomada com “Green, Go!”.

Delírios à parte, vocês não imaginam como fiquei chateado. Quer dizer que a Ilha do Bananal é produto da aculturação? A Manga-Rosa de Alceu Valença é Rose Mango?
Será que a jabuticaba não é brasileira? E o caju? E a goiaba.

Chegaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!!

Comentários

Deliciosamente leve, Cintrão! :)

Mas teve uma coisa que não entendi direito... Quando você disse que foi salvo por cajus, goiabas e jabuticabas, eu supus que essas fossem frutas brasileiras segundo a sua pesquisa. Mas no final você questiona se elas são daqui mesmo.
Blog do Cintrão disse…
Tendo em vista que minhas certezas foram abaladas, coloquei em dúvida a brasilidade de cajus, goiabas e jabuticabas, mas elas são frutas brasileiras.
Anônimo disse…
Cara! Excelente crônica. Manga eu já sabia ter vindo da Índia, mas então está tudo em casa mesmo. Afinal, os portugas não pensaram que estavam nas Indias, quando aqui aportaram pela primeira vez?
Fico preocupado com o ditado: o cão chupando manga, já que esta não é genuinamente nacional. Mas, tudo bem. Já constataram que o maior hacker mundial é brasileiro, mais um título nefasto para este país tropical. Então hackeemos a manga.
Eu não sabia que o verde de nossa bandeira foi uma espécie de grito de independência, ainda que infrutífera, dos norte americanos, muito legal se for verdade. Infelizmente eles estão encampando o verde da Amazônia e não temos alguém no Brasil para peitá-los...
"É o cão chupando manga"...
Anônimo disse…
Desculpem-me. No comentário anterior me esqueci de falar que o grito de independência era dos mexicanos, nuestros hermanos, em relação aos norte-americanos, personas non grata...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …