Pular para o conteúdo principal

Postagens

alamedas e outros nunca mais >>> branco

alamedas  (enxerto/trecho)
...mas ele passou tão rápido por esta vida nos deixando atônitos e atordoados quando vimos sua silhueta virar a esquina e desaparecer ele que agora observa outras alamedas com olhos sorridentes e rosto tranquilo

nunca mais
quando abri a janela e vi aquele alvorecer tão lindo gritei para que todos ouvissem que naquele dia nada de ruim poderia acontecer em qualquer outro mas não naquele
não me lembro - em toda a minha vida - de ter visto uma manhã tão bela
Postagens recentes

EMBARQUE >> Fred Fogaça

Existia uma casa onde não tinham cadeiras.

Não havia, de todo, onde se descansar por um momento e olhar o ambiente, nem como sentar-se pra uma refeição mais ou menos demorada.

Não havia, também, pedaço algum de objeto concreto que servisse a altura de uma pausa, que já não estivesse ocupado de coisas perenes. 
Tudo lá era passageiro, tenho a impressão, mas não certeza, não reparei o bastante.
Não deu tempo.

PEDRA >> Sergio Geia

Se você chegou aos cinquenta, dispenso-me de maiores explicações. Se não chegou, sugiro que se contente em saber apenas isso: com a idade, as dores, sim, elas aparecem.
Dia desses senti algo estranho na boca do estômago com irradiação pelas costas. Considerei perigoso o sintoma. Não era. Mas procurei médico, fiz exames, e obtive o diagnóstico de que o meu mal se resumia a uma pequenina pedra. 
O mais interessante não foi o diagnóstico, mas a simpatia do médico. Como você deve saber, há médicos calados, de mal com a vida, que na hora do exame fazem perguntas tão misteriosas, que nos deixam tão aflitos, que o melhor a fazer é se calar e aguardar o resultado. 
Depois de se inteirar sobre as razões que me levaram ao exame; depois de passear com seu ratinho gelado e melequento na minha barriga; depois de demarcar as imagens do que existe dentro desta casca meia-vida, ele concluiu o exame e me despachou o resultado sem maiores delongas: 
— Um pequeno cálculo no rim esquerdo, pequenininho,…

DISTÂNCIA >> Paulo Meireles Barguil

Considerando que a impermanência é constante, as transformações são inevitáveis.


Aquela costuma ser silenciosa, por isso não é facilmente percebida.


De repente, tal qual um vulcão adormecido, ela desperta.


As mudanças podem ser lentas, aceleradas, vertiginosas.


Diante delas, há quem coloque o cinto, segure em algo, balbucie e feche os olhos!


Outros, todavia, dispensam qualquer ritual e, confiantes, seguem em frente de braços abertos...


A distância, espacial e temporal, é um ingrediente poderoso para potencializar tanto as alterações, como a sua compreensão.


A variação da contiguidade produz resultados ignorados, no máximo, especulados.


Proferimos Vade retro (Afasta-te) e Veni propius (Aproxima-te) de acordo com o queremos e vislumbramos na nossa frente ou dentro de nós.

O que as suas palavras, verbalizadas ou abstidas, estão lhe trazendo?

ESTES TEMPOS >> Whisner Fraga

tem como correr on line?

os dedos-pernas não se estafam dessa maratona inexistente,

olhos-braços que fisgam bytes,

o segredo virtual, menina, a confidência binária,

colegas, árvores, ritmos, palavras, abraços,

agora são tela,

e a imaginação não compreende mais,

a pandemia justifica tudo, até os fins,

aula não é aula mais, é agitação,

eles esclarecem que é preciso reinventar tudo,

mas a menina não se convence,

e chora.

CANÇÃO 1 DE 7 | FOR NO ONE >> Carla Dias >>

Medo é coisinha que vive a persegui-la, todo envolvido no como assim? Quando? Será? Sei não...  Medo, acredita, é o que garante limites para a criatura ousada ousar danadamente e sobreviver à própria temeridade. A pessoa que se quebrará toda – corpo, mente e coração –, mas não acuará diante da vida, lamentando o quanto a dita foi cruel ao tricotar as cicatrizes da cria da vez. Não que se considere capaz dessas ousadias, das transformadasem grandes descobertas pelo poder da casualidade em maquinar epifanias encharcadas de conhecimentos, as tais alinhadas aos neurônios mais dedicados dos seusautores. Não nasceu com a capacidade de mudar jeito do mundo, nem como as pessoas lidam com ele ao criarem milagres da ciência ou o que o valha. Não sabe consertar corações partidos, puídos, cheio das questões e uma e outra via congestionada por sentimentos engavetados.   Contudo, mesmo o medo sendo essa coisinha nada diminutiva, mas sim coisa que se espalha dentro dela e a domina, fazendo com que e…

ACABOOOOOOOUUUU >> Clara Braga

- Filho, mamãe precisa escrever uma história! Mas a mamãe está tão cansada, que não consegue pensar em nada. Você pode me ajudar? - Toma, pega esse livro! - Ah, boa ideia! Vamos nos inspirar em um livro!
Então, meu filho de 2 anos sentou no meu colo e passou página por página de um livrinho infantil sem falar nada. Quando terminou eu perguntei:
- Então, você já se inspirou? Vai criar sua história? - Vou! Era uma vez... - Legal, começou bem, pode seguir! - Um papel! - Hum, interessante, ter um papel como personagem principal não é comum! Continue... - Ele morava na floresta! - Legal, faz muito sentido um papel morar na floresta! Talvez esteja tentando voltar às suas raízes, dá para escrever uma história ecológica! Continue... - E pronto! - Como assim pronto? A gente não fica sabendo o que acontece com o papel? O que ele fez? Achei muito curta essa história, vamos tentar criar uma um pouco maior? - Tá! Era uma vez... - Sim... - Uma árvore de natal! - Uau, essa é sucesso na certa, todos…