Pular para o conteúdo principal

NEO-CRIATIVIDADE: NOVAS FORMAS DE CRIAR [Heloísa Reis]

Acompanhando Neo, no filme Matrix podemos ter a pesada sensação de que o advento da cibernética pode estar nos engolindo. Como se estivéssemos na goela desse dragão, sentimos enorme impotência diante de um mundo cheio de novas engrenagens, novos códigos e senhas, únicas chaves para abrir caminhos.

Como encontrar essas chaves?

Em Matrix, os amigos Trinity e Morpheus vão à procura do Oráculo enquanto Neo negocia com as máquinas para enfrentar os replicantes agentes Smith – representantes do mal.

Sua jornada em busca de senhas e códigos não é fácil. Precisa pensar rápido, agir bravamente para sair das inúmeras armadilhas e situações perigosas em que se coloca. E toda a humanidade está em perigo, dependendo de sua ação e sucesso.

Qualquer semelhança com o homem atual em sua jornada pela vida não é mera coincidência.

O homem nasce no caos. Ou no vazio da mente. A absorção das idéias acontece no decorrer do processo do amadurecimento e da contaminação com o ambiente à volta. Manter-se puro como no caos? Impossível!

Dentro da máquina Neo tem que lutar e reinventar sua situação a cada passo, a cada nova etapa de sua jornada. A cada ação, um novo tempo e renovados Smiths. Mas ele está na máquina. Com a natureza e com a humanidade não há tal precisão. Há apenas um destino para todos.

Filosofando, podemos dizer que a existência do destino determina nossas vidas, mas nós a modificamos com nossas escolhas e com a forma pela qual enfrentamos os nossos “Smiths”, influenciando o curso da vida e o futuro.

Em imagem visual podemos imaginar uma estrada com muitas encruzilhadas e bifurcações: a cada escolha há uma determinação e uma mudança de caminho, e, portanto, de destino.

Como na geometria fractal de Mandelbrot, as pequenas partes, imagens complexas do todo, podem alterá-lo completamente a uma ligeira modificação. Assim, a condição de criação ou de desenvolvimento da linguagem criativa ou da capacidade adaptativa dos seres às mudanças da vida necessitam da expansão da mente para melhor captar a complexidade do mundo.

Imprescindível é ter um ponto de partida, um ponto chave, que, sendo um referencial, proporcionará em torno de si aprofundamento e busca de semelhanças e contradições. Assim o Caos especificamente tratado poderá resultar em ordenação simbólica tornando-se Cosmos, e novas formas de criar estabelecem novos rumos e novos destinos.

Mas Neo também precisa do Oráculo e da pergunta certa.

Comentários

Precisa do Oráculo e da pergunta certa?! Lembrei de Parsifal e do Cálice Sagrado.

E se a mente, ao invés de captar, estiver criando a complexidade do mundo? :)
Anônimo disse…
Não existe mais tempestade e esperança mais aqui...
Compus ALTER EGO...
Quero o todos os comandos na web de quem utilizou minha música...
Anônimo disse…
Pensar é exercício breve e sutil frente à avalanche que vos abraçará. Se por acaso eu morrer ou, pior ainda, for engolido pela ansiedade coletiva do monstro, a metade do quintilhão (dez elevado a 15) de estrelas existentes no Universo em expansão caírão primeiramente sobre meus inimigos invisíveis e que não respeitaram meu sôlfejo filosófico veemente. Não existe mais tempestade e esperança mais aqui... Não julgo nada. Sou tão somente julgado quanto todos. Porém somente um terço permanecerá e certamente não contamos com vocês.
Não subjulgue o poder de Deus!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …