Pular para o conteúdo principal

MUROS >> Carla Dias >>

A impressão que tenho ao observar o silêncio, o espaço, os olhos do menino e o rodopio da menina, daqui do muro onde sou rainha... Da minha casca que figura, satisfeita, com esse quê de liberdade fugitiva. A impressão que tenho daqui é que não há mais volta. Que insistir na religiosidade dos erros, reconstruir mágoas, alfabetizar lamentos não trará de volta o que não foi vivenciado, que dirá o passado a limpo. Que é tempo de escolhas, das mais brandas àquelas que mudam o rumo de tudo. De todos.

Gostos não querem mais desgostar da novidade. Tentam até conhecer intimamente o desejo pelo o que chegou agorinha! E sabem dessas palavras que fincam suas esperas na alma da gente. Não basta mais entrar na loja e, algumas prestações depois e uma longa negociação sobre o décimo terceiro salário, sair vestida de outra pessoa. As máscaras já não nos servem tão bem quanto um dia serviram. As mentiras mancam, as omissões se apaixonam pelas revelações, e se entregam a elas: o delírio em uma mão e uma canção na outra.

E demos de desejar coisa outra que não panos para embrulhar segredos.

Não se assustem... Não estou aqui para distribuir culpas. Falo da incoerência do MEU muro. Há dias em que ele me afasta do chão, e outros em que ele me cerca e sombreia. E apesar de estar sempre buscando o equilíbrio para evitar o tombo, ah, vez ou outra eu navego os dedos nas prisões e não nas lonjuras. E desejo derrubar o que pode ser o único arrimo capaz de sustentar a diversidade de tempestades que guardo dentro de mim.

Desafio-me constantemente a provar da imensidão. Nem sempre lambo os beiços. Às vezes, perco-me.

Minha avó gostava de dar nomes aos bois... Eu prefiro nomear aconchegos, hoje mais do que ontem. E mesmo reivindicando justiça, com febre e destempero de companhia, não sei conjugar fatalidades. Há em mim esse algo que tem a ver com entusiasmo velado... Às vezes, despenteado mesmo.

Desculpem, mas hoje acordei contemplando muros e tecendo redes. Não só para ter onde cair que não seja o chão frio da obscena violência que transita pela realidade de todos nós. É rede para sustentar esperanças coradas de tão intensas que são. Das que assopram chuvas no coração desértico e lá cultivam bem-estar.


www.carladias.com

Comentários

Do alto do meu muro, eu ontem esperei sua crônica como quem reivindica uma alegria antecipada. Mas só hoje ela apareceu no horizonte da minha tela.

Ler você é entender a expressão "Deus escreve certo por linhas tortas". Você escreve com palavras tortas, e tudo é tão certo quando leio.

E - sincronicidade - sua crônica é prosa poética da minha próxima crônica, de domingo, que será só prosa. Será uma prosa desnecessária, inútil com é o dia domingo; mas, por isso mesmo, irei escrevê-la.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …