Pular para o conteúdo principal

CINEMA MODERNO [Débora Böttcher]

No ano de 1996, o filme "Íntimo e Pessoal" caiu como uma bomba na minha emoção: ele quebrava a era do 'felizes para sempre'. Eu me lembro de ter ficado sentada diante da tela enorme, imóvel, ouvindo a música triste até acabarem os créditos, e saí dali angustiada e silenciosa - e a amiga que me acompanhava não se mostrou menos melancólica.

De lá pra cá, isso se tornou constante: exceto as comédias românticas (que raramente valem o ingresso), os dramas literalmente se transformaram em reflexos definidos e perfeitos da realidade crua da vida cotidiana: é a arte imitando a vida com uma excelência que impressiona. Não mais amores que dão certo; não mais barreiras de religião ou raça vencidas; não mais curas milagrosas. Os novos scripts seguem o roteiro do sonho quase possível, mas não realizável: ou dão uma definição radical ou nem todas as pendências são solucionadas, deixando aquele sabor de que muito além do "The End" a coisa se estendeu sem resolver-se.

Os filmes de ação também seguem a mesma linha: apesar dos bons enredos atuais, além de velozes demais - "O Ultimato Bourne" é de enlouquecer qualquer um com sua velocidade -, lhes falta um pouco de doçura, alguma coisa que os conecte a um sentimento sublime, muito acima de tiros e explosões.

A era da internet nos propicia ver muitos filmes - muitos dos quais nem chegam aos circuitos de cinema por conta do pouco apelo comercial. Eu tenho visto filmes espanhóis, alemães, poloneses, finlandeses, indianos, franceses, russos, ingleses e também americanos que são verdadeiras pérolas da atualidade.

Mas o que todos eles têm especialmente em comum é o final surpreendentemente chocante. É um susto, pelo menos pra mim, esse confronto com a desilusão, o abandono, a morte dos protagonistas, como se não houvessem mais personagens principais: igualaram-se todos ao nível das possibilidades de desfechos inesperadamente trágicos.

Talvez o cinema esteja, cada vez mais, se descortinando para novos papéis dentro da sociedade - dentre os quais se destaca essa perda total da ingenuidade humana. Quem sabe se os finais felizes não engordam mais às bilheterias. É possível que a sétima arte tenha perdido sua função maior de entreter e divertir: agora, a ordem é nos lançar sempre à luz da verdade - aquela mesma que todos os dias trava uma batalha pessoal conosco.

Eu sempre adorei Cinema. Acho que é uma das expressões mais belas da retratação de cenas e imagens que habitam o campo das sensações. Mas ando ficando um pouco, digamos, aborrecida com esse repetitivo derrame de frustração das telas. Não demora muito e vou ter que me alimentar novamente dos Contos de Fadas - Cinderelas, Príncipes, Fadas e Bruxas, Peter Pan's e Ganchos - para me abastecer a alma de esperanças.

Expressões Letradas

Comentários

Mary Ju disse…
ééé... o cinema também pode ser um abrir de olhos para a realidade da vida.
ou... podemos pensar que pelo menos não é assim conosco. ou se estivermos na pior, pensemos: tenho companhia!
heheh...
adorei seu texto e tbm amo cinema.
abraço
Que bela e importante reflexão, Débora!

Eu gosto da engenhosidade dos filmes complexos e de final imprevisível, mas, no fundinho da alma, gosto mesmo é do final feliz, ou pelo menos da esperança.

Estou feliz por voltar a lê-la e esperançoso de novos bons textos. :)
Carla disse…
Débora...
Também adoro o cinema e confesso que me agrada essa crueza dele. Porém, acho que é preciso um olhar afetuoso para nos resgatar da angústia que estes finais trazem... Quando se trata do cinema e também da vida.
A doçura está lá, como sempre esteve. E os finais felizes não são definidos no The End, não é? Quem já não quis saber o que vem depois?
Gosto de pensar que depois das dores está o bálsamo.
Adorei ler você.
Beijos!
Débora
Sabe, acho que eu sou mais dos finais realistas do que dos finais felizes... mesmo que a doçura seja bem-vinda, lembro de inúmeros finais de filmes em que minha sensação era a algo do tipo "se pode dar certo lá, porque não dá certo aqui?"
Na verdade, pode dar certo, mas nem sempre, e nem em qualquer tempo.
Acho que gosto da arte que me mostra isso, mesmo que se perca em doçura...
Beijo
Chris

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …