Pular para o conteúdo principal

AS DISTÂNCIAS >> Eduardo Loureiro Jr.

corbis.comMais próximo que o beijo
é o pensamento
compartilhado.
Mais íntimo que o sexo
é o coração
aberto.
(Eduardo Loureiro Jr.)

É atraente pensar que o que nos separa são os quilômetros. É ainda mais sedutor supor que beijos, abraços e penetrações são os responsáveis pela união.

Que incomoda mais os amantes: duas semanas sem se ver ou cinco dias sem qualquer tipo de comunicação, sem uma notícia sequer? E o que descontenta mais: cinco dias sem diálogo ou palavras diárias superficiais, sem afeição? A distância física se encolhe diante da distância mental, que se apequena diante da distância emocional.

Quando um amante pergunta a outro "no que é que você está pensando?", ele está tentando diminuir uma distância mental. O outro tem uma fração de segundo para confirmar a distância - recusando-se a dizer o que pensa -, para reduzir a distância - revelando seu pensamento - ou para ocultar a distância - afirmando pensar uma coisa diferente da qual está realmente pensando. "O pensamento parece uma coisa à toa, mas como é que a gente voa quando começa a pensar." Desse vôo de um amante, o outro amante está muitas vezes excluído. O corpo pode até estar lá, mas o pensamento tem a capacidade de se ausentar, mesmo que deixe palavras guardando o lugar. A distância mental vem da crença de que o outro não pode ter acesso ao que pensamos. Iludimo-nos, dizendo a nós mesmos que a omissão é para proteger o outro, que o outro ainda não pode compreender nosso pensamento torto, ou elevado, ou complexo: "para que ele entenda isso que eu penso, eu teria que lhe contar toda a história da minha vida". Quem guarda o que pensa para si tem medo do julgamento: "que vai dizer de mim?" Pior: "que vai pensar de mim e, mesmo pensando, não irá me dizer, julgando-me e condenando-me em silêncio?". Teme-se a perda do outro, e o próprio medo de perder faz com que se crie a distância que é a perdição. A distância mental não gosta de riscos, prefere ficar segura em seus segredos de pensamentos e palavras.

A distância emocional é sutil. É mais fácil reconhecer um pensamento próprio, mesmo que escolhamos ocultá-lo do outro, do que reconhecer um sentimento. É curioso que os amantes não se perguntem com mais freqüência "o que você está sentindo?". Às vezes se pergunta "você me ama?", e a resposta é óbvia, "sim", já que qualquer outra resposta, mesmo um sincero "não sei", ameaçaria, na visão do perguntador, o próprio relacionamento. O pensamento é aéreo, o sentimento é fluido. O pensamento não pode ser visto. O sentimento pode até ser visto, transbordante que é em gestos, lágrimas, olhares, mas o seu caráter não é facilmente definido: "o coração tem razões que a própria razão desconhece". O encanto, nos relacionamentos, vem daí: um amante sente uma coisa e o outro amante pensa que seu parceiro está sentindo outra coisa diferente, uma coisa melhor e mais bonita do que o outro está realmente sentindo. O desencanto também vem daí: chega um momento em que o sentimento real de um entra em choque com o sentimento idealizado pelo outro. Na distância emocional, também não se permite que o outro saiba, e isso se faz sutilmente, tentando sentir aquilo que se pensa que o outro acha que você está sentindo. Se um amante percebe que o outro acha que o primeiro sente saudades, então o primeiro vai tentar sentir saudades. Pode ser um fingimento enganador, pode ser um fingimento bem intencionado e pode até ser um fingimento inconsciente: o amante realmente acha que está sentindo aquilo que não está. A distância emocional não gosta de enfrentamentos: desvia-se, toma a forma do desejo do outro.

E isso nos levaria às distâncias que não são externas, mas internas. Não mais as distâncias entre os amantes, mas a distância de si mesmo dentro de cada amante. E também nos levaria a uma maior compreensão da sedução, esse assunto tão fascinante. Mas não pretendo tomar todo o dia dos leitores com uma longa crônica. Se houver interesse (aproximem-se mental e emocionalmente), eu lhes levo às distâncias internas e à sedução no próximo domingo.

Comentários

Paula disse…
Sinceramente, não sei o que é pior.. a distância física ou a emocional. Acho que uma leva à outra... e o contrário também é verdadeiro. Achei essa crônica muito triste, Eduardo. Essa coisa de distância não tá me fazendo bem não! Acho que a sedução vai cair melhor..

:)
Carla Dias disse…
Eu vejo possibilidade de se fisgar sabedoria, através das distâncias... Não como regra, mas como matéria-prima da observância. Acho a distância emocional das mais doídas. E também que, quando contemplamos distâncias, podemos alcançar a compreensão do que realmente desejamos para nós e para aqueles que nos cercam. Distâncias podem ser passos adiante. Quando sabemos ser hora de encurtá-las, transformamos dores em coragem de puxar o fio que nos aproximará do que(m) buscamos.

É preciso coragem para soletrar distâncias.

E por aqui fico: distâncias a tiracolo e à espera do próximo domingo que jurado foi de ser fisgado pela sedução.
Anônimo disse…
Du, que foto linda!
Interessante a discussão sobre as distâncias físicas, emocionais, de pensamento...

Vou aguardar a continuação dela na próxima semana.

Beijo,

Inês
Debora Bottcher disse…
Ai, Eduardo,
Sempre bom ler suas divagações sobre amor, distâncias, emoções e pensamentos...
E sim: que venham as distâncias internas e as seduções... Sempre...
Beijo.
Sodré disse…
"Saber amar é saber deixar alguém te amar" (Herbert Vianna).

"A gente não percebe o amor que se perde aos poucos sem virar carinho. Guardar o amor lá dentro não impede que ele se empedre mesmo crendo-se infinito. Tornar o amor real é expulsá-lo de você para que ele possa ser de alguém" (Nando Reis).

"But gravity always wins" (Radiohead)

Alter Ego foi composta para isso... Eu fiz minha parte. Você fez a sua?

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …