terça-feira, 18 de setembro de 2007

(AINDA) SÓ PRA VOCÊ -- Paula Pimenta

Eu já escrevi pra você. Só pra você. Mais de um ano atrás. Na época, eu nem sabia que você ia ler. Mas você leu. E deu no que deu. Agora, mais de um ano depois, eu quero escrever de novo. Só pra você saber que eu continuo tão sua, tão de mente e alma sua, quanto naquele primeiro dia.

Eu sei que você sabe que desde aquela primeira vez em que te vi, você nunca mais saiu do meu pensamento. E continua por aqui, por mais que de vez em quando eu tenha vontade de te expulsar, por algum motivo qualquer que tenha me deixado triste... Mas você permanece marcando presença, em cada hora do meu dia, em cada minuto, aliás, acho que não tem um segundo em que eu não me lembre de você.

Eu sei que você imagina o quanto eu te acho inteligente. Que eu adoro conversar com você sobre qualquer assunto, que eu só não reclamo por não conversarmos mais ainda porque quando não estamos falando, estamos ocupando o tempo que temos juntos fazendo alguma coisa melhor...

Eu sei que você desconfia que na hora em que eu te encontro o meu coração bate tão acelerado que você deve até ter (se não tiver, providencie) o telefone de uma ambulância gravado no seu celular, para o caso de eu ter uma síncope e morrer do coração.

Eu sei que você suspeita o quanto eu fico triste quando a gente se separa, como fica tudo um vazio imenso, sem lua, sem estrela, sem graça, sem sorriso, sem vida...

Eu sei que você tem idéia de como são perfeitos os momentos que passamos juntos, e como eu guardo tudo trancado a sete chaves na minha memória, para poder visitar a cada instante que a minha saudade solicitar.

Eu sei que você tem conhecimento que até hoje (contando do dia em que nos conhecemos - um ano, três meses e cinco dias depois) você me provoca um frio glacial na barriga, só de lembrar, só de imaginar, só de sonhar com a sua presença...

Eu sei que você acha que eu estou mentindo, mas eu realmente fico sem graça de me expor, de contar para o mundo tudo o que você me desperta, mas isso já foi pro ar há muito tempo. Quem me vê já sabe, pela minha expressão, pelo meu jeito, pelo meu sorriso, o quanto eu sou apaixonada. E não tinha jeito de ser por mais ninguém. Só mesmo por você.

Eu sei que você já sabe que me inspira. Que é razão de tudo o que eu canto. E escrevo. E sonho. Mas nunca é demais repetir...

Eu sei que você tem certeza de tudo isso. Mas só para o caso de em algum momento surgir alguma dúvida, você poder ler e confirmar. Porque certeza maior é essa que eu tenho, de que pode passar quanto tempo for, mas a minha maior fonte de inspiração continuará sendo você. Por isso, essa e todas as minhas outras crônicas de amor são suas. Pra você. Só pra você.


Partilhar

4 comentários:

Eduardo Loureiro Jr. disse...

"Porque toda razão, toda palavra, vale nada quando chega o amor."

TecaMiranda disse...

"e como eu guardo tudo trancado a sete chaves na minha memória, para poder visitar a cada instante que a minha saudade solicitar."
Adorei a crônica! Como todas as outras suas que li. Parabéns!

piovan disse...

Nossa essa cronica se encaixo perfeitamente comigo e adorei a parte q ela fala o tempo q eles se conheceram ...Minah professora vai adorar ..
PARABENS

Maria Luiza Boulitreau disse...

Escrevia perfeitamente desde sempre, a Paula já deve ter nascido com esse dom. Foi perfeita no passado, é perfeita no presente e será perfeita no futuro, eu te amo Paula ♡