Pular para o conteúdo principal

AMOR SECRETO [Carla Cintia Conteiro]


Tenho um amor secreto agora. É emocionante viver na clandestinidade, de olhares fortuitos, leves acenos, quase imperceptíveis, quando nos encontramos casualmente, ele com outra companhia, fora de nosso espaço reservado. Nosso acordo funciona bem assim.

Ser casada com um homem que entende a alma humana ajuda. Meu marido não tem ciúmes. Nutre, ele também, afeição por meu amor secreto. Tantas vezes juntou-se a nós quando estávamos brincando. Mas ambos sabem que têm lugares separados no meu bem-querer, estão conformados e satisfeitos. É um bom arranjo.

Não nutro culpa ou qualquer outro tipo de encucação. Não haveria motivo. Foi bom ter estudado psicologia. Assim, quando ele passa por mim, fingindo que não me vê, mal indicando que percebe minha existência, sei que não é para zombar do meu coração. É assim mesmo. Ele não pode expressar o amor que sente por mim publicamente. Não é rejeição ou algo parecido. É necessário manter este comportamento. E esse jogo é até divertido.

Sei que depois, a sós, ou diante de quem não poderá comprometer sua reputação, ele me abrirá novamente os braços, me encherá de beijos, me acariciará os cabelos, me falará com a doce voz, cheia de dengo e manha. Nosso cantinho é cheio de cafuné e carinho, mas ninguém pode saber. Se conto aqui sobre nosso amor secreto é porque sei que os olhos e os ouvidos de quem não deve saber dele, não chegarão a este sítio e esta informação confidencial - a de que eu o amo profundamente e que ele também me ama para sempre - permanecerá em completo sigilo. Não traio meu amor secreto. Nosso amor é cheio de silêncios e discrição.

Porque, vocês sabem, mãe abraçando e beijando filho em público a partir da puberdade e até o início da idade adulta é o maior mico. Quando ele sai com os amigos e a gente se cruza por aí, é bom fingir que nem viu. O melhor mesmo é fazer de conta que nem conhece. Um gesto rápido e bem pequeno é o máximo tolerável. Desta forma, vivo uma história de amor às escondidas com o rebento, contando com a cumplicidade do meu marido, também conhecido como pai dele.

Quando os amigos dele ficam para trás e chegamos em casa, tudo muda. Volta o grude normal de sempre, tenho de volta meu menino carinhoso, cada vez menos menino.

E assim, vivo esse amor, tão alardeado desde que essa criaturinha surgiu na minha vida, mas que agora precisa ficar oculto para que ele viva sadiamente a ligação com seu grupo e a ruptura com os pais, fundamental para o seu crescimento. Bem, ao menos enquanto se está jogando para a galera.

Fel - Amargando Felicidade

Comentários

Carla Cíntia, sua danadinha, você me enganou! Isso não se faz. Eu já estava me coçando para comentar com uns versos que fiz, e você me vem com essa de amar clandestinamente o próprio filho? Francamente!

Brincadeirinha. :) Maravilha de crônica. Essa semana me pediram uma indicação de uma crônica que tivesse uma revelação que, para um leitor atento, já poderia estar subentendida. Eu não soube indicar a tal crônica. Hoje, eu saberia. :) Parabéns!
Clara disse…
Que beleza de Crônica.
Meus parabéns.
Fiquei emocionada.
apá silvino disse…
coisa mais linda!!!! tb tenho um amor assim mesmo!!!
beijos minha querida!!!!
apá

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …