Pular para o conteúdo principal

GOL DE CRÔNICA >> Felipe Holder

Já joguei muitas peladas na vida, mas jamais pensei que fosse vibrar tanto com um gol. Muito menos com um gol feito contra o meu time. Mas aconteceu.

Domingo, 31 de agosto de 2003. Eu, minha irmã Renata e minhas duas sobrinhas — Roberta e Pollyana — fazemos aniversário nos primeiros dias de setembro, e naquele ano Renata teve a idéia de alugarmos uma chácara bem grande onde teríamos um final de semana inteiro só de festa.

Pois bem, jogávamos uma partidinha de futebol familiar e comemorativa. Na pelada (é assim que chamamos, em Recife, esse jogo entre amigos) estavam quase todos os presentes ao evento: pai, filho, filhas, netos, netas, irmãos, tios, sobrinhos e amigos. O jogo estava empatado, quando meu amigo-quase-irmão Ricardo recebeu a bola no meio de campo e iniciou um contra-ataque. Eu era o último jogador entre ele e o gol, e não tendo muito o que fazer, corri pra cima dele pra ver se ele se assustava ou, pelo menos, tocava a bola pro lado dando tempo dos outros voltarem pra me ajudar. Esperto, ele não esperou minha chegada e mandou a bomba dali mesmo, a uns dez ou quinze metros do gol (agora imagine a continuação do lance em câmera lenta).

Parei e fiquei acompanhando a trajetória da bola, que subiu, parecendo que ia passar sobre a barra, e caiu de repente. Nosso goleiro Aires (ou simplesmente Titio) nem esboçou reação: apenas ficou olhando ela bater no travessão e sobrar na entrada da pequena área, onde alguém surgiu de repente pra chutar de primeira, pegando na veia, fazendo a bola literalmente estufar a rede e cair dentro do gol para entrar em sono profundo. Por um segundo pensei em lamentar o lance, mas quando percebi quem era o “matador” abri um sorriso e parti para o abraço: era meu pai! Era Stanley, aos 77 anos, fazendo seu golzinho — ou melhor, seu golaço! Aí virou festa. Todo mundo correu pra comemorar junto com ele: eu, Renata, Pollyanna, Roberta, Sue, Keilla, Paloma, Pérola, Camila, Márcio, Titio, Ricardo e Rafa. Até Brendinha, nossa dachshund, entrou na roda. Gréia geral!

O feito não entrou no Guiness mas está devidamente registrado na memória da família — com direito até a foto, tirada poucos segundos antes do golaço. Com um atraso de quatro anos, presto ao meu pai uma homenagem: em vez de placa, uma crônica.

Poder jogar com meu pai novamente, depois de mais de vinte anos, foi uma grande alegria. Hoje, quatro anos depois daquele gol, ele diz que não quer jogar mais. Diz que “está velho” pra isso. Eu desconfio que é modéstia. Ele não quer é fazer outro. ;)

Comentários

Meu amigo, ainda bem que você decidiu que não está velho pra isso (pra escrever), ainda bem que deixou a modéstia de lado e nos presentou com outra crônica já na semana seguinte à primeira crônica. A sua alegria de filho é a minha alegria de leitor. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …