Pular para o conteúdo principal

A ESPERANÇA QUE DÓI [Anna Christina Saeta de Aguiar]

De todos, talvez o sentimento que mais me comova seja a esperança.

Não estou pensando na esperança contínua, obcecada, irreal dos fanáticos, que anseiam por algo que não se sabe sequer se existe de fato. Nem naquela esperança que é mais um tipo de modéstia, pois na verdade tudo já está encaminhado para o sucesso. Nestes casos, a esperança é apenas cautela. E não me comove a esperança abstrata do "tudo vai dar certo", que só surge quando não há mais nada a se falar.

A esperança que me abala de forma mais profunda é aquela esperança íntima que surge de repente, nas piores situações, de maneira involuntária, apenas um lampejo que ilumina por um segundo o breu da realidade e desaparece antes que se pisque o olho. É quase um sonho, essa esperança de que falo.

É a esperança dos filhos que, ao lado do leito do hospital, seguram a mão do pai ou da mãe - ou dos pais que aguardam à cabeceira do filho doente - e que, mesmo quando o pior já é certo e assimilado, sentem, em meio às lágrimas, aquele quase conforto a lhes atordoar ainda mais a dor. Por um segundo apenas, a esperança de que um milagre faça com que tudo mude, e que possam ter mais tempo para as tantas coisas que ainda restam a ser ditas ou vividas ao lado do ser amado.

A esperança da mulher em processo de aborto que, de repente, sente que seu filho pode nascer e sobreviver, e consegue até imaginar o seu rostinho, seu choro, seu sorriso. Ou aquela esperança que assalta um sem-teto no meio da noite, fazendo-o acreditar, apenas por um segundo, que alguém vai parar o carro e lhe jogar um cobertor sobre o corpo encolhido. A esperança fugaz de que o freio funcione, os pés não derrapem, o corpo suporte, o tempo pare. Só por um segundo, ou menos do que isso. Só um momento.

E então, a centelha se apaga e nos deixa assim atordoados, assim sem saber o que foi que aconteceu, sem saber como é possível ter sentido tão intensamente, ainda que por um breve momento, a felicidade extraordinária da esperança.

Nada sei sobre psicologia, mas imagino que isso seja, de alguma forma, uma defesa fabricada pela mente quando se está vivendo momentos extremamente difíceis. Uma forma de conforto, talvez, gentil oferta do subconsciente? Realmente não sei.

Seja como for, talvez o que comova seja a impressão de que um lampejo de esperança, por mais instantãneo que seja, fique marcado como cicatriz na memória, e ao findar, faz com que o frio pareça mais cortante, a fome mais funda, a saudade ainda mais intensa, a realidade mais dura.

Comentários

Chris,

Walter Benjamin escreveu que "o passado nos convida a olhá-lo, mas somente como uma imagem que relampeja no momento de perigo."

Foi bonito aprender, com a sua crônica, a ver a esperança também como um relampejo. :)

Beijo,

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …