Pular para o conteúdo principal

A DOR QUE NÃO TEM NOME [Maria Rita Lemos]

Amar e ser amado é tudo o que se quer. Com amor, tudo que se faz parece ter mais sentido, a vida tem mais cor, as coisas banais parecem mais prazerosas. Por isso, a separação, quando acontece, dói muito, de um jeito impossível de definir. Uma dor que não é só solidão, que não tem nome.

Quando a separação é inevitável, e vem sendo apenas adiada, como quem empurra a sujeira para baixo do tapete, cedo ou tarde chega o dia em que uma das duas pessoas envolvidas, ou ambas, admitem que o relacionamento acabou, está só no papel, ou nem está nele. É tempo de fazer as malas, é tempo de sofrer esse luto, que existe mesmo quando o amor não existe mais.

Estar sozinha implica em muitas pequenas coisas, que como definiu Chico Buarque, são “a soma de tudo que chamam lar”. O controle da TV finalmente está nas suas mãos (antiga reivindicação...), mas na prateleira faltam livros, a estante dos CDs está desfalcada, o armário do banheiro esvaziou de repente, deixando sua escova de dentes lá dentro, sozinha, vazia como você. É o momento em que se fica frente a frente consigo mesma, com o sonho que não deu certo, a boneca que quebrou, o amor que se jurou eterno e, como vidro, se quebrou. Daí a dor, daí a necessidade de se repensar a vida, não sem antes admitir o luto.

As pessoas, quando se separam, sentem-se perdidas e sem rumo porque todo relacionamento (e quanto mais longo mais isso acontece) implica numa fusão dos egos, é como se não existisse mais “você” e “eu”, mas uma nova entidade chamada “nós”. A separação rompe esse parâmetro, então é preciso reencontrar o ego, desconstruir para voltar a se encontrar. Nesse período, vale tudo o que puder ajudar: o colo da mamãe, quando ainda está disponível, a conversa com as amigas (cuidado com as que se comprazem com a dor alheia...) e, muitas vezes, a ajuda de um profissional de Psicologia se faz necessária para que esse período de perda e luto seja melhor enfrentado. Por mais que as amigas e amigos se esforcem, não há conselho que ajude. É como quebrar um osso: o gesso ajuda, o anti-inflamatório e o sedativo ajudam, mas só o tempo pode resolver o problema definitivamente.

Há, porém, formas de se minimizar o sofrimento, e o auxílio psicológico está entre elas, quando a dor não é de osso, mas é de alma. Se você quebrar um osso e não procurar socorro, pode ter graves complicações; da mesma forma, as dores de amor dependem principalmente do tempo, mas é preciso ajudar o tempo a fazer o seu papel.

Toda separação é dolorosa, essa é a grande verdade. Mesmo que as pessoas envolvidas neguem. Refazer a vida, reorganizar o tempo sem a outra pessoa, por pior que estivesse a relação, implica numa desconstrução que muita gente não consegue fazer, ou faz muito mal, e continua sofrendo, tanto ou mais do que quando estava numa relação péssima. Há pessoas que se deprimem, outras somatizam a dor, ficando doentes, outras ainda engordam demais ou param de comer. Todas sofrem. No entanto, vale também aqui o ditado popular: “não há mal que sempre dure nem bem que para sempre perdure”.

Começar de novo, reorganizar a rotina é difícil, mas muitas vezes é necessário, para que se continue a viver, e viver bem. Quem sabe, até bem melhor do que se vivia antes. No entanto, é preciso saber passar pela tormenta, antes que venha a calmaria.

Palavra de Mulher

Comentários

Bem-vinda de volta, Maria Rita! Esse assunto de separação dá até dor no coração de quem lê. :) Mas contar com palavras serenas como as suas é muito bom para um leitor que sofre com a dor alheia e com a própria dor passada.
Blog do Cintrão disse…
Oi, Maria Rita.
Muito bonita a sua crônica. Só a li hoje porque sou muito desorganizado.
Essa coisa a fusão de egos é muito interessante. Eu nunca pensei desse jeito.
As separações sõa guerras mundiais que não saem nos jornais.
Um abraço,
Maurício Cintrão

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …