Pular para o conteúdo principal

SÍNDROME EMOCIONAL [Debora Bottcher]

Não consigo evitar: todo começo de ano uma melancolia me assola. Começa logo no segundo dia: tenho pesadelos durante a noite e, pela manhã, penso que não vou conseguir me levantar da cama.

Não é tristeza, é um estranho inexplicável. Como se esse desconhecido que se apresenta - o Ano Novo -, que detém o destino à espreita, sob seu comando, fosse 'alguém' que oferecesse perigo iminente. Assim, um medo me invade e está decretado o desconforto, que sela os dias seguintes com um quase desespero, e me vejo à deriva num oceano de emoções turbulentas.

Esse costuma ser um processo solitário - como falar disso com alguém? Sendo algo recorrente, quem compreenderia sem julgar-me à beira de um colapso de loucura? E, afinal, quem poderia me afagar o sobressalto e garantir alguma paz?

Acontece que essa semana, com os 'nervos' menos aflorados, pensei se essa sensação seria exclusivamente minha. E ocorreu-me: "E se um monte de gente se sente assim e não compartilha, pelas mesmas razões que eu?"

Por isso hoje me exponho, escancarando esse sentimento que é quase uma dor, de tão latente e angustiante. E talvez porque, no oitavo dia, já seja possível falar sobre isso sem constragimento, uma vez que o incômodo é mais ameno e posso dizer que, afinal, não aconteceu nada de mais até aqui: não há tragédias, inconvenientes, nada que possa, de fato, ameaçar a tranquilidade - interna ou externa.

Ou seja, os dias transcorrem normalmente - e também, numa análise menos superficial, divago que, talvez, essa possa ser uma das razões da melancolia. A gente cria expectativas nessa época e como a vida segue, sem interrupção, alheia ao calendário, seu curso cotidiano, ficamos assim, meio reféns da normalidade.

Bom é que passa - a rotina se instala, o trabalho recomeça, as providências diárias minimizam conturbações sentimentais. E na Quarta-feira de Cinzas essa 'síndrome' volta a me habitar. Mas para a ocorrência desse 'evento' nessa data, nem consigo formular uma especulação...

Comentários

Ih, Debora... tem coelho nessa cartola. :) Vai puxar o bicho pela rabo?
Debora Bottcher disse…
Valha-me, Eduardo... Faz-me rir... E isso afasta o 'bicho', né? :) Beijo, meu amigo...
albir disse…
Não se preocupe, Debora, não lhe falta companhia na angústia humana de viver. Solidariedade ajuda, mas não resolve. Abraço.
Marilza disse…
Debora, fique tranquila. Compartilho do mesmo sentimento. O calendário muda indiferente às nossas angustias, os dias se vão e o desconforto também...
Abs
Nick Pink disse…
Minha mãe outro dia disse que acha o início de ano meio melancólico... Pode ser, no fundo a gente sempre tem medo do novo, mesmo que nada mude, o ano é novo... Muito bom o texto!

Seguindo!
Abraços!

http://vivereler.blogspot.com/

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …