Pular para o conteúdo principal

PRESENTES PASSADOS
>> Albir José Inácio da Silva

Presente não é brincadeira. Não para ela. Nada a aborrece mais do que a displicência com que certas pessoas tratam o assunto. Na compra de um presente deve-se colocar alma, amizade, carinho.

Nunca se esqueceu de como os presentes a fizeram sofrer. Presentes que nunca vieram ou dados de má vontade, mal escolhidos, só para se livrar da incumbência. Deram-lhe roupas grandes, sapatos pequenos, brinquedos que assustavam mais que divertiam. Passou a infância desejando presentes que não ganhava e recebendo presentes que não queria. Seus natais nunca tiveram Noite Feliz, Jingle Bells e outras canções melosas. Sua música natalina sempre gemia: “Eu pensei que todo mundo fosse filho de Papai Noel...”

Presente nunca mereceu o devido respeito, pensava, mas, ultimamente, os presenteadores enlouqueceram: vale-presente, cartão-presente e outros absurdos. Preguiçosos e incapazes há muito tempo já recorrem à imoralidade de perguntar o que a “vítima” quer ganhar. É o mesmo que dizer: não sei nada sobre você, não quero saber e me ajude a comprar seu presente já que eu tive o desprazer de tirá-lo como amigo oculto.

De sua parte, não. Gastava dias na busca de um presente. Presente tinha que ter, dizia, a cara de quem recebia. Não bastava servir, tinha que fazer brilhar o olho do presenteado. Revirava lojas, catálogos, barracas e camelôs, retornando várias vezes até ter certeza de que aquele era o presente certo. Do brinquedo do filho à lembrancinha do porteiro, tudo era um parto.

O presente para sua amiga, por exemplo, custou-lhe quilômetros de caminhada. Procurara dois dias sem achar algo que fizesse justiça a sua amizade. Achou roupas que todos usavam, sem personalidade, quinquilharias inúteis e, nas lojas mais requintadas, bolsas caras e feiosas. Sugeriram livros. Mas que livro? “Um que você goste”. Ora, o presente não era para ela, não era ela que tinha que gostar. Os palpites só serviam para irritá-la e a agonia durou até o dia de natal. Voltando às lojas, achou uma saia diferente e ousada – a cara da sua amiga - e não teve dúvidas. Era o que procurava.

Infelizmente quem a tirou de amigo oculto não teve o mesmo zelo. E agora, passadas as festas, ali estava ela na fila de trocas, com esperança de levar alguma coisa que pudesse usar sem sofrimento. Murmurava sua musiquinha triste sobre nem todo mundo ser filho de Papai Noel, quando reconheceu a voz que esbravejava no balcão. Era sua amiga que brandia, amarrotada, a saia que lhe custara tanta dedicação.

- ... então me dê qualquer coisa! Pares de meias, por exemplo! Qualquer coisa é melhor que isto!

Saiu da fila antes que fosse vista. Já na calçada, jogou fora o presente e comprou uma caixa de chocolates. Foi combatendo na boca o amargo das injustiças do mundo.

Comentários

Tava se achando, a pobre coitada. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …