Pular para o conteúdo principal

AULAS, PRA QUE VOS QUERO?
>> Eduardo Loureiro Jr.

As férias escolares estão acabando. A maioria das escolas retomará as aulas essa semana. Benza Deus! Benza Deus! Benza Deus! Esse monte de delinquentes desocupados que invadiu as ruas, praças, praias e shoppings da cidade retornará à sua reclusão.

Não é preciso ser nenhum gênio para perceber a semelhança entre locais de trabalho, prisões e escolas. Nesses três espaços institucionais, depois que a pessoa entra, fica submetida a uma autoridade e não tem mais liberdade de sair na hora em que quiser. São espaços em que o tempo de quem entra fica sob controle das autoridades da instituição: patrões, policiais e professores.

Assalariados, presidiários e alunos recebem tratamentos levemente diferenciados, de acordo com o grau de incômodo que causam para a sociedade.

Os assalariados são aqueles que, se não estivessem trabalhando, estariam na ociosidade, coisa não vista com bons olhos em nossa sociedade. Como seu pecado não é crítico, é mais um desconforto do que uma ameaça, os ex-preguiçosos recebem o incentivo do salário. O valor é, na maioria das vezes, abaixo do que o merecido pelo trabalho realizado, mas pelo menos o ex-vadio recebe alguma coisa pelo tempo que lhe foi tomado.

Os presidiários cometeram alguma espécie de crime, por leve que seja, então têm confiscado todo o seu tempo. Não podem ficar de bobeira, à solta, porque podem incorrer novamente em delito. Mas como a sociedade não é de todo má, dá como consolo ao preso todas as refeições. Assim como o assalariado, o preso também é bancado pela instituição.

Os alunos são os mais perigosos. As escolas públicas o tratam como um presidiário em regime semi-aberto. Não porque sejam menos ameaçadores, mas porque o máximo de tempo que os aguentam em suas dependências é oito horas por dia. A quantidade de delinquentes infanto-juvenis é tão grande que as escolas públicas não dão conta. Desesperados para se livrar desses pequenos criminosos por pelo menos algumas horas por dia, muitos pais pagam, e caro, a instituições particulares para terem um pouco de sossego.

— Qual o perigo de crianças e adolescentes? — o leitor ingênuo deve estar se perguntando, ou pior, me perguntando...

Assalariados e presidiários estão em recuperação por crimes que cometeram contra a propriedade. Os assalariados, quando preguiçosos, não colaboravam para a produção. Os presidiários, quando malandros, roubavam aquilo que outros produziam. As crianças tanto não produzem coisa alguma quanto roubam pais, tios, avós e quem quer que os leve para os passeios comuns nas férias. É sorvete, é pipoca, é sanduíche, é bombom, é brinquedo, é sapato, é roupa, é eletrônico... é um mini-inferno econômico. O pai assalariado corre o risco de virar um pai presidiário se atender todos os quereres desses marginais de metro, metro e meio.

As férias escolares são tão longas apenas porque os pobres professores não aguentariam o estresse de serem submetidos a crianças e adolescentes na mesma proporção que supervisores e carcereiros são expostos a assalariados e presidiários. As duas férias anuais são carnavais prolongados e fora de época de que só participam — no qual só se divertem — pessoas com até 15 anos de idade. É uma ofensa a todos os demais, que não foram convidados para o baile, mas foi a maneira que se encontrou, até agora, de lidar com essa deliquência natural pela qual todos nós passamos.

Talvez por isso muitos adultos sejam tão tolerantes com esses pequenos degenerados: eles se lembram que já cometeram crimes semelhantes e que, se não foram condenados, também não têm o direito de condenar os fora-da-lei de hoje. Há mesmo aqueles adultos que aproveitam as férias de filhos, sobrinhos e netos para fazer um revival e entregam-se à bandalheira junto com os pequenos. E vá algum adulto realmente adulto, daqueles que se penitencia diariamente pela infância e adolescência cometidas, reclamar da licenciosidade que estão crianças e adultos-criança a praticar.... o pessoal vira uma fera, mostra os dentes, arregaça os muques e quer brincar de boxe.

Eu, que por sorte ou por mérito, escapei do escritório e da prisão, tenho mesmo vontade, durante as férias escolares, de me assalariar e, além das oito horas diurnas, pegar plantões todas as noites, só para evitar os encontros e potenciais confrontos com essa horda que invade a cidade desde o final de novembro até o início de fevereiro. Tem horas que chego mesmo a desejar o meu próprio encarceramento — desde que seja em cela especial, claro, com direito a banheiro privativo e internet — em vez de me sujeitar a cenas de puro vandalismo consumadas por esses bandos de meninos e meninas desocupados e malfeitores.

Mas, enfim, as férias estão acabando. Eu posso me controlar mais alguns dias, respirando fundo, bem fundo, contando até dez, até cem, até mil, pedindo a Deus paciência, oferecendo o calvário a algum santo em prol das almas necessitadas. Meus cinco meses de paz, até as famigeradas férias de julho, já estão quase começando, já posso vê-los dobrar a esquina, silenciosos, ordeiros, já me sinto mais leve, mais feliz, já começo a esboçar um sorriso...

— Puta que o pariu! Cala a boca, menino! Não está vendo que estou escrevendo mentalmente minha crônica da semana? Cadê o infeliz do teu pai?! Larga de mexer nisso aí! Para com essa barulheira! Se não sair daqui agora, eu te dou umas porradas! Sai, vai, vai! Chispa! Vade retro!


Comentários

Felicidade para vc e ... tristeza para mim que tenho que enfrentar até julho essas " Feras" que falam até pelos poros. Chega Natal!!!
Bjs
Marilza disse…
Eduardo, ninguém é feliz totalmente né? Uns anseiam pelas férias, outros pelas aulas.
Concordo em gênero, nº e grau. Eita bando de desordeiros....rs
albir disse…
Edu,
é bom vê-los assim, arruaceiros. Acho que, inclusive, não muda nada quando acabam as férias. Eles estão nos mesmos lugares, fazendo a mesma bagunça, só que de uniforme, ou farda, ou seja lá que nome tenha o que eles sujam e vestem pelo Brasil afora.
Anônimo disse…
Interessante essa observação tua de que a gente se irrita quando o outro não está fazendo nada. É mais uma das inúmeras associações que os pensamentos fazem ... os pensamentos que são somente uma projeção de tudo já vivenciado e que nunca trazem nada de novo ...
A gente quer ser moderninho, oeps!sorry!, a-tu-a-li-sa-do, e se esquece que não há nada de novo na repetição de hábitos antigos.
Tenho pena dos estudantes que são moldados pelos nossos conceitos tão envelhecidos. Logo eles, tão jovens, tão mais próximos do contato com sua essência, sendo "educados" por quem nem sabe mais quem é ..
Ah, desculpa aí, Eduardo. Tua crônica me colocou a observar a confusão de nossos valores.
Nancy Niemeyer
Força aí, Mariza! O Natal já está chegando. :)

Pois é, Marilza. Só espero que não tentem equacionar essa situação estabelecendo seis meses de aulas e seis meses de férias. Aí vou pedir extradição em outro planeta. :)

Tu gosta, Albir? Então vou mandar as galerinhas aqui do DF aí para o Rio. :) Aguarde julho! :)

Nancy, bom vê-la por aqui. A ideia original da crônica tratava desses assuntos que você levantou, mas acabou que a primeira parte ficou grande demais e não quis forçar a paciência do leitor. Quem sabe não rola uma continuação... :)
fernanda disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
fernanda disse…
Vou mostrar esse texto pra minha mãe agora. Ela certamente irá se identifcar. Lembro que ela tinha pânico do meu período de férias porque, de fato, eu era uma delinquentezinha. Já até pensei em escrever uma crônica sobre minha infância marginal. Mas fiquei com receio de comprometer minha versão adulta comportada...rs
Bjos!
Anônimo disse…
Eduardo, como sempre, muito boa sua crônica. Gosto muito da forma poética como vê as coisas e da forma sempre original que traz seus pensamentos através das palavras. Tem que ser um poeta nato para estar vendo poesia em todo canto...como vc faz. Mas tem uma coisa qe me incomoda nesse seu texto. É a idéia de que as escolas são como um presídio... Foi-se o tempo em que o Pink Floyd tinha toda a razão em protestar com sua "Another Brick in the Wall". No nosso tempo era assim...Lutamos por liberdade e a consquistamos. Mas essa nova geração herdou tudo isso de mão beijada e anda transformando liberdade em libertinagem, até por não conhecerem o que é viver sem ser livre. Hoje impera na sociedade, e no seu microcosmo juvenil que é a escola, um ambiente permissivo, sem regras. Isso gera violência escolar e comportamento selvagem em shoppings da cidade. O traumático é que o que sentes na pele durante as férias escolares, é hoje uma realidade permanente nas escolas.
Fernanda, mostre para sua mãe para ela saber que tem alguém que a compreende nesse mundo. :) E se comporte! :)

É verdade, Zecca. É verdade. E sou um cronista de sorte, porque eu coço aqui uma feridinha com minhas palavras e me aparecem meus perspicazes leitores fazendo uma análise clínica do ferimento. :) Grato.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …