Pular para o conteúdo principal

QUEM MEXEU NO MEU SIGNO? >> Fernanda Pinho




Naturalmente foi uma ariana típica – com cabelo vermelho-fogo e tudo – quem começou o alarde. Era Lili, com sua natureza bélica, protestando Internet afora que, para ela, não fazia o menor sentido ser uma pisciana. Alheia ao motivo da revolta da Lili, fui me assuntar. O trem era sério mesmo. Estava até no site da Folha de São Paulo a notícia de que um certo Parke Kunkle anda defendendo a teoria de que, em função das alterações no alinhamento da Terra, as datas de alguns signos do zodíaco como conhecemos mudaram.

O que isso muda na prática – além de ter que se acostumar a ler outro horóscopo no jornal – eu não sei. O fato é que rapidamente formou-se um rebuliço e foi revelado um surpreendente corporativismo astrológico. Arianos indignados; sagitarianos revoltados por agora serem serpentarianos (what the hell is Ophiuchus????); piscianos aos prantos, escorpianos tramando vingança; geminianos amando a ideia, odiando a ideia, amando a ideia, odiando a ideia; librianos na dúvida se a mudança era boa ou ruim. E, nesse último caso, falo por mim, libriana (ou ex-libriana, sei lá) convicta. Porque, vejam bem, como libriana a única certeza que eu tinha na vida era justamente a de que eu era libriana! Agora vem esse Parke Kunkle me confundir.

Que os outros librianos não me leiam e que fique bem claro que eu amo ser de Libra. Mas é que, com essa confusão toda, de repente, sou Virgem! E, vocês hão de concordar, ser Virgem em pleno 2011 é um luxo (Só para constar: o assunto ainda é o zodíaco). Seria maravilhoso se amanhã eu acordasse uma virginiana típica, prática e funcional. Eu organizaria meu guarda-roupas; faria uma planilha semanal para otimizar meu tempo de trabalho; e resolveria todas as minhas neuroses sentimentais como se fossem problemas matemáticos. Perfeito! Ô, seu Kunkle, onde é que eu faço o recall?

Só tem um problema: eu jamais me acostumaria com isso. Demorei anos para aprender a lidar com a mudança do meu ascendente! Explico: minha mãe confundia a hora do meu nascimento com a da minha irmã e eu passei mais de 20 anos achando que meu ascendente era Capricórnio – quando, na realidade, era Aquário. Imagine agora, ter que abrir mão de todas as minhas librianices em troca de um pouquinho de praticidade! Ah não. Não quero. Desisti do recall. Orgulho Libra até o fim. Ainda que isso me custe um coração por dia, na minha balança ninguém tasca!

Comentários

Fernando disse…
Legal seu texto Fernanda... Imagina quanto dinheiro os psiquiatras irão ganhar se mudarem o horoscopo?! Eu li a notícia no Yahoo e lá diz que os babilônios usavam 13 zodíacos, mas alguém resolveu mexer e deu nisso. Depois de milênios surge um cientista dizendo que na verdade são treze e não doze. Para mim é divertido, mas acho que para quem acompanha o horoscopo não é não.
ana disse…
minha mãe sempre errou a hora que eu nasci, meu sangue veio errado na certidão de nascimento, até meu nome, quando meu pai foi registrar, falta um sobrenome... a única coisa que eu sabia era que era ariana, daí vem esse velho e acaba com tudo? NÃO MESMO! eu não sou de peixes mesmo que agora eu seja. e PONTO.

ótima crônica, aliás.
Sá Luz disse…
Como ariana convicta, fiquei indignada com isso! Revoltada tal como vc narrou Lili ter ficado.
Como assim não sou ariana? Então agora vou pensar antes de falar? Não serei mais impulsiva, teimosa, orgulhosa, prática, sincera (demais, se é que me entende) e tantos outros defeitos característicos do meu amado signo? Agora seria sensível, amável e racional? Não, não e não! Mil vezes não!
Como me disse um amigo tão ariano convicto qto eu: Arianos até a morte!

PS: É... só vale a mudança pra quem nasceu a partir de 2009, mas não seria ariana se não dramatizasse, né.

PS2: Já decidiu se seria uma boa essa mudança toda?
Ai Jesus! Será que deixei de ser leonina??

Já fiquei preocupada!

Amei a crônica. Beijo
Jujú disse…
Eu, assim como vc, fiquei confusa! Claro, é da minha natureza libriana!

Mas no impulso decidi que esse cara é um bobão que nada entende, e que nada vai mudar! Mesmo que o que ele disse só valha a partir de 2009, eu continuo não aceitando a mudança!

E estamos juntas, entre trancos e barrancos, prós e contras, eu continuo libriana até morrer! E com muito orgulho e muito amor!

Beijos
Samara disse…
Essa história de um 13o signo é antiga para mim, numa remota aula de geografia um professor já tinha cantado a bola e eu já tinha me preocupado se deixaria assim, sem mais nem menos, de ser psiciana, e eu já sabia que era o próprio signo de peixes personificado. Mas dai ele me garantiu que não, eu ainda seria psiciana. Assim como esse novo zodiaco tb não mudou meu signo, ainda sou peixes, no novo, no velho para todo e sempre. De alguns karmas a gente nunca se livra. Pq ser peixes é padecer no paraíso astral.
Fabiana Yoko disse…
Mesmo com a mudança proposta, sou leonina, no velho e novo zodíaco. Também pudera, se fosse outro, o que eu ia fazer do meu sentimentalismo barato, egocentrismo, da minha efusividade de ser. É não dá pra mudar assim!
Beijo querida!
Fique tranquila, Fernanda. Uma vez Libra, Libra até morrer. :)
Vinicius Machado disse…
Sempre pensei que a minha sogra fosse uma serpentariana mesmo! haha!

Muito boa crônica Fernanda!

Beijos!
E eu continuo sendo capricórnio, demorei muito para deixar de lado a vergonha( por meu signo ter um nome e tudo mais que lembra corno)e assumir meu signo, agora não o troco pelo sagitário, mas nem que a vaca lata!
Vinicius Machado disse…
Putz Laís! Eu sou capricórnio também! E sempre achei um nome muito do maneiro xD!
fernanda disse…
Tá vendo? Tá todo mundo feliz com seus próprios signos (inclusive os capricornianos...hahahaha). precisa mudar nada não...rs
Muito obrigada pelos comentários, gente!
Carla Dias disse…
Muito bom, Fernanda!
Sou escorpião com ascendente em Libra... Sou mais libra que escorpião, então, tô nessa de defender o título de Libra até o fim!
Anônimo disse…
Achei genial seu texto!!!
Formidável, engraçado e ocasionalmente informativo.
E concordo contigo, na NOSSA balança, ninguém trisca!

beijo
B.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …