Pular para o conteúdo principal

LIVRO DE PONTO >> Carla Dias >>


Inspirado no olhar de Lucas Dupin



Navego, mares distantes, lonjuras homogêneas, barcos arfantes sem direito a porto. Tudo o que já disse sobre a vida foi apenas um ensaio, a sombra, o contorno. Não chegou nem mesmo às bordas do seu significado, conforme reza esse meu dicionário de buscas.

Sei que minhas buscas, a você, que na falta de atividade mais acolhedora, permite que seu olhar encare minhas palavras, pouco importam. Então, apresento meus esquetes emocionais, eles sempre tão intrincados, em cenas de filme que você jamais assistirá, senão na tela do meu dentro.

E sem título... Sem rótulo... Sem ficha técnica, apenas vínculo.

Navego os pés na água da piscina, e no destempero do outro, que ao ser contrariado, aperta os dentes, como se mordesse a carne para garantir o alimento ao rebento faminto.

Há tanta fome no mundo. A minha, agora, neste imediatamente, é por adormecer.

E fome matada, enquanto durmo, como raramente encaro o sono, pesadamente, como se fosse uma dormidora profissional, não perco o eco da existência, enquanto ela constrói em terrenos descampados, árvores ziguezagueando e construindo a paisagem, as cores dançando neste sonho como se fossem divindades em seu momento de questionamento. E nessa dança, meu caro, há mais beleza do que se imagina quando, ao se envolver em um naufrágio.

Estou aqui para aprender, mas agora não sei o quê. Não há no semblante das coisas e causas e faltas e tolices e amores perdidos o que me ensine a reconhecer o tema de tal jornada.



Saio à caça do saber o que sequer sei se desejo, ou se algum dia desejarei. Noite pintada de calmaria, algozes saboreando um quase perdão. A luxúria de poder escolher um desfecho que seja. Aprender a abotoar a camisa sem sentir saudade dolente de quem um dia a desabotoou para mim.

Será que desejarei aprender as amarguras a fim de exorcizá-las?

De acordo com a cronologia da minha história, morri quase mil vezes, antes de conceber o fascínio pela vida. E com este nascimento, vieram as doidices que alguém feito eu tem de cometer para sentir o pulso, o sol queimando a pele, pelos eriçados, para perceber as emoções esquadrinhadas no silêncio, assim como o torpor estampado nos quadros dependurados no fim do mundo.

Posso perder a bússola, o endereço, a roupa do corpo, o dinheiro do banco. Porém o rumo, este não preciso perder, porque declaro-me, aqui, neste agora acanhado, porém competente, uma dessas pessoas que sabem como viver o destino, ainda que ele não bata com o desejado, com a leitura das cartas, com o que diz o mapa astral, com as profecias feitas pelas tias em dia de chá da tarde, com os cartões de felicitações, com as previsões do tempo, com as cartas de amor rasgadas, tampouco com o passado embrenhado nas fotografias.

Que venha o destino, com suas mãos equipadas com pedras, e penas, e tapas, e afagos. Eu o espero, enquanto contemplo a vida, meus pés em uma poça d'água, em dia de chuva, enquanto tomo banho na avenida... Ou enquanto tomo sol, sabe-se lá...

Imagens: Lucas Dupin >> http://www.flickr.com/photos/lucasdupin

carladias.com

Comentários

Carla, às quartas-feiras eu bato ponto nas suas palavras. É a única concessão que faço aos relógios de ponto. :)
albir disse…
Que bom te ler, Carla. Sempre.
Carla Dias disse…
Eduardo e Albir... Vocês sempre gentis com as minhas palavras. Beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …