Pular para o conteúdo principal

NÃO EM PÚBLICO! >> Carla Dias >>

Eu não choro em público, ainda que seja para o mirradinho, um espectador, uma única testemunha. Não que nunca tenha acontecido. Às vezes, o choro se solta da gente, aí não tem jeito. Ele precisa ganhar o mundo.

Tenho inveja de quem chora, sem qualquer constrangimento, diante da emoção despertada pelo filme, pela novela, pelo livro, pela canção, pela confissão, pelo outro, pela simples contemplação da possibilidade, sem se importar se está só ou acompanhado.

Não digo que não caio no choro nessas ocasiões, até mesmo em outras. Digo apenas que eu não choro em público, que já estou no estágio avançado de protelar o emaranhar os olhos. Sou quase profissional em evitar o feito.

Mas, definitivamente, eu choro. Não pensem que sou território árido, que em mim o sentimento morre, antes de cruzar a alma e lacrimejar. Apenas choro na distância dos olhares alheios.

Outro dia, liguei para um amigo, e duas palavras depois da minha pergunta, “tudo bem?”, ele começou a falar de um jeito, sabe? Quando as palavras não saem no som certo, parecem resmungos dolentes, e o ouvinte quer escutar direitinho, mas é tão difícil. Até que ele caiu num choro... Chorou um tanto, essa pessoa que eu nunca vira chorar antes, chorou e chorou, e depois pediu desculpas, e eu as rebati com um agradecimento, por ele ter me confidenciado seu choro.

Chorar, para mim, é coisa séria, mesmo ao se chorar de alegria. Mário Quintana diz e me resume: “Trago-te palavras, apenas... e que estão escritas do lado de fora do papel...”. Não choro em público, mas registro o significado do choro contido em palavras escritas, poetizo as suas nuances. Não desprezo ou renego o choro compartilhado, quase o contrário: admiro quem o faz e sai de tal episódio inteiro.

Porque, quando choro, eu me despedaço no sentimento, e não importa se o choro é miúdo ou dos soluços. Choro na companhia de mim e de ninguém mais.

Invejo quem chora em público, abraçando o tempo do choro. São os que, depois, conseguem certo alívio. Invejo o alívio no momento em que ele cabe, não como transcrição do que seria.

E eu estico meu choro até a fronha do travesseiro, porque não choro em público, mas choro, isso é certo.

carladias.com

Comentários

fernanda disse…
Quando eu era criança, na minha casa era proibido chorar. regra esdrúxula do meu pai que nunca soube lidar com choro. Então eu já caí de bicicleta, cortei a perna toda com caco de vidro, arrebentei a cabeça num muro sem derramar meia lágrima que fosse. Mas dps que eu cresci e descobri que o choro era meu e eu podia fazer com ele o que eu quisesse, liberei geral. Estou para conhecer alguém que chore mais despudoradamente do que eu. Inclusive, hoje, na frente do meu pai. Mas choro escondida também. No travesseiro - quando quero me esconder dos outros. E no chuveiro - quando quero esconder de mim (as lágrimas acabam se misturando com a água). De criança sem choro virei uma adulta que chora bem em todas as categorias...rs
Ótimo texto, Carla.
Belíssimo texto,Carla. Eu não chorava, hoje choro até em propaganda de sabão em pó. rs

Nem sei se a mudança foi pra melhor, porque às vezes o choro é inconveniente.

Obrigada por dividir

Beijo
Anônimo disse…
Oi,
nunca me vi tanto em um texto como no seu, não estou sozinha e nem sou sem coração como acham algumas pessoas incluindo minha mãe.


Obrigada
albir disse…
Não me importo de não ver suas lágrimas, Carla, desde que possa lê-las. Parabéns por mais um texto admirável.
Marilza disse…
Carla, como sempre amei seu texto!
"Choro na companhia de mim e de ninguém mais"...é isso. Não me disseram pra prender o choro, mas me fizeram ver que seria o melhor a fazer. Ainda hoje, seguro, sufoco tanto que sinto dor. E me emociono com aqueles que despudoradamente choram..E eu me permito sim chorar, no chuveiro, na fronha do meu travesseiro, ouvindo uma musica, vendo um filme. Aos poucos eu chego lá. Esticando as minhas lágrimas para q elas se tornem públicas.
Carla Dias disse…
Fernanda... Que bom que da proibição nasceu a aceitação. Ser uma ‘adulta que chora bem em todas as categorias’ não é para qualquer um! Mas o engraçado, Fernanda, é que a minha família é dura na queda, mas chorona. Ainda assim, em público eu não sei chorar.

Fernanda Gonçalves... Acho que a mudança foi pra melhor. Pense bem... Se água é bom pra tudo, porque não seria para despencar durante propagandas de sabão em pó? Enfim, que seu choro seja, sempre que possível, de felicidade.
Beijos!

Anônimo... As pessoas acham tantas coisas da gente... E a gente acha um tanto de coisas das outras pessoas. O bom é poder achar sem julgar. É difícil, mas pode ser.
Obrigada a você por ter me lido.

Albir... Minhas lágrimas sempre estarão à disposição para serem lidas : )

Marilza... Fico feliz por você ter gostado do meu texto! E vamos lá, firmes e fortes, corajosas até, aprendendo a libertar nossas lágrimas. Sou partidária de montarmos um palanque no meio da cidade, de qualquer cidade, de todas as cidades, e chorarmos, todos nós os desaprendidos dessa arte, a chorar em público. A tornar as nossas lágrimas públicas.
Beijos!
Carla, quando te leio, tenho a tão clara sensação de que já nos conhecemos sem nunca termos nos visto.:)
Carla Dias disse…
Marisa... Acho que essa sensação é das melhores quando lemos algo que nos pega de jeito. Enfim, só me resta agradecer por nos conhecermos.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …