Pular para o conteúdo principal

ARTE QUE IMITA VIDA [Debora Bottcher]

Houve um tempo, quando eu era uma simples estudante, que eu não perdia um capítulo de uma novela - geralmente, a das seis. Protagonistas como Malu Mader e Maitê Proença eram minhas referências femininas.

Mais tarde, quando comecei a trabalhar e estudar, deixei as novelas de lado e não acompanhava nem quando tinha algum tempo livre.

Já adulta e casada, passei a ver as novelas das nove (antes chamadas 'das oito') por pura conveniência: aqui em casa, janta-se entre o Jornal Nacional e o começo da novela, e como a sala de jantar é uma extensão da sala de TV, a gente vai seguindo o olhar pela programação, num movimento que é automático. Claro que não nos prendemos a acompanhar diariamente - não é aquilo de 'só sai depois da novela' - mas posso dizer que é uma programação, digamos, regular na casa e é inevitável, então, se 'conectar' a uma história fictícia, emocionar-se, discutir, questionar os rumos das tramas.

Há alguns anos, o autor Silvio de Abreu declarou numa entrevista que se a gente assistir com atenção aos primeiros capítulos, sabe o desenrolar da história inteira. A partir disso, tenho tomado o cuidado de não ver a primeira semana pra não me 'contaminar' e perder as surpresas, porque me dei conta de que nas entrelinhas dos primeiros diálogos e movimentos, dá pra decifrar até o final mais surpreendente que um autor pode criar.

Isso não é uma questão de genialidade: é que a arte vive de imitar a vida e, como eu digo sempre, todas as histórias de amor são iguais. E acho que podemos incluir também as de dor, de trapaça, de traição. As histórias entre irmãos/irmãs rivais - que se repetem em filhos, às vezes até em netos de uma geração -, as histórias de pessoas interesseiras, as histórias de pessoas simples que querem viver dias de glamour, as de violência, as de falhas de caráter, enfim: você se depara, nas telas, com nada mais do que o cotidiano, retratado de um jeito mais ou menos irreverente, picante, transgressor, mas o dia-a-dia cru e nu em forma de entretenimento.

Essa nova novela (Insensato Coração) começou muito antes de começar - com a desistência de Fábio Assunção e Ana Paula Arósio, o vilão e a mocinha. Ninguém sabe por que Arósio declinou, mas quando você vê a carga densa do personagem Léo - que ficou para Gabriel Braga Nunes - fica claro o motivo de Fabio, por sua recente história de vida.

Mas o mais curioso é ver Paola Oliveira na pele da protagonista Marina: ano passado, especula-se que seu atual namorado terminou o casamento durante a lua-de-mel com outra atriz para viver um amor com ela - que perdura desde então. Questionada recentemente - inevitável a semelhança - declarou, entre irritada e aborrecida, que 'não, não roubou o marido de ninguém!'

Pessoalmente, acredito - até porque, como na vida real, o que se vê na ficção é que um amor arrebatador não pode ser controlado. Coincidência difícil de driblar é viver a própria história duas vezes - esperando que, nos dois casos, o final seja feliz...

Comentários

fernanda disse…
Quando eu vi a chamada de Insensato Coração a primeira coisa que me veio à cabeça foi essa história da Paola. Irônico, no mínimo. A diferença é que, na novela, o final feliz é garantido, né?
É, Débora, "a vida é amiga da arte", e essa dupla costuma fazer travessuras em suas brincadeiras de amizade. :)
Carla Dias disse…
Ah, Débora, acho que só muda mesmo a forma como lidamos com as armadilhas da vida.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …