Pular para o conteúdo principal

VIDA É JOGO >> Eduardo Loureiro Jr

Tem gente que acha que a vida deveria ter manual.
Ela tem. A vida tem manual. Mas quem lê manuais?

Tem gente que reclama de injustiça.
Não há injustiça: está tudo previsto no manual.

Fica mais fácil se pensarmos a vida como um jogo. O manual são as regras.

Depois de uma breve introdução, que coloca o jogador na temática do jogo — Sol, Lua, estrelas, fogo, ar, terra, água, pedras, plantas, bichos, gente —, as regras indicam o objetivo do jogo, ou seja, a forma como o jogo acaba. Há que se começar pelo fim para que a coisa tenha sentido. O jogo — a vida — acaba quando o objetivo é atingido — embora sempre tenha algum jogador impaciente que resolva encerrar o jogo no meio, cometendo suicídio. São pessimistas os suicidas: o jogo nem acabou e eles acham que vão perder. Ou simplesmente ficaram entendiados — sem motivo, claro, porque o que não falta nesse jogo é animação. Mas, a se acreditar em reencarnação, os suicidas terão a chance de disputar novas partidas.

Para que o jogo acabe, é preciso que se cumpra o objetivo, mas não necessariamente o seu objetivo individual. O jogo acaba quando um dos jogadores, o vencedor, cumpre o objetivo. Os demais jogadores têm seu jogo encerrado por tabela. Tem gente que morre porque quer, digamos assim: cumpriu o que tinha de cumprir, fez o que tinha pra fazer, chegou onde tinha de chegar. Game over. Tem gente que morre antes de chegar lá, com aquela sensação de que ainda tinha algo por fazer, tarefas por cumprir. Jogo encerrado do mesmo jeito. Mas a vida é um jogo bem elaborado, de dinâmica bem definida: é possível o jogo acabar e todos os jogadores estarem satisfeitos: deram o melhor de si, tudo que podiam dar, só precisava que alguém atingisse o objetivo e encerrasse o jogo.

A vida é um jogo com 6.893.885.198 jogadores, e tem mais gente entrando no jogo a cada momento. Agora já são 6.893.885.328. Cento e trinta novos jogadores em poucos segundos. Existe o grande jogo, disputado no grande tabuleiro, a Terra. E existem os pequenos jogos dentro do jogo, acontecendo aqui, aí, por acolá. Quem joga sabe que jogar é bom, mas às vezes arranha. O jogo é uma excelente maneira de trazer à tona nossas manias, medos, neuroses. Numa mesa de jogo, junto com as cartas e o peões, revelam-se e movimentam-se também a desconfiança, a trapaça, a vingança, a dissimulação, a vitimização... Assim como também aparecem a inteligência, a paciência, a vontade de aprender, a flexibilidade, a diplomacia, o companheirismo, a diversão...

Quando acontece uma enchente como essa do Rio de Janeiro, é difícil pensar no assunto com calma, mas, na verdade, resumindo bem, um grande jogo, de centenas de jogadores, está se encerrando. Não sejamos mal perdedores. Se acabou, é porque o objetivo foi atingido.  "Porque a cabeça da gente é uma só, e as coisas que há e que estão para haver são demais de muitas, muito maiores diferentes, e a gente tem de necessitar de aumentar a cabeça, para o total. Todos os sucedidos acontecendo, o sentir forte da gente - o que produz os ventos", já dizia a Rosa em forma de Guimarães. Há que se aumentar a cabeça para compreender o objetivo que foi atingido no Rio.

Tem gente que vai dizer que o jogo não deveria ter acabado assim, que foi como se um vândalo chegasse e baldeasse a mesa de jogo, depois jogasse tudo no chão.

Injustiça?

Depende do tamanho da cabeça de cada um. Assim como é possível que todos os jogadores saiam satisfeitos de uma partida, também é possível que todos se sintam incomodados, insatisfeitos com a mesa que se formou, com a estratégia que se planejou, com o clima que rolou entre os participantes.

Outras partidas estão sendo disputadas — aqui, aí, acolá — com as mesmas peças — água, terra, construções — e é melhor a gente ver se está fazendo o que tem que fazer, cumprindo o que tem que cumprir, dando o que tem que dar para que a gente chegue onde tem que chegar. Para que as próximas partidas não terminem em choro e chateação, mas em risos e alegria.

Dê um jeito de conseguir uma cópia do manual da vida, entenda as regras direitinho e vamos aprender nos divertindo.

Comentários

Anônimo disse…
Excelente!
Eu tô precisando achar esse manual... Bjim!
Perfeito, Eduardo!
Quantas tragédias se repetem e quanto sofrimento passamos...
Acho que nesse manual, que a gente insiste em não ler, está em letras garrafais: "a natureza possui privilégios e deve ser respeitada".
albir disse…
A questão, Edu, é que não queremos manual que venha com a vida. Queremos escrever um manual para que o jogo o siga.
Fernanda disse…
e depois querem jogar a culpa na sábia natureza, tsc...

excelente reflexão Edu!

bjs
Anônimo, quando achar o manual, avisa. :)

Já deu uma folheada no manual né, Marisa?

Albir, então mãos à obra. :)

É, Fernanda, culpa não fica bem em ninguém, quanto mais na natureza.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …