Pular para o conteúdo principal

TALENTO NOS DEDOS
>> Albir José Inácio da Silva

O leitor deve estar pensando em pianista, flautista, violonista ou qualquer outro artista que use as mãos para encantar a humanidade. Mas não é bem isso.

Em certo momento da minha vida, da minha adolescência pra ser mais preciso, eu aprendi datilografia. Não sei até quando se vai saber, mas hoje ainda se sabe o que é isso. O teclado da máquina de escrever está contido no do computador, bastando expurgar deste dezenas de teclas que naquela época não teriam nenhum significado. Saber datilografia dava um status que não pode ser comparado ao conhecimento de informática de agora. Digitar todo mundo sabe. O computador está nas casas, nos quartos das crianças, nas salas de aula, nas mesas de bar e no colo das pessoas em ônibus, trens e aviões.

Datilografar significava ser especial. E mesmo os que sabiam datilografia não eram todos iguais. Media-se o datilógrafo por toques — toques por minuto. Eram respeitados os que conseguiam cento e oitenta, duzentos, duzentos e vinte toques por minuto. Dos maus datilógrafos, dizia-se que catavam milho.

Eu catei milho por muito tempo até que, envergonhado e com muito esforço, cheguei aos cento e oitenta toques. Poucas coisas fizeram tão bem a minha alma. Eu não era datilógrafo nem havia muita coisa para datilografar no meu trabalho, mas eu inventava as oportunidades de mostrar a minha técnica. Técnica não, o meu talento de cento e oitenta toques.

Claro que isso foi de alguma utilidade. Os empregos mais cobiçados da época — multinacionais, empresas públicas e de economia mista — usavam a datilografia como prova de corte. Só os aprovados nessa “arte” estavam aptos a continuar no certame. A maioria dos aprovados, entretanto, depois da posse, jamais voltaria a se sentar na frente de uma máquina.

O mau uso do computador ainda não me atingiu suficientemente os brios para que eu redobre os esforços e melhore a técnica. E os estudos de datilografia não têm hoje qualquer utilidade. Mas confesso que tenho de disfarçar o orgulho quando ouço: “ele digita com todos os dedos!”. Não sei se as pessoas aprendem isso nos cursos de informática, mas só quem estudou datilografia sabe o verdadeiro significado da expressão: com todos os dedos.

Acho que hoje o que eu faço é datilografar no computador. Viu como foi melhor que essa crônica não fosse sobre música? Eu acabaria batucando no piano.

Comentários

Albir, o curso mais importante que já fiz, do ponto de vista daquilo que aprendi, e considerando inclusive graduação, mestrado e doutorado, foi o curso de datilografia. Não digito com TODOS os dedos porque, no teclado apertado do computador, é mais prático "repetir" alguns dedos, mas fico sempre muito feliz comigo mesmo quando digito rapidamente (embora nunca tenha feito a contagem de toques) e sem olhar para o teclado. :)
Ah, Albir... encontrei um teste de datilografia aqui: http://www.fabiog.com.br/entretenimento/TesteDigitacao/
Fiz 257 por minuto. :)
fernanda disse…
Quando eu era criança eu era doida pra fazer aula de datilografia. Devia ter feito, pois sou uma catadora de milho até pra digitar. Embora eu digite o dia todo, só sei fazer usando um dedo de cada mão...rs
Juliêta Barbosa disse…
Albir,

E, quem disse que você não falou de música?

Existe maior encanto que aquele que as palavras nos trazem?

Com todos os dedos você musicou as letras de um passado que me traz boas lembranças. Obrigada!
Nossa, Albir! Agora você me fez sentir saudades do tempo que eu saía da escola e ia pro curso de datilografia. A gente revela a idade assim, né? :) Bjs
albir disse…
Edu,
vou fazer o teste. Mas me confesso preocupado com o resultado.rs...

Fernanda,
não se preocupe, sua escrita não se ressente da falta de dedos.

Julieta,
você é que é musical.

Marisa,
tempo bom, né? Bjs.
Carla Dias disse…
Muito bacana, Albir!
Eu sofri horrores datilografando, sou autodidata nessa área. Não funcionou muito bem, e não teclo com todos os dedos. Deve ser não apenas musical, mas digno de se apreciar a coreografia dos dedos.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …