Pular para o conteúdo principal

DE BEM COM A VIDA >> Carla Dias >>


Em 1995, meses antes de me mudar de Santo André para a capital de São Paulo, decidi colaborar com uma instituição dedicada a ajudar portadores do vírus HIV. A vontade veio depois de me lembrar de quando minha mãe, na época atendente em um hospital, ajudava um casal portador do vírus, que vivia no mesmo bairro. Ajudava com a medicação e também com a atenção, porque ninguém queria sequer dirigir a palavra a eles.

Com um pouco de pesquisa, rapidamente soube de uma ONG na minha cidade e fui visitar o lugar. Iniciou-se ali uma colaboração de presença que, infelizmente, foi breve, pois meses depois eu me mudei, no susto, para São Paulo. Mas continuei a colaborar de outras formas, criando o site deles, produzindo um show beneficente... Não foi o suficiente (nunca o é!), mas sim o possível para a época.

Lembro-me do dia em que visitei esta ONG... Havia uma mulher, muito jovem, acompanhada de uma criança. Elas eram lindas, a menina era uma graça, sorridente, feliz. A pessoa que me acompanhava pela modesta casa que servia de base para a ONG me contou que se tratava de mãe e filha, e que ambas eram portadoras do vírus HIV.

Ela também me falou sobre a dificuldade em convencer a família de um portador do vírus a não apenas aceitá-lo, mas a ajudá-lo a manter o tratamento. Falo de 15 anos atrás, quando ainda não tínhamos acesso à informação como temos hoje, quando falar de AIDS quase sempre era encarado como atrevimento, não como o que de fato era: esclarecimento.

Hoje é o Dia Mundial de Luta Contra a AIDS. Atualmente, com o avanço da medicina, é possível que pessoas soropositivas levem uma vida normal. Porém, ainda se trata de uma doença sem cura. O fato de haver um tratamento que prolongue a expectativa de vida do soropositivo, e de a porcentagem de infectados ter diminuído, não significa que não haja contaminação.

Os jovens, que não presenciaram a descoberta da doença, quando ainda não se sabia como e por que um indivíduo era infectado, não têm a noção da importância do ‘informar para prevenir’. Se há remédio, a maioria prefere correr o risco, mas não se trata de uma dor de cabeça. Um comprimido não resolverá o problema.

Sabemos que há diversas formas de se contrair o vírus HIV, assim como sabemos que a AIDS não escolhe, diferente do que se pensava, a princípio, classe social, gênero, idade. Todos nós estamos sujeitos a ela.

Na segunda-feira, eu li no suplemente Folhateen, do jornal Folha de São Paulo, uma matéria sobre jovens soropositivos. A matéria informa que, entre 1991 e 2009, o índice de infectados por HIV aumentou 53% na faixa etária de 13 a 19 anos. A geração da informação disponível, da tecnologia de ponta, das possibilidades, também é a geração que inicia sua jornada sexual muito cedo, assim como experimenta drogas com mais facilidade. É preciso conscientizar os jovens de que também eles estão à mercê de contrair o vírus se não se cuidarem.

Cuidar de si deveria ser o primeiro item da lista da existência de uma pessoa. Como seres humanos que somos, sabemos que falhamos muito neste quesito. Ainda assim, é preciso que olhemos por nós mesmos, e com carinho, e que mostremos aos nossos jovens que a vida é muito mais do que uma boa transa ou uma viagem proporcionada por drogas. Ela é mais e melhor, apesar de todos os tombos.

Muna-se de informações e desejo de levar a vida com saúde: www.aids.gov.br.

E não se deixe levar pelo preconceito... Uma pessoa que vive com AIDS, vive.

carladias.com


Comentários

Importantíssimo lembrete, Carla.
Carla, vc sempre enriquece o Crônica, seja de arte ou de informações importantes.
albir disse…
Muito importante, Carla, muito bem lembrado. Fazemos coro.
Carla Dias disse…
Eduardo, Marisa e Albir... Obrigada por ler minhas importâncias.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …