Pular para o conteúdo principal

O SILÊNCIO >> Fernanda Pinho


Nem o corpo da Gisele, nem a conta bancária do Eike, nem um amor de cinema. O que desejo a mim e a vocês é que em 2011 tenhamos mais chances de ouvir o silêncio.

Não quero ouvir jornalistas solenes anunciando tragédias naturais. Nem jornalistas infames anunciando o último divórcio do mundo artístico. Não quero ouvir lamentos sobre o que já não se pode mais mudar. Nem reclamações vazias de atitudes sobre o que ainda pode ser mudado. Não quero ouvir fofoca sobre meus conhecidos. Nem conversa de elevador dos meus desconhecidos. Não quero ouvir a opinião de quem não sabe o que diz. Nem de quem acha que sabe demais o que diz. Não quero que me chamem de linda se não estiver disposto a fazer isso por, no mínimo, dez anos. Nem que me chamem de louca quando cansarem de dizer "linda". Não quero ouvir atendente de telemarketing tentando me convencer a adquirir o maior benefício do cartão. Nem ouvir aquela musiquinha insuportável quando eu ligar para o SAC do cartão. Não quero ouvir desculpas esfarrapadas de gente sem coragem. Nem mentira de gente que supõe que eu realmente me abalaria com a verdade. Não quero ouvir cliente desmarcando a reunião. Nem entrevistado aplicando o velho golpe do "não recebi seu e-mail". Não quero ouvir ninguém me dizendo que não vai dar certo. Nem horóscopo me avisando que hoje não é um bom dia. Não quero ouvir música ruim no rádio. Nem discurso falacioso de político na televisão. Não quero ouvir elogios com segundas intenções. Nem insultos, quando faltarem os argumentos. Não quero ouvir ninguém xingando palavrão na rua. Nem ouvir motivos que me levem a proferir meus próprios palavrões.

Choro, só se for de alegria. Riso, só se for de verdade. Que ouçamos apenas o que for bom. Quando não for, o silêncio.

Foto: http://www.sxc.hu/
http://www.blogdaferdi.blogspot.com/

Comentários

Quero um monte de coisas dessa lista aí. Especialmente o primeiro parágrafo.

E eu posso dizer que suas crônicas são lindas e posso repetir isso por dez anos, desde que você continue escrevendo.
É inspiração que não acaba mais. Você nunca será um silêncio na minha vida simplemente porque é a melhor amiga que se pode ter. De você eu quero muito barulho cheio de vida e cor. Que venha 2011 com muitas crônicas, livros, contos, poesias, novelas e principalmente, um romance best seller pra você. Te amo minha querida.
albir disse…
Como canta Elis: "Eu quero o silêncio das línguas cansadas/Eu quero a esperança de óculos/Meu filho de cuca legal..."
Cleia disse…
Fernanda!!! Encontrei em tuas palavras os meus mais profundos desejos. Obrigada por materializar, de forma poética, meu novo mantra. Abraços e muita paz em nosso silêncio...
Cyntia Emanuela disse…
Parabéns Fernanda !
Desde que você começou a escrever no crônica do dia, não te larguei mais. Te acompanho por aqui e no seu blog.
Desejo a Você um Feliz 2011 .
vanessa cony disse…
Fernanda,gostaria de comentar seus textos também lá no seu blog!!
Vc é ótima.Quanto ao silêncio,tenho certeza que é inspirador e necessário.
Feliz 2011.Bom descanço.
Vinicius Machado disse…
Assino em baixo. Chega né?

Mas por mais que seja aterrorador ver tudo que vemos diante da TV, ou ao vivo em alguns casos, não aprendemos. Pessoas continuam invadindo terrenos, nosso querido governo continua não dando opção à elas. Empresas mercenárias continuam a sanear esses lugares, mesmo eles sendo impróprios para o convívio.
Também quero chorar, mas só de alegria esse ano.

Bola pra frente galera =D
Feliz ano novo a todos vocês!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …