Pular para o conteúdo principal

O MICO DO ANO-NOVO >> Kika Coutinho

Todo ano, a mesma coisa. Lá pra outubro começam as ofertas: “Passe o réveillon pulando as sete ondas! Cinco dias por R$4.958,00!”. Ou: “Imperdível, curta seu ano novo na Europa!” Eu paro de ler antes de chegar nos números. Chega a ser ridículo. O hotel que fica vazio o ano todo, se oferecendo via sites de compras coletivas que saltam a todo instante na net, no réveillon, não aceita menos do que um pacote por dez dias. Se conseguir fechar cinco dias, deu sorte. Muita sorte. Claro, isso se não contarmos a muvuca da praia. Pular sete ondas, sim, e pular também sete rosas brancas, um barco com mandinga, doze latinhas de cerveja. “Viraram uma caçamba de lixo aqui?”, pergunta um, tentando escapar de pisar em um caco de vidro, da garrafa de champagne que o vizinho, tão simpático, largou no chão logo após desejar muita saúde e sucesso. Sei, sei... "Segura as crianças, cuidado, tem gente estourando rojão aqui, que irresponsabilidade”, murmura outro, que derrama vinho no vestido branco da namorada. “Opa, tá um bucado cheio aqui hein?. Ô. Isso porque custava milão por dia, baratchynho." Ano que vem vou passar no campo, deve ser muito melhor.
Claro, o campo! Um hotel fazenda é tão aconchegante, piscina, calma, monitores para as crianças, uma delícia. E o preço não é tão exorbitante, se pensarmos que já vem com a ceia. A ceia, que deveria ser a melhor parte, parece até agradável a princípio. Mas é só chegar mais perto para ver que as toalhas brancas das mesas têm uma ou outra mancha. “Bobagem”, você pensa enquanto pega mais um amendoim. Logo entra a banda e, aí, é hora de repensar se foi barato mesmo. O senhor de gravata borboleta que cantarola “Adeus ano velho, feliz ano novo” não vale aquele dinheiro. E, pensando bem, qual é o sentido de rodopiar numa pista de dança ao som de músicas estranhas, com pessoas estranhas – que você nunca viu - enquanto crianças dormem em duas cadeiras emendadas e os velhinhos se acabam no champagne? Não, definitivamente não foi barato.

Uma outra saída é ficar em SP, no Rio, ou onde quer que você viva. Vá curtir o réveillon na praia, ver os fogos da Paulista e volte rezando para que não seja verdade que a gente repete o ano todo as sensações dos primeiros minutos do dia primeiro. Não, por favor, não.

Se você tiver muito dinheiro, pode até ir pra Europa. Ou pros States. Daí passa congelando, em cima de uma ponte qualquer com outras milhares de pessoas bêbadas, que, como você, não veem a hora de estar em baixo das próprias cobertas. E você jura que, ano que vem, vai ser diferente. Não vai pagar mico no ano novo, passar todo encapotado, mãos tremendo de frio, que idiotice. Ano que vem vai fazer alguma coisa bacana, vai ter uma noite excelente, no calor, no quentinho.. Vai. Vai sim. Quem sabe na praia, pulando as sete ondas.

www.embuchada.blogspot.com

Comentários

Anônimo disse…
olá,gostei muito do seu blog...parabéns,muito bem escrito.
bj

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …