Pular para o conteúdo principal

CENA PARA SEMPRE >> Fernanda Pinho





Todas as lembranças que tenho da minha infância são feitas de flashes de momentos que me marcaram. É como se minha memória fosse um álbum onde coleciono essas cenas. Talvez seja assim com todos. Não sei. A cena que vou narrar agora é, sem dúvidas, uma das imagens maiores e mais nítidas desse meu álbum tamanho o impacto dela em minha vida.

Era domingo. Eu, com dez anos, minha irmã, com cinco. Nós duas e minha mãe estávamos chegando da igreja. Minha irmã e eu vestidas de anjo. Era maio e, como era tradição entre as meninas do bairro, havíamos participado da coroação à imagem de Nossa Senhora. Eu estava feliz e orgulhosa pois, depois de anos sendo um anjo-figurante, havia, finalmente, chegado ao topo da minha carreira angelical: coloquei a coroa na imagem. Ao pisarmos no portão de casa, voamos (quase literalmente) ao encontro do meu pai para lhe contar sobre nossa divina atuação na igreja. Ele estava sentado à mesa de ardósia, a cabeça entre as mãos. Chamamos por ele e recebemos em troca um olhar diferente. Para mim, era um olhar novo. Mesmo assim, eu sabia, havia dor ali. "O que aconteceu?", minha mãe se apressou em perguntar em busca de uma resposta que espantasse o mau presságio que aquele olhar trazia. Certamente ela temia que meu pai tivesse uma má notícia para nos dar. Uma morte na nossa família, talvez. Não era isso. Não era bem isso. Mas, nem de longe, a notícia dada nos aliviou. Ele apenas confirmou o que temíamos. Havia acontecido uma tragédia. Acostumado a falar sempre em voz alta, meu pai quase murmurou: "O Senna morreu".

Ele deve ter explicado à minha mãe sobre como tudo aconteceu. Mas dessa parte já não me lembro mais. A cena seguinte que tenho em minha memória sou eu, sentada na mesma mesa de ardósia, vestida de anjo, aos prantos. Me lembro também de pegar uma revista Caras que, meses antes, havia publicado várias fotos do Senna com a namorada, Adriane Galisteu, e ficar olhando aquelas fotos. Incrédula. Eu era apenas uma menina de dez e nada entendia de Fórmula 1. E, mesmo hoje, sendo uma mulher de 27, continuo sem entender. Mas tem certas que coisas que só precisamos sentir. E eu sentia uma imensa alegria a cada vez que o Senna erguia a bandeira do Brasil no pódio. Por isso, pela primeira vez na vida, eu me sentia inconformada e indignada diante da morte.

Dezesseis anos depois, essa sequência de memórias voltou à tona com riqueza de detalhes, enquanto eu assistia ao documentário Senna, que está em cartaz há algumas semanas. Chorei copiosamente no cinema, como a menina vestida de anjo, na mesa de ardósia. Mas, dessa vez, não era só tristeza, inconformismo e indignação. Era também orgulho por lembrar que houve um tempo em que existia um brasileiro que lutava pelos seus valores e pelas suas convicções sem sucumbir à politicagem das escuderias. Senti também uma vontade - e por que não dizer: coragem - de ir atrás das coisas que eu sonho pra mim. Porque ele acreditou no seu sonho e motivou os brasileiros a acreditarem cada um no seu. Porque ele era Senna, mas também era da Silva. E, claro, não consegui evitar a apreensão, à medida que o filme transcorria e nos aproximávamos do fatídico 1994. Um desejo onírico de fazer o filme parar, de voltar a fita, de ir lá e dizer: "Precisa correr mais não, Senna. O Brasil já está satisfeito". Mas o filme era da vida real e a vida real, como já se sabe, tem dessas coisas.

Todas as formas com que este filme e este homem me marcaram - e, claro, a milhares de pessoas no mundo todo - podem ser resumidas em uma frase do documentário, dita por uma mulher, durante o funeral de Senna: "Um país precisa de educação, saúde e um pouco de alegria. O Brasil tinha um pouco de alegria. Agora nós perdemos". Senna para sempre.

http://www.blogdaferdi.blogspot.com/

Comentários

Fernanda disse…
sempre me emociono quando lembro do Senna e vejo ou leio algo a seu respeito... seu texto me emocionou, arrepiei do inicio ao fim. Senna foi o cara! Incrivel o carisma dessa figura eternizada em nossos corações. Eu tinha 14 e lembro de estar sozinha em casa naquele domingo... chorei por horas e horas, de soluçar. O mundo parou pra chorar a morte do querido Senna.
Fernanda, me emocionei ao ler seu texto e ao ver o trailer do filme (http://www.youtube.com/watch?v=N70aoG5Lh40). Agora preciso me emocionar no cinema. :)
Fernanda, eu era um bocado de anos mais velha que você, mas fiquei muito triste quando tudo aconteceu e hoje se texto me fez reviver tudo. Estou emocionada..
Eu me lembro de tudo também. Fui à escola na segunda-feira com uma fita preta amarrada na mochila e os olhos inchados. Senna tem S de saudade.
Jujú disse…
Que lindo amiga...

Acho que vc falou o que está guardado em nossos corações, em nossa memória há tanto tempo, desde aquela curva fatídica, no dia do trabalhador!

Eu era um pouco mais velha que vc, tinha 13 anos e assistia a corrida. Pra mim era um ritual familiar ver a corrida! Depois desse dia nunca mais vi, nunca mais torci...mal consigo ouvir o barulho dos carros que me enjoa!

Quero muito ver esse filme, mas já vou sem make-up porque sei que vou chorar feito criança! De novo!
fernanda disse…
É, gente, não deixem de ver. Dá uma dorzinha no coração, mas vale a pena. Beijos e muito obrigada.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …