Pular para o conteúdo principal

RISÍVEL >> Carla Dias >>

Parece-me que a alma escapou do corpo e foi dar uma volta, permitindo que sua carcaça permaneça estacada no chão, representando tudo aquilo que a alma nunca quis se tornar. Apego-me à lonjura do corpo e do espírito, como se fossem dois universos distintos, cada qual caminhando em seu ritmo. Cada qual um olhar.

A mulher se diz indignada com o despreparo dos funcionários para atendê-la, afinal, o chá da tarde é importante de um jeito que subalterno algum deveria rasurá-lo. Benze-se, então, como se Deus estivesse envolvido na sua rixa particular, como se o chá fosse o antídoto para sua vida infeliz.

Aquecer-se com o chá da tarde é o que a faz esquecer que despreparada é ela, mas para a liberdade. Por isso vive à sombra de um homem que chama marido e que mal a encara, procurando sempre algo ou alguém melhor que o distraia daquela mulher que, sabe-se lá o motivo, faz parte da sua vida.

Enquanto sorri um sorriso desbotado, ele lança um olhar indignado à mulher do chá da tarde, a quem tem por mãe há quase quarenta anos. Envergonha-se da fraqueza da mulher que o colocou no mundo, falsifica o afeto que a ela oferece, porque, lá no fundo, todos percebem que ele faz de tudo para não estar no mesmo recinto que ela, que ele a despreza.

Escorrego o olhar para além da janela. Lá fora chove, chuvinha, garoa boa, das que acompanham caminhadas existenciais. E me bate uma vontade imensa de sair andando, sem destino, sem pressa, titular do abandono desse papel que represento em um lugar ao qual jamais pertenci.

A mulher bebe um gole de chá, queima a língua, faz escândalo, exige que o garçom seja despedido. O dono do estabelecimento, amigo de infância a quem a mulher não mais reconhece como tal, sorri um sorriso compreensivo, de quem sabe do que amargou aquela a quem sempre ofereceu benquerença. Diz que não dispensará seu funcionário, porque ele mesmo, o dono, o chefe da tribo, foi responsável pela feitura do chá dela... Como tem sido desde que ela decidiu ser a pessoa que se tornou.

A mulher levanta o olhar, encara o ex-amigo como se ele fosse um inimigo, alertando para que nada nela seja resquício da pessoa que, em algum momento, o quis bem, de quem ela foi ao lado dele. Ele percebe, mas não fecha o sorriso, não se desfaz do carinho que tem por ela, não se despe do sentimento. E o marido bufa, o filho resmunga, ambos preocupados somente com o que pensam e sentem, sem dar mérito algum ao que a consome.

Vejo ali uma fagulha de vida, enquanto o amigo, ainda curvado para que a mulher o veja e escute, enfrenta a teimosia dela em ser completamente vil, e o desprezo ensaiado com qual ela o trata.

Debruço sobre a minha mesa, gerando uma proximidade mínima, mas importante, e os observo, enquanto os homens presentes continuam a se distraírem consigo mesmos.

O amigo da mulher endireita o corpo, e então acena com a cabeça, retirando-se, enquanto arrasta consigo um fardo de tristeza. Imagino o que há entre eles e está invisível ao marido e ao filho. O que eles não enxergam, mas o amigo insiste em acreditar na existência? Por que não há curiosidade entre eles?

A mulher baixa o olhar e pega a xícara de chá, bebendo o líquido com delicadeza que não demonstrara em qualquer outro momento. Eu me aprumo ao perceber o despercebido pelos distraídos egocêntricos... Há ali uma declaração de amor, a cada gole, a cada insinuação de prazer ao sorver o gosto do afeto.

Voltei ao lugar outras vezes, mesmo dia e horário. Marido e filho acompanhavam a mulher, sempre com cara de quem está de mal com a vida. E a cena se repetia... Se não era o chá quente, era alguma sujeira na xícara, no pires, na colher, no guardanapo; algum insulto silencioso do funcionário, motivos que se repetiam, posteriormente. Havia sempre algo que trazia à mesa dela aquele homem de sorriso sincero, que explicava que todos ali a atendiam com todo respeito que uma pessoa merece, e que ele mesmo preparava o chá dela.

Então, houve esse dia, quando o marido e o filho não vieram com ela. Até mesmo a roupa da mulher estava diferente, menos severa, arriscando algumas cores vivas. Os cabelos, sempre presos em um coque, caíam soltos sobre os ombros dela. E desta vez, a todos que a cercavam, a mulher dedicava um olhar mais doce, e um quase sorriso brincava em seus lábios.

Minha alma, ela que sempre se ausentava em tais ocasiões, fez-se presente nessa jornada de observação. Na verdade, ela vinha se alimentando da curiosidade sobre o que havia por detrás de tantas cenas de desaprovação da mulher, e do motivo de fazê-la voltar novamente ao lugar. E foi então que ele apareceu, o amigo, servindo a ela uma xícara de chá, depois puxando uma cadeira e se sentando ao lado dela.

Durante mais de hora, eles conversaram e riram, quase choraram, ficaram silentes. Mas foi quando suas mãos se abraçaram que o cenário se modificou completamente. Diferentemente do marido e do filho dela, o homem a sua frente a encarava com verdadeiro carinho, até certo fascínio. Durante um bom tempo, mãos abraçadas e olhares cúmplices, eles ficaram ali, como se nada mais existisse, além do momento.

Voltei ao lugar outras vezes, mesmo dia e horário, esperando o desenrolar da história da mulher e seu chá da tarde, sua desculpa para ser apreciada, ainda que em segredo. Porém, ela não mais apareceu, e o seu amigo, aquele que sabia como querê-la bem, passou a se debruçar no balcão, permitir que o olhar se perdesse no tempo, lábios secos e nus de sorriso. Tristeza como companhia... Como se a alma dele tivesse escapado do corpo, fugido em busca de onde não há como se estar por inteiro.

Imagem © Jander Minesso

carladias.com

Comentários

Que belo passeio da sua alma, Carla. Muito bom esse suspense sentimental em que você nos colocou. :)
albir disse…
Carla,
a gente nem percebe por onde está sendo levado, só sabe que gosta da sua condução.
Carla Dias disse…
Eduardo... Um suspense de quem leva a vida em suspenso, fazendo de conta que sabe o que está fazendo na vida que leva sem o menor gosto. Olhando a vida que queria com medo e desejo de vivê-la, mas sem sucesso.

Albir... Prometo não conduzi-los a um abismo : )

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …