Pular para o conteúdo principal

DAS APARÊNCIAS QUE ENGANAM
[Debora Bottcher]

Na semana passada, aqui no condomínio onde moro, teve uma festa de Halloween. Originariamente para as crianças, muitas mães se vestiram a caráter para acompanhar seus pequenos, o que fez o salão de festas ficar repleto de bruxas, fantasmas e afins de todos os tamanhos e modelos.

Num cenário com tules laranja, roxo e preto, abóboras penduradas no teto, músicas de várias épocas, doces e cachorro-quente, a noite foi muito divertida. E dentre os muitos 'personagens', uma moça-mãe me chamou a atenção: ela dançava com seus filhos — uma mini-Mortícia e um Fantasminha muito legal — e com as muitas outras crianças numa felicidade quase infantil. Vez ou outra também enlaçava o marido — vestido como um mortal comum, de jeans e camiseta — , o sorriso aberto num rosto emoldurado por um enome chapéu de bruxa, transmitindo uma alegria contagiante — fosse um evento adulto e ela seria a 'Garota da Festa'.

Num condomínio fechado de setenta casas pode parecer incrível, mas a gente não conhece todo mundo, quase nunca sabe o número da casa das pessoas que encontra com mais frequência e, na maioria das vezes, nem seus nomes. É possível que quem tenha filhos consiga estabelecer alguma proximidade — o que não é o meu caso, pois só tenho cachorros. E pra ilustrar isso, demonstro: converso mais pelo Facebook com minha vizinha de muro do que pessoalmente, pois raramente conseguimos nos encontrar. Coisas da vida moderna mesmo numa cidade pequena (que é onde moro atualmente) — ou numa pequena cidade, como é um condomínio.

Mas quis a casualidade que eu reencontrasse a 'Garota da Festa' na manhã de quarta-feira, enquanto eu passeava com minhas cachorras e ela se dirigia a pé ao pequeno Centro Comercial aqui em frente, e o impacto disso foi difícil mensurar. É que quando a cumprimentei com o clássico "Bom dia, tudo bem?', tive a impressão de que ela ia chorar. Naturalmente que isso não aconteceu — ela me deu 'Bom dia' e seguiu caminhando rumo à portaria. E eu me peguei por alguns minutos acompanhando-a com meu olhar sob suas costas, seu passo vagaroso numa postura cansada, tentado associar essa mulher àquela figura feliz e dançante do sábado. Não havia nela nenhum vestígio de alegria; ao invés disso, um olhar opaco, abatido e com olheiras, o cabelo levemente despenteado — daquele jeito que delata que não foi o vento o causador. A 'Bruxa' alegre e faceira, havia dado lugar a uma moça totalmente desprovida de qualquer energia.

Então eu fiquei pensando sobre a velha lei das aparências que enganam, e constatei que essa é uma patente da vida que sempre nos ronda. Quase nada, efetivamente, é o que parece ser. Ou talvez tudo seja tão efêmero e mutante — impossível de se manter com alguma regularidade. A impermanência de tudo fica tão latente que chega a assustar — principalmente quando a gente se depara com ela de um jeito tão surpreendente: num espaço tão curto de tempo, dá de cara com o véu revelando uma face que parecera encantada e é pura desilusão.

Uma curiosa tristeza me invadiu naquele dia, e me peguei desejando que a 'Garota da Festa' pudesse resgatar a moça de olhos tristes daquela manhã, mantendo-a prisioneira numa felicidade interminável, como a da noite de Halloween. Mas temo que isso não tenha acontecido.

É a vida seguindo seu curso com a faculdade de quase nunca ser do jeito que a gente gostaria...

Comentários

Zoraya disse…
Vamos torcer para que a verdadeira essência da moça-bruxinha seja a da festa, e que tristeza vista no dia do encontro tenha sido apenas um momento. Que delícia ler seu relato nessa manhã de domingo!
Debora Bottcher disse…
Pois é, Zoraya... Torço por isso: que a segunda aparência é que tenha enganado... :) Mas não é curioso que nada seja o que parece ser, em qualquer circunstância? Beijo, bonita.
Oi, Débora!
Às vezes a realidade nos faz tristes e cansados e é preciso soltar mesmo "as bruxas".
Afinal ninguém é totalmente feliz ou totalmente triste, não é?
Espero que a moça da festa apenas estivesse num momento ruim e passageiro quando a encontrou na rua.
Bjs
Resta saber qual aparência está enganando qual realidade: a primeira ou a segunda? Ou as duas estão enganando um terceiro elemento?
Carla Dias disse…
Verdade muito bem abordada, Débora. Mas é bom saber que, se a mulher abatida precisar, pode tirar a garota da festa da cartola para ser feliz mais um pouquinho.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …