sábado, 5 de novembro de 2011

DAS APARÊNCIAS QUE ENGANAM
[Debora Bottcher]

Na semana passada, aqui no condomínio onde moro, teve uma festa de Halloween. Originariamente para as crianças, muitas mães se vestiram a caráter para acompanhar seus pequenos, o que fez o salão de festas ficar repleto de bruxas, fantasmas e afins de todos os tamanhos e modelos.

Num cenário com tules laranja, roxo e preto, abóboras penduradas no teto, músicas de várias épocas, doces e cachorro-quente, a noite foi muito divertida. E dentre os muitos 'personagens', uma moça-mãe me chamou a atenção: ela dançava com seus filhos — uma mini-Mortícia e um Fantasminha muito legal — e com as muitas outras crianças numa felicidade quase infantil. Vez ou outra também enlaçava o marido — vestido como um mortal comum, de jeans e camiseta — , o sorriso aberto num rosto emoldurado por um enome chapéu de bruxa, transmitindo uma alegria contagiante — fosse um evento adulto e ela seria a 'Garota da Festa'.

Num condomínio fechado de setenta casas pode parecer incrível, mas a gente não conhece todo mundo, quase nunca sabe o número da casa das pessoas que encontra com mais frequência e, na maioria das vezes, nem seus nomes. É possível que quem tenha filhos consiga estabelecer alguma proximidade — o que não é o meu caso, pois só tenho cachorros. E pra ilustrar isso, demonstro: converso mais pelo Facebook com minha vizinha de muro do que pessoalmente, pois raramente conseguimos nos encontrar. Coisas da vida moderna mesmo numa cidade pequena (que é onde moro atualmente) — ou numa pequena cidade, como é um condomínio.

Mas quis a casualidade que eu reencontrasse a 'Garota da Festa' na manhã de quarta-feira, enquanto eu passeava com minhas cachorras e ela se dirigia a pé ao pequeno Centro Comercial aqui em frente, e o impacto disso foi difícil mensurar. É que quando a cumprimentei com o clássico "Bom dia, tudo bem?', tive a impressão de que ela ia chorar. Naturalmente que isso não aconteceu — ela me deu 'Bom dia' e seguiu caminhando rumo à portaria. E eu me peguei por alguns minutos acompanhando-a com meu olhar sob suas costas, seu passo vagaroso numa postura cansada, tentado associar essa mulher àquela figura feliz e dançante do sábado. Não havia nela nenhum vestígio de alegria; ao invés disso, um olhar opaco, abatido e com olheiras, o cabelo levemente despenteado — daquele jeito que delata que não foi o vento o causador. A 'Bruxa' alegre e faceira, havia dado lugar a uma moça totalmente desprovida de qualquer energia.

Então eu fiquei pensando sobre a velha lei das aparências que enganam, e constatei que essa é uma patente da vida que sempre nos ronda. Quase nada, efetivamente, é o que parece ser. Ou talvez tudo seja tão efêmero e mutante — impossível de se manter com alguma regularidade. A impermanência de tudo fica tão latente que chega a assustar — principalmente quando a gente se depara com ela de um jeito tão surpreendente: num espaço tão curto de tempo, dá de cara com o véu revelando uma face que parecera encantada e é pura desilusão.

Uma curiosa tristeza me invadiu naquele dia, e me peguei desejando que a 'Garota da Festa' pudesse resgatar a moça de olhos tristes daquela manhã, mantendo-a prisioneira numa felicidade interminável, como a da noite de Halloween. Mas temo que isso não tenha acontecido.

É a vida seguindo seu curso com a faculdade de quase nunca ser do jeito que a gente gostaria...

Partilhar

5 comentários:

Zoraya disse...

Vamos torcer para que a verdadeira essência da moça-bruxinha seja a da festa, e que tristeza vista no dia do encontro tenha sido apenas um momento. Que delícia ler seu relato nessa manhã de domingo!

Debora Bottcher disse...

Pois é, Zoraya... Torço por isso: que a segunda aparência é que tenha enganado... :) Mas não é curioso que nada seja o que parece ser, em qualquer circunstância? Beijo, bonita.

Marisa Nascimento disse...

Oi, Débora!
Às vezes a realidade nos faz tristes e cansados e é preciso soltar mesmo "as bruxas".
Afinal ninguém é totalmente feliz ou totalmente triste, não é?
Espero que a moça da festa apenas estivesse num momento ruim e passageiro quando a encontrou na rua.
Bjs

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Resta saber qual aparência está enganando qual realidade: a primeira ou a segunda? Ou as duas estão enganando um terceiro elemento?

Carla Dias disse...

Verdade muito bem abordada, Débora. Mas é bom saber que, se a mulher abatida precisar, pode tirar a garota da festa da cartola para ser feliz mais um pouquinho.