Pular para o conteúdo principal

CARTA A UMA GRÁVIDA >> Kika Coutinho

Querida amiga,

Desde que soube da sua gravidez, não consigo tirar da memória uma lembrança infantil, que é das mais emocionantes entre todas as que tenho.

Era Natal nos anos 80, eu tinha qualquer coisa entre 4 e 7 anos e estava com duas maria-chiquinhas no cabelo e uma camiseta vermelha. Quando a campainha tocou, corri atrás da minha mãe para abrir porta e, transbordando de alegria, assisti a minha madrinha chegar em casa, carregando um enorme presente embrulhado em papel vermelho e fita dourada. Era meu. Eu sabia que era meu, mesmo sem que ninguém me dissesse nada. Senti como que um calor por dentro, um quentinho acollhedor, tão imensamente delicioso, que não pude conter o riso. A alegria transbordava feito água que estoura uma represa.

Me entregaram o pacote e em um instante, um pequeno instante enquanto eu desfazia o laço de fita, essa sensação se prolongava um pouco mais. Ao meu redor, toda a família e a melhor amiga. Era o universo todo assistindo ao meu ideal de felicidade.

Tenho certeza que você já sentiu isso amiga. Certeza que você sabe do que falo, quando descrevo esse pequeno instante de alegria, essa delícia que era abrir um embrulho de presente.

Mas a minha infância já ficou para trás há algum tempo. Lixaram bem as paredes da minha memória, passaram massa corrida e cobriram com a cor da maturidade, de forma que algumas sensações ficaram perdidas entre a crosta de anos que a vida me trouxe. Essa foi uma delas. O calor transbordante de abrir um presente novo, a alegria infinita de um instante curto e mágico, o universo todo assistindo a essa delícia, como que vibrando pelo nosso segundo de glória, fazia apenas parte da minha memória poética, como diria nosso amado Rubem Alves.

Pois bem, amiga, eis que, anos depois, sentada em uma pia gelada, com um teste de gravidez nas mãos, enquanto assisto à segunda listra se formar e constato - com a alegria e o susto de uma iniciante - que estou grávida, a vida me presenteou de novo com aquele mesmo prazer. Um presente embrulhado em papel vermelho, laços dourados que envolviam todo ouro do mundo, não me deixariam mais feliz.

Diferentemente da infância, agora a sensação se prolongaria um pouco mais. Seriam nove meses daquele instante mágico. Nove meses sentindo a alegria de desatar um laço de fita, curtindo cada chute e cada pequeno tremor, todos pistas do que seria esse presente tão imensamente precioso. Era como descobrir o autor de bilhetinhos de amor anônimo, desses que a gente ganhava no correio elegante. Um sustinho alegre a cada papelzinho que chegava. Quem será? Como será? Qual o cheiro, o gosto, o som?

Essa sensação amiga, eu tive apenas na primeira gravidez. A segunda, que foi tão feliz quanto a primeira em tantos outros aspectos, não tem mais essa inocência, essa deliciosa tolice que só as crianças e os apaixonados podem experimentar.

Hoje, enquanto vejo a sua alegria e euforia com a pequena Ana, que cresce aí dentro, me vejo também um pouco enquanto carreguei a Sofia, e enquanto segurei um embrulho vermelho.

Essa sensação de presente por abrir, essa euforia desmedida, só é permitida aos ingênuos, aos doces desejantes, esses que não sabem bem o que está por vir, mas sabem que é bom.

Amiga querida, essa crônica é para você, para te pedir que curta imensamente, enormemente, esse teu presente tão bem embrulhado. Ainda me resta mais de metade da vida para aprender, mas, quase que arrisco dizer, que não haverá chance de ter de novo essa alegria. A do instante mágico e breve, entre ter o presente já aberto, o laço desfeito e as enormes alegrias de desfrutar do seu tesouro, e aquele anterior, enquanto ainda não o temos, mas desejamos.

Não há, para mim, nada tão bom quanto ter filhos e assisti-los crescer. São sensações diferentes e novas a cada dia. Mas, antes dessas deliciosas pestes aparecerem enfim, há algo mágico e forte, que só nós, tolas meninas grandes, podemos saber.

Obrigada por me trazer a tona todas essas lembranças. E que o seu presente te traga todas as alegrias do mundo.

Um beijo,

Kika.

Comentários

Zoraya disse…
Kika, esses seus textos maternais são uma delícia! Tomara que suas filhas sempre te surpreendam com lindos presentes embrulhados de cor.
Lunk disse…
oi, gosto muito do seu blog leio mesmo, passo pra deixar o link do meu pra caso vc queira postar algumas das minhas criações... eu já postei uma cronica daqui!! agradeço... dexa um comentario, pode nascer uma parceria!

www.folhadipapel.blogspot.com
Anônimo disse…
Você sabe das coisas, querida! Exatamente assim: sinto como se estivesse com o Papai Noel há 6 meses, desamarrando devagarzinho as fitas, para no final encontrar minha Ana. E não vamos esquecer que voc~e soube antes de mim que eu estava grávida, naquele sonho, lembra?!
Obrigada pelo apoio sempre, pelo carinho e amizade! Um beijo enorme, de nós duas!
Mariana

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …