Pular para o conteúdo principal

HUMOR >> Carla Dias >>

Minhas irmãs são muito criativas no bate-papo. Quando me encontro com elas, normalmente uma a cada vez, pois não moramos próximas, as conversas acabam sempre descambando para o imaginário. E tudo regado a muito café. O mesmo acontece com algumas primas e tias. Chego a pensar que, essa família enorme e repleta de mulheres é regida pelo humor dos que aprenderam a superar obstáculos, pois haja obstáculos... E humor.

Não dizem que sorrir faz bem para a alma?

Independente do conteúdo do sorriso?

O meu humor não é dos mais leves, mas há dias em que consigo arrancar gargalhadas dos meus sobrinhos simplesmente pegando um acontecimento adulto e chato e o enxergando com olhar infante. Tombos cruciais na idade adulta se transformam em um escorregão ao pisar na casca de banana que o fulaninho jogou no chão. E a descrição visual desse balé-escorregão é sempre motivo para os pequenos rolarem de rir.

Fácil, não?

Mas quando no cenário adulto, esse lugarzinho ao qual pertenço, a coisa é bem diferente. O meu humor não consegue ser simples, sutil, gracioso, simplesmente porque me atraem os requintes da ironia e do sarcasmo. Para mim, o humor negro, quando bem aplicado, é fascinante.

Pensando em cinema, Morte no funeral (Death at a funeral/2007) é um dos filmes que mais me agrada. Falo sobre a versão original, a do diretor Frank Oz, com o talentosíssimo – e lindo de doer o coração da gente - Matthew Macfadyen (Orgulho e Preconceito/Enigma). O filme mostra uma série de inconvenientes e revelações durante o funeral do patriarca de uma família inglesa de classe média alta. É interessante, bem escrito, com atuações determinantes e com uma direção que não deixa o humor negro se transformar somente em um relato sobre uma série de infortúnios.



A produção de Morte no funeral foi uma parceria entre a Alemanha, os Estados Unidos e a Inglaterra. Em 2010, foi lançada a versão com produção exclusivamente americana, com as participações de Chris Rock e Martin Lawrence. Em minha opinião, foi um remake desnecessário e uma versão inferior ao original.

É fato que os ingleses são considerados os magos do humor negro. Porém, há duas produções francesas que estão na minha lista de comédias preferidas. O jantar dos malas (Le Diner de Cons/1998) é um filme sobre Pierre e seus amigos, que se reúnem uma vez por semana para um jantar peculiar. Cada um deles deve encontrar a pessoa que jamais convidaria e convidá-la para o jantar, garantindo a diversão do evento e a disputa de quem conseguiu o “mala sem alça” mais mala de todos. Porém, uma virada na vida de Pierre faz com que ele dependa das boas intenções do seu mala convidado, o que apenas complica a sua vida.



Ainda não assisti, mas O jantar dos malas ganhou uma versão americana, com Stevie Carell e Paul Rudd, dois excelentes atores. Um jantar para idiotas (Dinner for Schmucks) foi lançado em 2010.

Para finalizar a tríade das comédias de humor negro que mais me agradam, tenho de citar a fantástica Delicatessen (1991). Contando com Jean-Pierre Jeunet (Ladrão de sonhos/O fabuloso destino de Amélie Poulain) como codiretor e um dos roteiristas, este filme conta a história de um homem que se muda para um prédio em cima de um açougue e se apaixona pela filha do dono do estabelecimento. O que ele desconhece são os planos que a família da moça tem para ele. Não posso contar o bom do filme, senão estragaria a surpresa. Mas quem gostar de um bom filme de humor negro, pode conferir este.





Comentários

Zoraya disse…
Carla, adoro um humor nigérrimo, e concordo plenamente, ninguém o faz melhor que os ingleses. Vi a versao inglesa de Morte no Funeral e rolei de rir. Obrigada pelo assunto, legal mesmo.
Carla Dias disse…
Pois é, Zoraya, acredito que o humor inglês é negro no geral... rs. Eles são bons nisso.
Há um filme americano que, para mim, é um dos melhores. É o "Matador em conflito", com o sempre bacana John Cusack. Se você não assistiu, confira. Beijo!
albir disse…
Carla,
também gosto muito de humor negro. Acho que esse clube é maior do que eu pensava. Como sempre, vou acompanhar suas indicações. Beijos!
Carla Dias disse…
Albir... Também acho que esse clube é bem maior. Depois me conta o que achou dos filmes. Beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …