Pular para o conteúdo principal

PROBLEMAS TECNOLÓGICOS >> Clara Braga

Depois que vários aparelhos eletrônicos apareceram e o mundo se tornou um mundo tecnológico, muita coisa mudou.

Por exemplo, quando se fotografava existia todo um ritual. Primeiro tinha que ir comprar o filme, decidir de quantas poses você iria querer, colocar o filme na máquina, coisa que nem todo mundo sabia fazer, e ai sim você estava pronto para começar a fotografar.

Escolhia-se muito bem o que iria ser fotografado, pois uma foto batida era uma pose a menos que você tinha no filme. E não dava para saber se a foto tinha ficado boa até que o filme fosse revelado.

A revelação era um processo literalmente mágico em que, após a aplicação de algumas químicas, a imagem começa a aparecer na superfície da folha sensível a luz, parecia ilusão mesmo! E depois que a foto estava revelada, todo mundo sentava para ver as fotos, se tinha saído bem, se tinham ficado boas, se alguma queimou e acabavam por reviver aquele momento.

Hoje em dia o ritual acontece de uma vez só: é só levar a câmera, bater, ali mesmo já olha se ficou boa ou se precisa tirar outra e tira-se novamente a foto até que todos achem que a foto ficou boa o bastante. Depois é só passar para o computador e mandar as fotos por e-mail para todo mundo que quiser! E se alguém tiver notebook na hora, esse processo também acontece no mesmo momento em que as fotos foram batidas.

Quem for antigo o suficiente para querer elas impressas, pode imprimir em casa mesmo, ou só grava no CD aquelas que ficaram melhores e manda revelar, em menos de uma hora você tem elas na mão com todos os ajustes que foram feitos no photoshop.

Ficou mais fácil, com certeza, mas, como tudo na vida, tem seus prós e contras. E algumas pessoas, por menor que seja a porcentagem, preferem não aderir a essas tecnologias. Preferem não ter e-mail, não ter que atender celular, não ter que mexer no computador e não tirar fotos com máquina digital.

Minha avó é uma dessas pessoas. Já tentou usar celular, mas não gosta, não ouve tocar, não usa, não vê lá tanta utilidade, e prefere não ter. Já pensou em aprender a mexer no computador, mas desistiu, acha que é complicado e não tem vontade. Ela também não vê as fotos que foram tiradas em máquinas digitais, e isso é um problema para a família toda! Ela vive reclamando que não tem foto dos netos para mostrar para as amigas, que as fotos do Natal ela nunca vê, que nunca mais teve nenhum registro de aniversário nem nada do tipo.

Eu, há uns anos, dei para ela de presente um scrapbook recheado de fotos dos netos, filhas e agregados. Mas só resolveu o problema durante um tempo, hoje em dia ela já não tem fotos atualizadas, como ela mesma diz. E ninguém nunca se lembra de revelar para que ela possa ver. Falha nossa, eu sei, mas minha família é realmente uma família de desmemoriados.

O problema é que, mesmo antes que eu pudesse resolver o problema das fotos, já surgiu um outro problema: eu comecei a escrever para um blog. Ela nem sabe o que é um blog, mas acredito que ache que deva ser algo interessante, já que vira e mexe alguém comenta alguma coisa dos textos que eu escrevi. E então ela sempre diz: Pois é, eu não li, não tenho computador e nem sei mexer na internet!

Eu já tinha pensado em alguma forma de resolver esse problema, mas nenhuma forma é melhor do que o livro "Acaba não, Mundo".

É isso mesmo, toda essa história de vida que eu fiz vocês lerem até aqui foi para mostrar mais um dos vários pontos que fazem do livro "Acaba não, Mundo", que será lançado aqui em Brasília nessa quinta-feira (03 de novembro), das 19:30 às 22:00 no Rayuela (412 sul), um evento tão importante. Ele significa que agora minha avó vai poder ler algumas das minhas crônicas e levar com ela para mostrar para as amigas que quiser.

Comentários

Clara,
Todo sucesso e muitas emoções no lançamento aí em Brasília!!
Delícia ver o nome num livro, não é?
Comemore muito e viva o seu momento!
Clara, isso é o que eu chamo de uma "crônica de construção perfeita". Sua avó vai amar! E espero que ela não tenha que esperar o próximo livro do Crônica do Dia para lê-la. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …