Pular para o conteúdo principal

VIVI DOS PALMARES >> Albir José Inácio da Silva

- Hidratação e massagem – disse Viviane.

Com muito catálogo e pouco argumento o cabeleireiro insistiu, apregoando os milagres que sabia fazer:

- Por que não um relaxamento? Não é alisar, é só alargar os cachos, as mechas, as... as...

- ... as molinhas – completou Viviane, rindo e lembrando das humilhações de toda uma vida.

E como doíam! Em casa as coisas não eram melhores: “Fulaninha tem um cabelo tão bom que nem segura grampo”, diziam da filha da vizinha. Cabelo bom e cabelo ruim, essa a lógica. O dela era ruim.

Mas não era só o cabelo. Olhos lindos eram olhos “como o céu” ou “como o mar”. Quanta inveja! Os dela eram apenas olhos, “que às vezes enxergavam demais”, ralhavam os adultos.

Quantas vezes se sonhou loirinha e de olhos azuis? Pela manhã o espelho a mandava pra escola com dor no coração. E era lá que a dor aumentava.

- Suas molinhas estão caindo no caderno – riam todos. Riam até os de cabelo “ruim”, espantava-se Vivi.

Dos colegas ouvia também explicações, que diziam bíblicas, para a sua cor: maldição divina imposta a Caim, marca do pecado. Indefensável a sua pele. E não só a pele, a religião de seus pais também era coisa do diabo. Não havia salvação.

Na adolescência até os elogios machucavam:

- É preta “mas” é gostosa! – diziam. E ela se perguntava: por que não preta “e” gostosa?

Eram essas as suas dores e ela sentia culpa. O que significavam tais bobagens diante do chicote nos antepassados, dos estupros das avós pelos senhores, dos filhos vendidos para outras fazendas, das prisões arbitrárias, do subemprego, do analfabetismo? O que eram suas questões estéticas comparadas com tanto sofrimento e humilhação por séculos?

Olhou-se no espelho. Agora gostava de olhar. Lábios generosos e sensuais de fazer inveja às bocas que antes a chamavam de beiçuda. A pele de ébano não era maldição divina, era presente. E a carapinha, identidade de sua raça. Sorriu para o espelho com a perfeição de seus dentes e lembrou-se de quando diziam que eles eram a única coisa nela visível à noite.

Agora se gosta. Sua notas não devem nada aos alunos que vieram dos colégios caros. Foi um longo caminho até o orgulho e a dignidade. Muito sofrimento, muitos livros emprestados, muita reflexão.

Hoje não tem problemas com cabelos alisados ou lentes coloridas. Vê beleza no espelho, mas também nos outros estilos. Qualquer dia até experimenta umas mudanças. Mas hoje não. Hoje é vinte de novembro.

E Viviane repete mais alto que o necessário para os tímpanos sensíveis do insistente mas delicado coiffeur:

- Hidratação e massagem... só!

Comentários

whisner disse…
Albir, bela homenagem ao Dia da Consciência Negra. Parabéns pelo texto. Infelizmente ainda hoje ouço o termo "cabelo ruim". É o mito da democracia racial. Abraço!
RafaelAlves disse…
http://cronicando-cronicas.blogspot.com/
Albir, não há muito o que dizer sobre esse texto. Tudo o que eu disser não será suficiente para exprimir tamanha delicadeza e força nas suas palavras. Acho que tudo se resume no que senti quando li: orgulho de conhecer um escritor e amigo como você!
Marilza disse…
Belissimo texto Albir...
Zoraya disse…
Esse texto parece um confeito, de tao delicado. E Vivi se encontrou sendo quem é, uma liçao para todas as mulheres, brancas, negras ou o que seja, que insistem em querer se enquadrar em absurdos padrões de beleza, muitas vezes ditados por preconceitos ainda mais absurdos. Aliás, absurda mesmo é a sua sensibilidade, Albir!
Carla Dias disse…
Albir, eu e o meu cabelo ruim agradecemos a sutileza do seu texto. Beijos!
albir disse…
Whisner,
é a democracia sem povo, né?

Marisa,
orgulhosos estamos os cronistas de conhecer você pessoalmente.

Marilza,
generosa como a garoa de Sampa!

Zoraya,
Vivi aprendeu a duras penas, né? Mas valeu a pena. Agora eu acho que ela tem muito que ensinar. Beijo!

Carla,
nada ruim pode ornar uma cabeça tão boa. Beijos.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …