Pular para o conteúdo principal

Vésperas >> Maria Rachel Oliveira

Hoje é véspera de Natal. O Natal é uma data cristã – uma vez que diz respeito, teoricamente, à celebração do aniversário do nascimento de Jesus de Nazaré, lá em Belém. Há ainda, na definição desta data, resquícios de celebrações pagãs, como o solstício de inverno no hemisfério norte – que é quando a parte iluminada do dia começa a ganhar mais espaço em cada 24h. Mas não voltei a este querido espaço pra falar de Natal, que Zoraya já falou tão bem ontem. Hoje, aqui, nós vamos falar de vésperas.

Segundo o dicionário, o significado mais difundido para véspera é “um dia que antecede imediatamente a outro determinado”. E, pensem cá comigo, quantas coisas antecipamos! Contamos os meses praquela viagem há tanto sonhada, os dias pra aquele encontro, as horas pra um telefonema... os segundos até às 18h de uma sexta-feira! Enquanto umas trazem consigo o cheiro do tender assando no forno, outras vêm com a preocupação da depilação ou da barba em dia ou mesmo opiniões pré-concebidas acerca do local escolhido pro happy hour. Antecipar coisas é normal. Descobrir, de antemão, como é o tempo em Quixeramobim das Couves na época em que passaremos as férias lá - pra podermos arrumar a mala adequadamente a fim de não sermos pegos de surpresa quando chegarmos.

Engraçado é que vésperas têm, em comum, todas elas - e na maioria dos casos -, mais pano pras mangas do que as datas que esperamos, propriamente ditas. Tudo culpa da nossa fértil imaginação! Aquele presente que esperávamos estrear no dia 31 vem com o tamanho errado ou simplesmente nada tem a ver conosco. O sorriso largo daquele filho chega meio torto porque ele já tinha mudado de ideia quanto ao seu presente de Natal e avisou pro Papai Noel que ele encontrou no shopping - mas não lembrou de falar isso pra gente! E aquele encontro? “Não deu, ela tinha um bafo horroroso!” ou “Nunca uma noite demorou tanto a passar!”. E agora, José? Isso quer dizer que todas as vésperas são melhores do que o evento aguardado?

Não, não foi exatamente isso que eu quis dizer. Eu quero dizer é o seguinte: antecipar acontecimentos é a forma mais certa que temos de nos decepcionar com nossa imaginação! E isso vale tanto para o bem quanto para o mal. Aquele encontro pelo qual não daríamos nada não tem como dar certo se já escrevermos de véspera seu script. Aliás, nem aquele outro encontro, super-hiper-ultra promissor, há de sair como a gente imaginou – porque não vai ser, certo como dois e dois são quatro. Nada acontece e-xa-ta-men-te como antecipamos; isso só seria possível caso pertencêssemos a uma espécie de seres-oráculo que desconhecem a existência de Murphy, do livre-arbítrio – como se isso fosse possível - e do inesperado.

O inesperado, esse sim, que pode ser uma das melhores coisas que existem.

Então, abracemos a antecipação. Curtir antes é bom! Mas que possamos sempre lembrar de soltar nossa imaginação com parcimônia nas vésperas; em cada uma delas. Que saibamos cuidar do nosso poder de antecipação feito pipa. Que voe, mas que não vá longe. Desviemos dos postes altos, dos fios telefônicos. Que consigamos manter o controle da linha para que não alcance o infinito azul do céu. Assim, não vamos permitir que a surpresa passe escondida por trás de alguma coisa que não saiu exatamente como a gente imaginou.

Que venha o novo. Tão novo que nem a nossa imaginação foi capaz de nos mostrar como seria.

Comentários

albir disse…
Esta véspera virou festa com a sua presença aqui. Que em 2012 você possa voltar muitas vezes para deleite de seus leitores. E alunos. Beijo, Rachel.
Zoraya disse…
Puxa, Rachel, e que seu 2012 também venha luzindo de novo, e tão lindo, que ultrapasse a imaginação. E, como o Albir, mais que sua aluna, quero ser sua leitora (aliás, que orgulho eu senti em você me citar no seu texto, uau!)
r a c h e l disse…
Ah, vocês são uns fofos. Ainda tenho que pegar o jeito. Sabe como é... casa de ferreiro... espeto de pau! Tô bem enferrujada ainda, mas hei de melhorar! Obrigada pelo carinho de sempre e um 2012 ótimo pra todo o mundo desse cantinho tão querido!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …