Pular para o conteúdo principal

FICA, 2011 >> Eduardo Loureiro Jr.

Nós somos aqueles pelos quais estávamos esperando. (Nação indígena Hopi)

Eu sei que o tempo passa, e que todo ano passa, e que é bom que seja assim, mesmo porque não há outro jeito, a vida é eterno movimento e quem fica parado é poste, mas, sei lá, a gente bem que podia abrir uma exceçãozinha pra 2011.

Não, eu não vou dizer que foi um ano em que tudo aconteceu às mil maravilhas. O leitor mesmo deve ter sofrido alguns arranhões, talvez até algum corte profundo. Em 2011, ganhamos algumas cicatrizes, daquelas que não vão sumir tão cedo. Mas cá entre nós, caro leitor, uma cicatriz é bem melhor, bem mais natural, que tatuagem ou maquiagem definitiva. Cicatriz é coisa de quem viveu, de quem caiu e se levantou, de quem rastejou mas encontrou a luz no fim do túnel, de quem arriscou e, de tanto tentar, conseguiu alguma vitória.

O mundo está mudando. Isso ficou claro em 2011. Ainda tem gente que olha pras coisas e diz que o mundo não tem jeito, que a humanidade é um caso perdido, mas cada vez fica mais claro que essas pessoas não estão descrevendo o mundo nem a humanidade, mas aquilo que elas veem diante do espelho. O mundo, como diz Cartola, é um moinho, "vai triturar teus sonhos tão mesquinhos, vai reduzir as ilusões a pó". 2011 foi uma representação numérica disso: uma passagem do 2 a 0 para o 1 a 1; uma transição do tudo ou nada para o meio a meio; uma travessia do complexo de carrasco-vítima para a consciência da autorresponsabilidade; uma mudança das curvas sinuosas do 2 e do 0 para o caminho reto entre 1 e 1.

2011 fez todo o trabalho pesado e deixou tudo prontinho para 2012 apenas finalizar o serviço. O mundo como nós sempre o havíamos pensado vai mesmo acabar ano que vem. Como uma gravidez que acaba em nascimento, feito lagarta se acabando em borboleta, assim o buchudo e sério telejornal acabará em realidade vista com os próprios olhos.

Soa até ingênuo pedir a um ano que fique, e não porque ele não possa permanecer, mas porque 2011 veio mesmo para perdurar. E ficará para sempre. Um ano a partir do qual serão contados os aniversários. Daqui a trinta, quarenta anos, quando um jovenzinho nos perguntar como conseguimos tudo aquilo que estará lá no futuro, abriremos nossa história não com um "era uma vez", mas com um "tudo começou em 2011".

Vamos lá, leitor, não seja resmungão. Pegue uma folhinha de papel aí, aconchegue sua mão a um lápis e faça uma lista do que mudou em você durante 2011. O ano não foi tudo que você queria, imprevistos aconteceram, Papai Noel está com cara de que não vai aparecer com seu presente? Também tiraram sua chupeta e apareceu um irmãozinho com o qual você está tendo que dividir seu até então isolado reinado? Mamãe não quer mais lhe dar o peitinho? Papai deixou de lhe carregar no colo? É, caro leitor, o tempo passa. Como diz o Pai Nosso no tom provocador de meu pai, "só quer venha a nós o vosso reino, mas nada de seja feita a vossa vontade?"

2011 fica. O que passará são velhos hábitos, desnecessários feito folhinhas de calendário. O que passará são pessoas que, apegadas demais a seus cacoetes, preferirão morrer com eles a seguir em frente. "Tem gente que está doida que o mundo se acabe só pra ir junto com ele", dizia Dona Socorro, minha professora de História, a mesma que nos fazia procurar a causa e a consequência de cada fato. 2011 mostrou que nós somos a causa, o mundo é só consequência.

Ainda faltam 13 dias para 2011 NÃO acabar. Aproveite, leitor. Pare de reclamar, meu filho. Deixe o mundo em paz, deixe os políticos em pais, deixe os sacerdotes em paz, deixe as beatas em paz, deixe os ricos em paz, deixe o síndico em paz, deixe os inimigos em paz, deixe a literatura de autoajuda em paz, deixe a axé music em paz, deixe este cronista em paz. Largue mão desse chororô, caro leitor. Vai fazer terapia, vai fazer biodança... Cante, faça, case, invente... Chega de drama! Já não fica bem, já não convence ninguém. Você ainda está em 2010, 2009, 2008, 2007... e não percebeu.

Acorda, leitor! Não é tarde para começar esse ano fantástico que foi 2011. Fica com ele, fica comigo, fica com a gente.



Comentários

fernanda disse…
É, Eduardo. Como eu te disse em outras ocasiões tive um 2011 complicado mas, apesar disso (ou exatamente por isso) muito especial. Vai ficar com certeza.
Beijos
Eduardo:
Situações de apreensão esperam o meu 2012, por isso, principalmente, queria estiiiiiiiiiiiicar um pouquinho 2011.
E ficar aqui , isso nem precisa pedir, aqui no Crônica, eu FICO!
Obrigada por estar aqui no blog mesmo quando não está... :)
Bjs
albir disse…
Sua crônica é dessas coisas que a gente precisa ouvir, mesmo que já saiba. Sorriamos mais e reclamemos só nas crônicas.
É, Fernanda, lembrei de você enquanto escrevia a crônica. Você é uma descomplicadora muito especial. :)

Marisa, agora é minha hora de fazer uma "pressãozinha"... Vamos pra 2012 com muita coragem e tudo vai dar certo. :)

Simples assim, Carla Cíntia? :) Grato.

Assim seja, Albir. :)
Carla Dias disse…
Que beleza de crônica, Eduardo. Fez com que eu até ficasse com vontade de, num ataque de fofura, apertar as bochechas de 2011.
Assim você deixa 2011 corado, Carla. :)
Juliana Custodio disse…
Arrasou, Junior! Feliz 2012! Beijo.
2011 foi mesmo arrasante, Ju. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …