quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

INQUIETAR-NOS >> Carla Dias >>


Aprecio orbitar ao redor das invenções que ainda estão por nascer, porque ao prefaciar a descoberta também é possível se misturar a ela. E ainda que não seja algo transformador, mas apenas um facilitador de tarefas desimportantes, ou até mesmo uma ferramenta para o reconhecimento de banalidades, a criação por si já é um milagre com a inquietação entranhada em sua arquitetura.

E a inquietação faz parte do desabono da certeza, portanto, sustenta a liberdade.

Liberdade é essa coisa-sentimento, e de direito, que nos permite ser sem amarras. Há pessoas que acabam sendo invenções próprias, transformando a si em personas, projetos de quem gostariam de parecer aos olhares alheios. Porém, a sua essência se inquieta, mostrando-se mais forte do que o personagem imaginaria. E às vezes ela escapa num suspiro, todos a sua volta param para escutar tal sinfonia.

Na inquietação moram as possibilidades.

Possibilidade é coisa que até pode cair do céu, mas vez ou outra, e nem sempre nas nossas cabeças. Em alguns casos, necessitam de um cultivo que requer dedicação e muito trabalho. Elas não pipocam - faceiras e fáceis -, mas podem transformar as nossas vidas como se fossem mágicos tirando surpresas da cartola, tornando tudo mais colorido, repleto de nuances, ritmado, fazendo bagunça dentro da gente.

A inquietação nos conduz a novos caminhos...

Como este que você escolheu, agorinha, inspirado pelo final da tarde, pela fila longa do banco, pelo fazer absolutamente nada, pelo ano que chegará, daqui a pouco, novo em folha. E há caminhos que adoramos redescobrir, como aquele que fica entre o beijo e o abraço, e o que se esparrama no álbum de fotografias.

A inquietação pode ser prenúncio de amansamento, após acompanharmos o nascimento de tantas invenções, de alimentarmos a nossa liberdade sem que ela invada a liberdade do outro, de colhermos possibilidades. Após caminharmos por aquele caminho que, não fosse a inquietação, jamais descobriríamos.

Inquietar-nos sempre.

carladias.com

Partilhar

3 comentários:

albir disse...

Carla,
é preciso inquietar-se corajosamente para ter direito à paz. Dorme melhor quem se movimenta. Beijo.

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Carla, suas palavras me inquietaram.

Marisa Nascimento disse...

Carla, até senti um quê de mansidão na inquietação atual dos meus dias.
Bjs