Pular para o conteúdo principal

INTERVALO [Sandra Paes]

Manhã nublada. Agenda em branco. Mais uma terça feira. Apenas mais um dia no calendário. Essa coisa que inventaram pra partir o tempo em pequenos pedaços e lhe rotular com fatos, emoções, dramas ou qualquer outro recheio para preencher o que se chama de vida.

Mais um dia querendo ser especial diante dessa imposição que a consciência econômica nos impôs. Há que matar um leão por dia e dar valores a todos os atos, tudo precisa ser classificado dentro do quadro de produção.

- Vai fazer o que hoje? Já se torna previsível a conversa que surgirá ao telefone.

Isso depois de um nada ritualistico: - Tudo bem?...

Ontem tive vontade de sumir, ficar invisível talvez. As fantasias nas ruas, pretexto natural do Halloween, me mostrou essa verdade crua. Quero estar invisível. Visibilidade implica em atuação. Atuar detona atenção e crítica. Sempre. Talvez apenas queira sair de cena. Essa aí mesmo onde há sempre um papel a desempenhar.

Fazer o que? Que pergunta, é dia de Halloween!

Entre bebês, fadas, bruxas, super-heróis, personagens de filmes, e tantos outros, eu queria me vestir de invisibilidade. Passear entre todos com a grandeza de ser nada, ninguém, coisa qualquer ou coisa nenhuma.

Sim, o palco da vida também cansa. E em mim esse cansaço é mais antigo que a civilização grega, onde parece tudo isso começou. Essa coisa de se nomear personas e personagens. Preciso de um intervalo existencial. Se não for possível, invento.

Sim, um intervalo neutro, onde em silêncio se vê passar todas as cenas de sua vida, ou o que assim se denomina - pra mim é o atuar, para outros o curriculum vitae - que já apropriado pelos herdeiros da revolução industrial virou uma espécie de resumo do que se chama sua vida profissional.

Ora bolas, na vida sou amadora. Sempre fui. E agora me pego deixando de ser. Deixando de amar a vida? Talvez. Talvez querendo férias desse existir cheio de atos e crítica contínua sobre os mesmos.

Há que progredir materialmente aos olhos do que a sociedade humana ocidental chama de “estar bem” na vida. O quanto você consome nos bares. Quantas viagens você faz por ano, quanto você investe no mercado mobiliário. Quanto tempo passa na internet fazendo compras. Qual o seu último celular ou o ano de seu carro? Essas questões invisíveis devem ser respondidas em pequenas fatias de cobranças semestrais.

O descartar e renovar atingiu as relações humanas. Os pares nas ruas, ah, os pares... Inventaram isso lá no tempo do Noé e a moda de tal apresentação ainda vigora. Mesmo que seja por poucas horas. Sim, é so passar na porta das boates para ver a rotatividade dos pares. Inventaram o casamento – que pouco se sustenta hoje em dia - e inventaram o divórcio para equilibrar o fastio da parelha contínua.

Todos esses enredos perpassam as ruas cobertas de todas as fantasias à mostra, num intervalo obrigatório para dar folga aos modelos preconcebidos pela moda, ternos e gravatas, decotes e tubinhos, mini saias e calças abaixo da cintura, etc. Todas variações sobre o mesmo tema: qual seu personagem de hoje?

Não, não precisa responder. Se voce sabe, já é muito. Dá pra vivê-lo todo o tempo? Não creio. Então: intervalo, por favor!

Comentários

Antônio LaCarne disse…
esse blog é uma maravilha, já sigo e quero voltar aqui sempre.
Junto-me ao coro, Sandra: - Intervalo! :)
Anônimo disse…
eu apoio essa reflexão.moh

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …