Pular para o conteúdo principal

LUZES DE 2012 [Sandra Paes]

O amanhecer do novo ano anuncia sua chegada. Vejo no spectrum de cores seus prenúncios. Ah, que encanto!

Todo ano traz no seu amanhecer uma enorme sacola para receber todas as promessas e todos os desejos dos homens. E esse novo ano vem diferente. Vem com o poder de revelar tudo que guardamos em algum baú todo os anos anteriores. Todo o pó de pirlimpimpim vai fazer efeito agora.

Esquecemos tudo. Sim, tendemos a esquecer de nossos desejos, de nossos sonhos, de nossas quimeras. Mas esses não desapareceram, ficaram na caixinha de reciclagem guardadinhos para agora virem escorregando num arco íris, como num tobogã. De volta ao criador. Essa a máxima para 2012.

Nossas emoções, extremamente ampliadas como a lua cheia no horizonte, podem nos fazer mais sensíveis, mais intolerantes, mais ansiosos. Com tantos desejos acumulados em nossas veias, com nossos corações tão cheios de expectativas, como nao transbordar?

E assim, esse ano, tão prenunciado pelos magos de todos os tempos, vem apenas como arauto. Soa sua trombeta no alvorecer e grita: - Cheguei! Vim para colher os frutos de seus pensamentos e seus sentimentos! O que tem ai para mim?

Eu sorrio. Estou pronta para o que der e vier - dizem alguns. Outros, ainda apressados com a conquista de alguma perfeição material, vibram na certeza de que estão aqui para fazer sucesso, por o corpo no lugar, ter o romance que não logrou no século 17, mudar de endereço ou pintar o lugar onde hoje dorme. Pequenos ou grandes, seus sonhos serão revelados, sua verdade posta nua e crua sobre a mesa.

Enquanto isso, o sol, em sua magnitude, explodirá de júbilo e lançando chamas por toda a parte, desavisadamente queima alguns satélites. Interfere no juízo dos apegados aos celulares e aos computadores. Os homens, escravos de suas tecnologias podem ficar perdidos: Como? Por que não ligou? Onde será que anda? Milhares de pessoas com um ponto de interrogação na testa.

Pra que? Me pergunto enquanto passeio calmamente entre os transeuntes sempre correndo em busca de um lugar no futuro. - Vai aonde com tanta pressa? , pergunto quase sempre.

A resposta, sempre a mesma, vem a seguir de um breve “estou atrasado”.

Homem de Deus! Está na hora de parar para respirar mais livremente! Está na hora de parar de correr em busca de preencher o vazio que pensas que tens! Está na hora de viver aqui e agora! E quem sabe isso? Quantos? Não? Então essa será sua verdade. Com ela terá que lidar e se a resistência for muito grande, lá vem uma doença a anunciar que você precisa se equilibrar.

Ontem, ao voltar para casa, senti a força da luz do sol ao entardecer. Tinha quase por certo que nada via, tamanha intensidade de luz. E pensar que era apenas o prenuncio das luzes de 2012...

Cadê meus óculos escuros? Não, esse não, ta muito claro ainda. E se fechar os olhos? Não adianta, a luz está lá, no centro da mente irradiando sua verdade e sua intensidade. Melhor relaxar e sentir o calor novo que nos envolve a todos e nos convida a sair do jogo ilusório de uma era egoica e começar a perceber que somos apenas uma molécula ou uma monada no grande jogo de composição do universo e, nem por isso, menos ou mais importantes, apenas uma partícula nesse fracal extraordinário.

Que venha o novo ano!

E a gente pára o calendário? E se fizéssemos um projeto para isso? Quem de nos abria mão da agenda, dos compromissos de pagamentos, do controle do tic-tac que nos impusemos a milhares de anos? Pois então!? Dividimos o tempo nessa dimensão binária e achamos que tudo é uma questão de hora e lugar. Ah, pois espere as novidades que o novo ano vai trazer...

E se descobrimos de verdade que o tempo é uma ilusão que inventamos e sustentamos com toda nossa crença de eventos e promoções? E se de repente pudermos descobrir que tudo está aí, e sempre esteve, apenas não vemos por que escolhemos usar o cérebro para justificar o mistério e os medos, e de vez em quando gostamos de surpresas? Mas que surpresa? Aquilo que não pensávamos que pudesse acontecer? Aquele presentinho embrulhado com fitas de preocupação? O que me espera?

Pois então, esse 2012 pode trazer a surpresa de nos fazer lúcidos de tal forma que passamos a saber. Aprendemos a ler as mentes, os sentimentos, tão naturalmente quanto lemos jornais, revistas, e cartazes. As incertezas, as dúvidas vão para outro espaço por que os sentimentos e os pensamentos ficam transparentes. E ai?

O que faremos com nossos baús de ciúmes, de cobranças várias, judiciais ou não? Não tem mais espaço para logros. Não tem mais o que burlar. Não tem mais o que controlar, não tem mais que fazer de conta?

Você quer ficar num planeta sem esses ingredientes? Seja sincera/o. Se sim, vai ficar, senão, nada a fazer aqui. A Terra, banhada por uma luz super intensa, terá varrida de sua superfície tudo que não vibrar na sintonia da transparência. Simples assim. Já notou como você se sente melhor por descobrir que não tem que controlar seja o que for? Que sua paz interna é de fato o que mais vale?

Então... Esse o prenúncio. Apenas um prenúncio de uma nova era. Enfim Sheakespeare toma seu lugar: To be or not to be. Eis a questão.

Feliz 2012!

Comentários

Anônimo disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blog.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …