Pular para o conteúdo principal

CONURBAÇÕES E PREOCUPAÇÕES
[Heloisa Reis]

Morar perto de áreas mais verdes, escutar um pouco de silêncio, ver alguns pássaros mais frequentemente era um sonho que a vida me fez realizar, e que me traz um agudo sentido de gratidão todos os dias ao chegar e sair de casa.

A sensação de opressão das ruas com o excesso de movimento, e a de insegurança gerada pelas notícias diárias parece que se desvanecem na “ilha condomínio” onde muitos de nós moramos.

Ilusória imagem!

As cidades que percorro todos os dias estão crescendo - conurbando-se, como se diz em Geografia - encontrando-se e interpenetrando-se, gerando mil problemas administrativos que um município diz ser prioridade do outro cuidar.

Mas quem mora num município muitas vezes trabalha em outro e, provavelmente, faz suas compras e diverte-se em outro. Assim, vivemos uma vida agitada, correndo de um lugar a outro, enchendo as estradas de movimento - e de problemas...

No entanto, a cidade sadia é fruto do trabalho de toda a sociedade, de sua história e das relações de integração entre as necessidades humanas e o meio ambiente. Sua existência gira em torno de sua organização, produção de bens e trocas materiais e culturais integrando na sua paisagem a diversidade que a vida urbana proporciona. Precisamos de calçadas limpas e espaços públicos cuidados.

Nossas reais necessidades são muito diferentes da propaganda do lançamento imobiliário que diz: “Venha viver com liberdade em condomínio fechado!”

A formação das metrópoles e megalópoles é um fenômeno mundial e tem apresentado o desafio de se criar uma gestão mais democrática desses espaços que possa oferecer qualidade de vida dentro do tão celebrado e pouco aplicado conceito de sustentabilidade ambiental e das fundamentais necessidades humanas de trabalho, lazer e cultura.

Precisamos sentir que pertencemos aos lugares por onde andamos, que podemos trocar experiências de vida no nosso cotidiano, precisamos crer em ações mitigadoras da violência que não apenas camuflem a desordem e realmente incentivem os nossos melhores sentimentos em relação ao nosso vizinho.

Enfrentar os absurdos do dia a dia, frutos do des-planejamento que vivemos, exige de nossa parte a coragem de mudar paradigmas e de buscar a realização de algumas propostas de aproveitamento de todos os potenciais criativos do viver coletivo nas cidades. Basta pesquisar um pouco, que encontramos experiências com históricos de conquistas positivas em direção a sustentabilidade ambiental e cultural com forte ênfase na qualidade de vida e até na mitigação dos problemas que hoje vemos decorrentes das mudanças climáticas.

São Paulo, a metrópole - quase megalópole - enfrenta este desafio já que, sendo uma das maiores regiões metropolitanas do planeta, apresenta-se atrasada e defasada no seu conceito e estratégia.

Mas eu sei que a solução existe - e sei que você também sabe.

Comentários

Marilza disse…
Heloisa, acho que partimos do princípio de que a responsabilidade é de cada un. A base de tudo seria a 'educação' porque o povo esta cada vez mais mal educado e centrado em seu próprio umbigo. As pessoas se esquecem do que deixarão para a geração futura, filhos. O lixo se acumula, a falta de educação, consciência de verdadeiro cidadão anda muito ausente. Uma pena, porque teríamos muita coisa boa pra absorver, ajudar e implementar.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …