Pular para o conteúdo principal

CINQUENTINHA >> Fernanda Pinho

 Te amo.
Não chora.
Segura na minha mão.
Olha o aviãozinho.
Obedece a tia.
Não briga com sua irmã.
Pro banho, agora.
Sai do sol.
Escovou os dentes?
Arrumou sua cama?
Engole tudo, senão vai ter que ir no médico.
Chocolate, só depois do almoço.
Só se comer tudo.
Lava as mãos antes de comer.
Amarra o cadarço.
Acorda, que você tá atrasada.
Vou chamar seu pai.
Devolve que isso não é seu.
Olha pra atravessar a rua.
Olha o que que você fez!
Olha pra frente.
Olha pra mim.
Silêncio!
Presta atenção na aula.
Cuidado pra não pegar no olho.
Tem que esperar fazer digestão.
Só vai até o raso, viu?
Me respeita que eu sou sua mãe.
Calça o chinelo.
Estudou pra prova?
Cadê seu boletim?
Volta aqui.
Sai do computador.
Abaixa a televisão.
Desliga o telefone!
Quem era?
Leva casaco.
Leva guarda-chuva.
Traz o troco.
Não lê no escuro.
Pede pro seu pai.
Vai aonde?
Vai com quem?
Volta que horas?
Me liga quando chegar lá.
Deixa o celular ligado.
Me dá um toque que eu te busco.
Que cara é essa?
Tá linda!
Deus te abençoe.


50 frases de mãe. Algumas que soam chatas no momento em que ouvimos, mas sem as quais eu não seria 50% do que eu sou hoje. Uma pequena homenagem a uma pessoa que merece homenagens 50 milhões de vezes melhores. Minha mãe. A mãe que está entre as 50 melhores mães que já existiram (e em primeiro lugar, vejam só!) e que neste setembro completa 50 primaveras. 

Imagem: www.sxc.hu

Comentários

Anônimo disse…
Ahhhh q lindaaaa, Parabéns pra Ela!!!! Adorei, como sempre ne!!
Bjuusss

Loreyne
Parabéns pra sua mãe, pelo aniversário e por ter escrito pelo menos 50% da crônica desta semana. :) E pra você, também, parabéns por ter escutado, e guardado, e reconhecido, e agradecido o amor dessas pequenas frases de mãe. :) Como diz um amigo poeta, Manu Kelé, "é que a minha mãe, e todas as mães, formam a constelação do bem".
Jujú disse…
Adorei a forma linda e criativa de homenagear sua mamãe!

Sempre digo que ela deve ser uma mulher muito especial, afinal colocou nossa amada Ferdi nesse mundo!

E sua mãe tá gatissima pra 50 anos, fala sério! Depois te conhecer, sempre que vejo " Minha Mãe é uma Sereia" lembro de vocês!rs

Beijocas pra vc e um beijo especial pra Dna Léia!
Samara disse…
Léia merece. Tá lindo!
wman disse…
Não dou 50 anos pra sua mãe nem ferrando, mó rosto de mocinha... E pelo pouco que conversei, ela se mostrou bem jovial. Gente fina , parabens pra ela! Só uma coisa me intrigou: Na frase "Cuidado pra não pegar no olho", fiquei tentando achar em que situação ela se encaixava kauakauakau Beijos Biz
fernanda disse…
Tá vendo, mãe, não precisa me xingar que eu revelei sua idade. Todo mundo te acha linda e nova! hahahahahaha
Ela já queria acrescentar "não revele minha idade" nessa lista.
Wally, minha mãe sempre falava "cuidado pra não pegar no olho" qdo a gente estava brincando com qualquer coisa. Medo da gente ficar cega, sei lá...kkkkkk

Valeu, gente!

Beijos!!!
Paula irmã disse…
Curti demais!!!!!

"Me dá um toque que te busco". kkkkk
amei!

Faltou essa: "Tô linda demais!" kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

bjooos
Anônimo disse…
Amei negona!!! vc é demais!!!só não precisava falar a idade né.grande beijo te amo muitoooo
mâezinha igual vc fala
albir disse…
Parabéns, Fernanda, pra sua mãe e pra você.
Marilza disse…
Parabéns pra sua mãe. Parabéns pra vc, por escrever tão bem.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …